O ETNOCONHECIMENTO GEOMORFOLÓGICO APLICADO AO ORDENAMENTO TERRITORIAL NAS PEQUENAS COMUNIDADES TRADICIONAIS

Simone Cardoso Ribeiro, Sinara Gomes de Sousa

Resumo


O presente trabalho debruça-se sobre dois conceitos, o de Etnogeomorfologia e o de ordenamento territorial. Primeiramente fizemos a caracterização geoambiental dos municípios para reconhecimento dos aspectos físico/naturais e sociais das áreas pesquisadas; aplicação de entrevistas roteirizadas utilizando a técnica ‘Bola de Neve’; e levantamento dos dados. No total foram entrevistados 77 produtores rurais. Destaca-se aqui, a importância da valorização do saber popular, pois os sertanejos como conhecedores das potencialidades e limitações do ecossistema, planejam e ordenam seu território na busca de uma melhor viabilização de suas atividades econômicas, tendo em vista a conservação do meio ambiente.


GEOMORPHOLOGICAL ETHNO-KNOWLEDGE APPLIED TO TERRITORIAL PLANNING IN SMALL TRADITIONAL COMMUNITIES

ABSTRACT

The present work focuses on two concepts, that of ethno-geomorphology and that of territorial planning. At first a geoenvironmental characterization of the municipalities was conducted in order to recognize the physical/natural and social aspects of the surveyed areas; following controlled interviews were applied using the 'Snowball' technique and data evaluation. Altogether, 77 rural producers were interviewed, 54 in the municipality of Farias Brito and 23 in the municipality of Granjeiro, State of Ceará. The study highlighted the importance of the valorization of popular knowledge, as pointed out by the attitude of the drylands peasants, who apply their knowledge of the potentialities and limitations of the ecosystem in order to plan and organize their territory searching to improve the viability of their economic activities, coupled with the conservation of the environmental resources.

Keywords: Ethnogeomorphology; Planning; Use and soil occupation.



 


Palavras-chave


Etnogeomorfologia; Ordenamento; Uso e ocupação do solo

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Ana Maria de Paiva Macedo; RUSSO, Paulo Roberto; FIALHO, Edson Soares. Planejamento e clima urbano. Revista da Pós-graduação em geografia. UFRJ/PPGG: Rio de Janeiro, 2001.

FUNCEME, Levantamento de Reconhecimento de Média Intensidade de Solos Mesorregião do Sul Cearense. Fundação Cearense de meteorologia e Recursos Hídricos: Fortaleza, 2012.

FUNCEME. Zoneamento geoambiental do estado do Ceará: parte II Mesorregião do Sul Cearense. Fundação Cearense de meteorologia e Recursos Hídricos: Fortaleza, 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@: Farias Brito. Disponível em: Acesso em: 24/11/2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@: Granjeiro. Disponível em: Acesso em: 02/09/2016.

IPECE. Ceará em mapas Tipos Climáticos. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará: Fortaleza, 2007. Disponível em: http://www2.ipece.ce.gov.br/atlas/capitulo1/12/126x.htm> Acesso em: 03/07/2016.

IPECE. Perfil Básico Municipal Farias Brito 2015. Instituto de Pesquisa e estratégia Econômica do Ceará: Fortaleza, 2015. Disponível em: Acesso em: 15/11/2015.

IPECE. Perfil Básico Municipal Granjeiro 2015. Instituto de Pesquisa e estratégia Econômica do Ceará: Fortaleza, 2015. Disponível em: Acesso em: 15/11/2015.

MILLER, F. S. Arqueologia e Etnografia. ARQUEOLOGIA DO RN: BALANÇOS E PERSPECTIVAS. 1 ed. Natal: EDUFRN-Editora da UFRN, 2014, v. 1, p. 117-125.

MIRANDA, E. E. de; (Coord.). Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005. Disponível em: Acesso em: 12/07/2014.

RIBEIRO, Simone Cardoso. Etnogeomorfologia Sertaneja: proposta de classificação das paisagens da sub-bacia do rio Salgado/CE com base no conhecimento tradicional sobre relevo e seus processos. Editora RDS: Crato, 2014.

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Análise empírica das fragilidades dos ambientes naturais e antropizados. FFLCH/USP: São Paulo, 1993.

TOLEDO, Victor Manuel; BARRERA-BASSOLS, Narciso. A etnoecologia: uma ciência pós-normal que estuda as sabedorias tradicionais. R. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Ed. UFPR: Paraná, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27/08/2014.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.V32N3p158-179

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev