ESTUDO PALEOBIOLÓGICO DE RESTOS HUMANOS PROVENIENTES DO SÍTIO BAIXA DAS FLORES, LIMOEIRO DE ANADIA, ALAGOAS, BRASIL

Danúbia Valéria Rodrigues de Lima, Flávio Augusto de Aguiar Moraes

Resumo


Os estudos paleobiológicos são uma importante fonte de informações acerca das condições de saúde e das dinâmicas bioculturais das populações do passado. No caso específico da tradição arqueológica Aratu, pouco se conhece a respeito da biologia de sua população, o que em parte se deve ao fato de que os remanescentes ósseos nem sempre estão presentes nas urnas funerárias escavadas ou, quando estão, as condições de preservação impedem estudos dessa natureza. No caso do Sítio Baixa das Flores, apesar de possuir uma pequena amostra osteológica, esses estudos tornam-se relevantes pelo fato de proporcionarem uma primeira observação biológica das populações humanas inseridas na tão vasta tradição arqueológica Aratu no Nordeste brasileiro.

 PALEOBIOLOGICAL STUDY OF HUMAN REMAINS FROM BAIXA DAS FLORES SITE, LIMOEIRO DE ANADIA, ALAGOAS, BRASIL
 ABSTRACT
The paleobiologic studies are an important source of information about health conditions and bioculturals dynamics of populations of the past. In the specific case of the archaeological tradition Aratu, little is known about their population biology, partly due to the fact that the skeletal remains are not always present in the excavated burial urns or when they are, the preservation conditions hinder studies of this nature. If the site of Baixa das Flores, despite having a small osteological sample, it is relevant because providing a first biological observation of human populations inserted in the vast archaeological tradition Aratu in northeastern Brazil.

Keywords: Human paleobiology; Funerary urns; Aratu Tradition


Palavras-chave


Paleobiologia humana; Urnas funerárias; Tradição Aratu

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO NETTO, C. X. de; OLIVEIRA, A. M. P. de. 2015. “Os documentos arqueológicos e históricos: a relação da cultura material e do ambiente nos sítios arqueológicos do Cariri paraibano”. In: Revista do Curso de História UNICAP 2 (3), 08–27.

BROTHWELL, D. 1981. Digging up Bones. New York: Cornell University Press.

BUIKSTRA, J. E.; COOK, D. C. 1980. “Paleopathology: An American Account”. In: Annual Review of Anthropology 9, 433–470.

BUIKSTRA, J. E.; UBELAKER, D. H. 1994. Standards for data collections from human skeletal remains. Fayetteville, Arkansas: Arkansas Archaeological Survey Report, n. 44.

CALDERÓN, V. 1968. Fase Aratu no recôncavo litoral norte do Estado da Bahia. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas – PRONAPA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

CALDERÓN, V. 1969. Nota Prévia sobre Arqueologia das Regiões Central e Sudoeste do Estado da Bahia. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas – PRONAPA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

CALDERÓN, V. 1971. Breve Notícia da Arqueologia de Duas Regiões no Estado da Bahia. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas – PRONAPA. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

CARVALHO, O. A. de; VERGNE, C. 2001. “Estudo paleodemográfico e tafonômico na população pré-histórica da necrópole de São José II (Delmiro Gouveia, Alagoas, Brasil)”. In: Canindé, 1 (1), 101–116.

CARVALHO, O. A. de; QUEIROZ, A. N. de; MORAES, F. A. de A.; LEITE NETO, W. M.; SILVA, P. P. A. 2006. Os esqueletos humanos encontrados na Furna dos Negos, Jataúba-PE: Um estudo paleoantropológico. In: Anais do Workshop Arqueológico – Max/Petrobras. Aracaju: UFS.

CARVALHO, O. A. de; 2007. Bioanthropologiedes necrópoles de Justino et de São José II, Xingó, Brésil. Tese de Doutorado, Faculté des Sciences de L’université de Génove, Suíça.

DIAS, G.; TAYLES, N. 1997. “Abscess cavity - a misnomer”. In: International Journal of Osteoarchaeology7, 548–554.

ETCHEVARNE, C.; FERNANDES, L. 2011. “Patrimônio arqueológico pré-colonial. Os sítios de caçadores coletores e dos grandes grupos de horticultores ceramistas, antes da chegada dos portugueses”. In: ETCHEVARNE, C.; PIMENTEL, R. (Org.) Patrimônio Arqueológico da Bahia. Série Estudos e Pesquisas 88, 27–46.

ETCHEVARNE, C. 2012. O sítio de Tradição Aratu de Água Vermelha, Reserva Indígena Caramuru Paraguaçu, e suas implicações arqueológicas e etno-políticas. In: Cadernos de Arte e Antropologia 1, 53–58.

FEREMBACH, D.; SCHWIDETKY, I.; STLOUKAL, M. 1980. “Recommendations for age and sex diagnoses of skeletons”. In: Jornal ofHumanEvolution 9, 517–549.

FERNANDES, H. L. A. 2002. “Tafonomia comparada em urnas Aratu (Piragiba e São Félix do Coribe, Bahia)”. In: Canidé (2), 291–310.

FERNANDES, H. L. A. 2011. As lâminas de machado lascas Aratu de Piragiba – BA. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Bahia, Brasil.

GUIDON, N. 1991a. “O Pleistoceno no Sudeste do Piauí”. In: Anais do Simpósio de Pré-História do Nordeste, Clio (Série Arqueológica) (4), 17–18.

HILLSON, S. 1996. Dental Anthropology. Cambridge: University Press.

HILLSON, S. 2001. “Recording dental caries in archaeological human remains”. In: International Journal of Osteoarchaeology, 11, 249–289.

LIMA, J. M. D. 1984. Arqueologia do Brejo da Madre de Deus, Pernambuco. Arquivos do Museu de História Natural, Belo Horizonte, v. VIII/XI, p. 29–32.

LIMA, J. M. D. 1985. Arqueologia da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus - Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

LIMA, J. M. D.; SCHMITZ, P. I.; MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F.; BEBER, M. V. 2012. “A Furna do Estrago no Brejo da Madre de Deus, PE”. In: Pesquisas, Antropologia, 69, 5–140.

MARTIN, G. 1998. “O povoamento pré-histórico do Vale do São Francisco”. In: Cadernos de Arqueologia, Documento 13.

MARTIN, G. 2013. Pré-história do Nordeste do Brasil. Recife: Editora Universitária, UFPE.

MAYS, S. 2010. The Archaeology of human bones. London: Routledge.

MELLO E ALVIM, M. C. de; MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F. 1990. “O grupo pré-histórico da Furna do Estrago e suas relações biológicas com outras populações pré-históricas e atuais do Brasil”. In: Clio (Série Arqueológica) 1(6), 69–79.

MELLO E ALVIM, M. C. de. 1991. “O grupo pré-histórico da Furna do Estrago e suas relações biológicas com outras populações pré-históricas e atuais do Brasil”. In: Clio (Serie Arqueológica) 1 (4), 81–83.

MELLO E ALVIM, M. C. de; UCHÔA, D. P.; SILVA, S. F. S. M. da. 1995–1996. “Osteobiografia da população pré-histórica do abrigo Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN”. In: Revista Clio (Série Arqueológica) 1 (11), 17–42.

MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F. 1992. Traumatismos vertebrais como indicadores de atividade física na população da Furna do Estrago, Pernambuco, Brasil. In: ARAÚJO, A. J. G.; FERREIRA, L. F. Paleopatologia e Paleoepidemiologia: estudos multidisciplinares. Rio de Janeiro: ENSP, p. 123–139.

MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F.; MELLO E ALVIM, M. C. de. 1986. “Paleodemografia da população da Furna do Estrago, Pernambuco”. In: Cadernos de Resumo da III Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Goiânia.

MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F.; MELLO E ALVIM, M. C. de; 1992. “A população pré-histórica da Furna do Estrago – Adaptação Humana ao Agreste Pernambucano”. In: Symposium 34(2), 123–145.

MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F.; CARVALHO, O. A.; QUEIROZ, A. N.; ALVES, M. A. de M.; SILVA, M. I. C. & SILVA, A. F. 2003. “Traços de desarticulação e descarne em esqueletos do sítio arqueológico da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, Brasil”. In: Cadernos de Resumos da XII Reunião da Sociedade de Arqueologia Brasileira. São Paulo.

MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F.; RODRIGUES-CARVALHO, C. 2013. “Ossos no chão: para uma abordagem dos remanescentes humanos em campo”. In: Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi 8 (3), 551–566.

MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F.; VIDAL, I. A.; OLIVEIRA, C.; VERNE, C. 2002. “Mumificação natural na Toca da Baixa dos Caboclos, sudeste do Piauí: uma interpretação integrada dos dados”. In: Canindé, 83–102.

MORAES, F. A. A.; LIMA, D. V. R.; BARBOSA, R. F. 2014. “A cultura arqueológica aratu em Alagoas: o caso do sítio Baixa das Flores, Limoeiro de Anadia”. In: ALMEIDA, S. de; SILVA, A. H. L.; MARCHIONI, A.; BARBALHO, J. I. S. (Org.) Índios de Alagoas: história e sociedade. 1 ed. Maceió, AL: EDUFAL, v. XVI, 93–122.

MORAES, F. A. A.; LIMA, D. V. R.; FONTES, M. A. 2016. “A cerâmica da Tradição Arqueológica Aratu em Alagoas: um Estudo do Material Cerâmico Coletado Durante a Pesquisa no Sítio Baixa das Flores, Limoeiro de Anadia”. In: Tarairiú. 1(12), 281–300.

RISSECH, C.; ESTABROOK, G. F.; CUNHA, E.; MALGOSA, A. 2006. “Using the acetabulum to estimate age at death of adult males”. In: Journal of Forensic Science 51 (2), 214–229.

RODRIGUES, C. 1997. Perfil dento-patológico nos remanescentes esqueletais de dois sítios pré-históricos brasileiros: o cemitério da Furna do Estrago (PE) e o Sambaqui de Cabeçuda (SC). Dissertação de mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, Brasil.

SILVA, S. F. S. M. da; MEDEIROS, J. C. de; ALENCAR, R., O. de. 2013. “Um caso de craniossinostose da sutura sagital em um subadulto do sítio arqueológico Furna do Nego, município de Jataúba, Pernambuco, Brasil”. In: Clio (Série Arqueológica) 28 (2), 01–15.

SILVA, J. A.; CARVALHO, O. A. de. 2013. “Análise arqueotanatológica de duas sepulturas infantis – Sítio Justino-SE”. In: Clio (Série Arqueológica) 28 (1), 74–104.

SIMON, C.; CARVALHO, O. A. de; QUEIROZ, A. N.; CHAIX, L. 1999. Enterramentos na Necrópole do Justino- Xingó. Projeto de Arqueologia de Xingó: PETROBRAS, CHESF, UFS. São Cristóvão-SE.

SMITH, P.; BAR-YOSEF, O.; SILLEN, A. 1984. “Archaeological and skeletal evidence for dietary change during the late Pleistocene/early Holocene in the Levant”. In: COHEN, M. N.; ARMELAGOS, G. J. (Org.). Paleopathology at the Origins of Agriculture. London: Academic Press.

SOLARI, A.; ALVES-PEREIRA, A.; ESPÍNOLA, C. S.; MARTIN, G.; COSTA, I. P. da; SILVA, S. F. S. M. da. 2016. Escavações arqueológicas no abrigo funerário Pedra do Cachorro, Buíque, Pernambuco. In: Clio (Série Arqueológica) 31 (1), 105–135.

SOLARI, A.; SILVA, S. F. S. M. da; MELLO, S. 2015. “Estudo de caso sobre indicadores bioarqueológicos de práticas mortuárias complexas em esqueleto humano coletado no abrigo Pedra do Cachorro, Buíque, PE”. In: Clio (Série Arqueológica) 30 (1), 92–119.

SOUZA, L.; SILVA, S. F. S. M. da. 2013. “Inferências preliminares sobre remodelações osteopatológicas e correlatas em vértebras, costelas e ossos de mãos e pés da coleção antropológica do sítio pré-histórico Furna do Nego, município de Jataúba, Pernambuco, Brasil”. In: Clio (Série Arqueológica) 28 (1), 01–13.

SUBY, J. A.; SANTIAGO, F.; SALEMME, M. 2008. “Análises paleopatológicas de los restos humanos del sítios Puesto Pescador I (Tierra del Fuego)”. In: Megalania 36 (1), 53–64.

UBELAKER, D. 2003. Anthropological perspectives on the study of ancient disease. An Archaeology, Ecology and Evolution of infectious disease. New York: Oxford University Press, 93–102.

VERGNE, C. 2002. “Estruturas funerárias do sítio do Justino: distribuição no espaço e no tempo”. In: Canindé (2), 251–237.

VERGNE, C.; AMÂNCIO, S. 1992. “A necrópole pré-histórica do Justino/Xingó, Sergipe: Nota prévia”. In: Clio (Série Arqueológica) 1 (28), 171–180.

VERGNE, C.; CARVALHO, O. A. de; QUEIROZ, A. N. de. 2002. “A diagnose do sexo e idade dos esqueletos humanos em sepulturas com ossos de animais no Sítio Justino (Canindé de São Francisco, Sergipe, Brasil)”. In: Canindé (2), 275–282.

WASTERLAIN, R. S. N. 2006. Males da Boca. Estudo da patologia oral numa amostra das Colecções Osteológicas Identificadas do Museu Antropológico da Universidade de Coimbra (finais do séc. XIX/inícios do séc. XX). Tese de Doutoramento, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.V32N1p14-36

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev