A EVOLUÇÃO DA CANOA MONÓXILA EM PERNAMBUCO, BRASIL (SÉCULOS XVI ao XX)

Carlos Celestino Rios e Souza, Hamilton Marcelo Morais Lins Júnior

Resumo


A canoa monóxila, popularmente conhecida como canoa de um pau só, é uma embarcação utilizada pelos indígenas do Brasil desde antes da chegada dos primeiros navegantes portugueses no século XVI. Apesar do crescente desenvolvimento tecnológico ocorrido em Pernambuco ao longo dos últimos cinco séculos, a canoa foi objeto de uma série de modificações adaptativas. O presente trabalho procura explicar a evolução da tecnologia da canoa monóxila, relacionando as transformações e os acréscimos introduzidos no casco monóxilo e as variáveis ambientais, socioeconômicas e históricas entre os séculos XVI e XX. O presente artigo se mostra relevante diante da inexistência de trabalhos de cunho acadêmico que versem sobre a tecnologia das embarcações tradicionais de Pernambuco, cuja primeira datação de um artefato náutico é anterior ao descobrimento do Brasil.

 

ABSTRACT


The dugout canoe, popularly known as “canoa de um pau só”, is a boat used by the natives of Brazil since before the arrival of the first Portuguese navigators in the 16th century. Despite the growing technological development occurred in Pernambuco over the past five centuries, the canoe was subjected to many adaptive changes. This paper seeks to explain the evolution of the dugout canoe’s technology, relating the changes and additions introduced upon its hull with the environmental, socioeconomic and historical variables from the sixteenth to the twentieth century. This article is relevant, given the lack of academic works about the technology of traditional boats of Pernambuco and for obtaining the first dating from a nautical artifact prior to the discovery of Brazil.


Key Words: Maritime Archaeology; Dugout Canoe; Dating


Palavras-chave


Arqueologia Marítima; Canoa monóxila; Datação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALDAZABAL, V. & AGUEDA CASTRO, M. La construcción de canoas monoxilas en la cuenca del Plata. In Journal de la Société des Américanistes. Tomo 86, 2000.

ALVES CÂMARA, A. Ensaio Sobre as Construções Navais Indígenas do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

ALVES, F. J. S. A tradição monóxila náutica em Portugal e no Brasil – achegas para um debate sobre problemáticas comuns. In CAMPOS, J. B.; ZOCCHE, J. J.; CEREZER, J. F.; OOSTERBEEK, L. M. (Orgs.). Arqueologia Iberoamericana e Transatlântica: Arqueologia, Sociedade e Território: Erechim: Instituto Terra e Memória (ITM), Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Habilis Editora, 2013.

AMADO, J. Brasil 1500: quarenta documentos. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, São Paulo: Imp. Oficial do Estado de São Paulo, 2001.

ANTONIL, A. J. Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas. Recife: Museu do Açúcar, 1969.

___________ Pirogues monoxyles d'Europe centrale: construction, typologie, évolution. Tomo 2. Neuchâtel: Musée Cantonal d’archéologie, (Archéologie neuchâteloise 21), 1996.

CASCUDO, L. C. Jangada: uma pesquisa etnográfica. 2ª Ed., São Paulo: Global, 2002.

CHERQUES, S. Dicionário do mar. São Paulo: Globo, 1999.

DNIT, Histórico do Rodoviarismo. Disponível em: http://www1.dnit.gov.br/historico/. Acesso em: 06.12.2014.

HARTMANN, M. J. The Development of Watercraft in the Prehistoric Southeastern United States. College Station: o autor, 1996.

HOCKER, F. M. “Shipbuilding: Philosophy, Practice, and Research” in HOCKER, F. M. e WARD, C. A. Philosophy of Shipbuilding: conceptual approaches to the study of wooden ships. Prefácio de George F. Bass, Texas A & M University Press, 2004.

JERÔNIMO, C. E. M.; SOUZA, F. R. S. Determinação do índice de qualidade da água da lagoa de Extremoz − RN: série temporal e correlação a índices pluviométricos. In Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 10, nº 10, janeiro–abril, 2013.

KIDDER, D. P. Reminiscências de viagens e permanência no Brasil, compreendendo notícias históricas e geográficas e das diversas províncias. São Paulo: Livraria Martins, Editora da Universidade de São Paulo, 1972.

LINS, M. Mercados do Recife. Recife: O autor, 2007.

LINS, M.; GRANJA, R. Reconhecimento e Monitoramento de Embarcações Tradicionais-PE. Recife: IPHAN, 2008 (texto inédito).

MARTIN, G. Pré-história do Nordeste do Brasil. 3ª Ed. Recife: Editora Universitária UFPE, 1999.

MCGRAIL, S. Ancient Boats in North-West Europe: The Archaeology of Water Transport to Ad 1500. s.l.: Routledge, 2014.

MELLO, E. C. Canoas do Recife: em estudo de micro-história urbana. In Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, v. L, Recife: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico de Pernambuco, 1978.

MORENO, D. C. Livro que dá razão do Estado do Brasil. Recife: Comissão Organizadora e Executiva das Comemorações do Tricentenário da Restauração Pernambucana, Arquivo Público Estadual, 1955.

MUCKELROY, K. Maritime archaeology. London: Cambridge University Press, 1978.

POMEY, P.; RIETH, E. L’Archéologie Navale. Paris: Editions Errance, 2005.

SOUZA, G. S.Tratado descritivo do Brasil em 1587. Recife: Massangana, 2000.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.v31i2p58-80

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev