AS ITACOATIARAS DO INGÁ: Gravuras pintadas?

Ana Luísa Meneses Lage do Nascimento, Tânia Andrade Lima

Resumo


A Pedra Lavrada do Ingá, com suas características singulares e grande concentração de gravuras, pode ser interpretada como local destinado a práticas ritualísticas pelos grupos que dela se apropriaram, atribuindo-lhe significados que parecem relacioná-la ao domínio do sagrado (NASCIMENTO, 2015). Ao estudá-la, observamos em algumas gravuras a presença de uma pigmentação avermelhada, fato que nos levou a investigar se as itacoatiaras do Ingá teriam sido também pintadas. Para tanto, os pigmentos foram avaliados em microscópio, além de terem sido feitas análises por espectroscopia de fluorescência de raios X. O presente artigo discute a metodologia, as técnicas e apresenta os resultados alcançados.

 

THE ITACOATIARAS OF INGÁ: Painted Carvings?

ABSTRACT

The Pedra Lavrada do Ingá, with its singular characteristics and large concentration of carvings, can be interpreted as a site for ritualistic practices by the groups that appropriated it, giving it meanings that seem to relate it to the sacred domain(NASCIMENTO, 2015). During our study, we observed the presence of a reddish pigment within some carvings, a fact that leads us to investigate if the Ingá itacoatiaras could have been also painted. In order to address this, pigments were scrutinized under the microscope, whereas x-ray fluorescence spectroscopic analyses were also performed. This study addresses the methods, the techniques and the achieved results.

Keywords: Pedra do Ingá, engraved painted, methods of analyzis.

 


Palavras-chave


Pedra do Ingá; gravuras pintadas; métodos de análises

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, V. de. A Pedra do Ingá – Itacoatiaras na Paraíba. 2ª ed. João Pessoa: JRC editora. 2008.

BRUNET, J. ; VIDAL, P. ; VOUVE J. Conservation de l’art rupestre: deux études, glossaire illustré, UNESCO, Paris, 1985.

CARVALHO, M. G. D. F. Estado da Paraíba: classificação geomorfológica. João Pessoa: Editora da UFPB. 1982.

CAVALCANTE, L. C. D.; FABRIS, J. D. ; LAGE, M. C. S. M. . Archaeometric analysis of prehistoric rupestrian paintings from the Toca do Estevo III site, Piauí, Brazil. Journal of Archaeological Science: Reports, v. JASREP, p. 1-6, 2017

CÉZAR, T. H. da S. Sítio Arqueológico Itacoatiaras do Rio Ingá: reflexões sobre a preservação do patrimônio cultural e a documentação como um instrumento para esta prática. Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural-PEP/MP/IPHAN. 2012.

CPRM- Serviço geológico do Brasil. Projeto. Cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Ingá, estado da Paraíba. Organizado por João de Castro Mascarenhas, Breno Augusto Beltrão, Luiz Carlos de Souza Junior, Franklin de Morais, Vanildo Almeida Mendes, Jorge Luiz Fortunato de Miranda. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.

HARMAN, J. Using decorrelation stretch to enhance rock art images. 2015. Disponível em http://goo.gl/9teMMO Acesso em: 10 de agosto de 2015.

LAGE, M. C. S. M.. Análise Química de Pigmentos de Arte Rupestre. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 2, p. 89-101, 1997.

_______________. A conservação de sítios de arte rupestre. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 33 – Patrimônio Arqueológico: o desafio da preservação. Brasília: IPHAN, 2007.

LAGE, M. C. S. M. et al. Diagnóstico e Projeto Executivo de Processo de Conservação do Painel Principal do Sítio Itacoatiaras do Ingá – PB, 20a. SR-IPHAN-PE, 2010.

LIMA, C. As itacoatiaras de Ingá. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, v. 12, João Pessoa: Editora Teone, 1953.

MARTIN, G. Estudos para uma desmistificação dos petróglifos brasileiros: a Pedra Lavrada do Ingá (Paraíba). In: Revista de História da Universidade de São Paulo, 1975.

MARTIN, G. Pré-História do Nordeste do Brasil. 3. ed. atual. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2008.

MARTÍNEZ, E. Q. Aplicación Dstretch del software Image-J. 2008

MARTÍNEZ, E. Q. Avance de resultados en el Arte Rupestre de la Región de Murcia. Cuadernos de Arte Rupestre, v. 5, p. 9-27, 2010.

MENESES, F. G. A. de. Técnicas computacionais para o realce de imagens de pinturas rupestres. Revista da Escola Regional de Informática, v. 1, n. 1, p. 25-30, 2013.

NASCIMENTO, A. L. M. L. do. Multivocalidade na Pedra do Ingá: ouvindo narrativas paralelas. 9 de novembro de 2015. Tese de doutorado. Museu Nacional-Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2015.

SIMABUCO, S.M.; NASCIMENTO FILHO, V. F. Quantitative analysis by energy dispersive X-ray fluorescence by the transmission method applied to geological samples. Sci. agric. (Piracicaba, Braz.) vol.51 no.2 Piracicaba May/Aug. 1994. Disponível em:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90161994000200001

SKOOG, D. A, WEST, D. M., HOLLER, F. J., CROUCH, S. R. Fundamentos de Química Analítica. Editora Thomson, tradução da 8ª edição, 2006.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.V33N1p26-45

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev