PRESERVAÇÃO, SALVAGUARDA E CONSERVAÇÃO ARQUEOLÓGICA: A RESERVA TÉCNICA DE MATERIAL ORGÂNICO DO DEPARTAMENTO DE ARQUEOLOGIA DA UFPE

Neuvânia Curty Ghetti

Resumo


Após serem escavados e se tornarem parte de um acervo, os artefatos arqueológicos podem apresentar graves problemas para sua conservação. Se alguns são feitos de materiais duráveis, outros são compostos por materiais sujeitos a uma rápida deterioração. Assim, o simples ato de resgatá-los não implica em sua conservação, podendo, ao contrário, expor os artefatos a uma contínua deterioração, uma vez que estarão sendo submetidos a novas demandas, como o acesso de pesquisadores e sua exposição ao público. A partir disso, o objetivo deste artigo é explanar sobre a conservação sob a ótica da Arqueologia, seu potencial para a análise e guarda do material arqueológico enquanto formadores de uma reserva técnica, propondo uma abordagem sistemática e prática para a compreensão, segurança e o cuidado na gestão dos artefatos escavados. Com isso, como resultado, espera-se subsidiar estratégias de preservação permanente para o acervo arqueológico, entendendo que a conservação arqueológica requer não somente o conhecimento dos processos e das preocupações da Arqueologia, como também o conhecimento das ciências dos materiais e das modernas tecnologias, tudo combinado com um senso ético muito apurado. Apresenta-se, desse modo, um arcabouço teórico/metodológico que aborda as operações e os processos da conservação e da salvaguarda, apresentando recomendações úteis para a definição de planos de gestão para o acervo arqueológico que ora se encontra depositado em reservas técnicas e instituições de guarda. Este artigo traz um diagnóstico de conservação em andamento como aplicação da metodologia proposta ao acervo arqueológico na Reserva Técnica de Material Orgânico do Departamento de Arqueologia, tendo como estudo de caso a preservação, a conservação e a salvaguarda dos vestígios do Sítio Alcobaça, em Pernambuco.

 

ABSTRACT

This paper aims to comment the conservation under the archeological point of view, showing the potential to the analysis and guard of archeological materials as formers of a technical reserve, proposing a practical and systematic approach to the comprehension, safety and care of the excavated material management. As results, directives are given to subsidy permanent preservation strategies to the archeological collection, understanding that the archaeological conservation requires beyond the archeological processes, beyond the material technological knowledge, all combined with a deep ethical sense. The paper shows theoretical and methodological concepts that include conservation and guard processes, giving recommendations to define management plans to be applied to archaeological collections stored on technical reserves and other specific guard locations. In addition, the proposed methodology applied to the Technical Reserve of Organic Materials – Archaeology Department / UFPE is exposed, focusing the case of the conservation and safeguard of the Alcobaça Archaeological Site remains, in Pernambuco/ Brazil.

Key words: Conservation; preservation; archaeological collection




Palavras-chave


Conservação; preservação; acervo arqueológico

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A.; SOUZA, S. M. O. 2014. Projeto Inova: Estudos sobre Origem e Evolução da Doença- Desenvolvimento de Protocolos Aplicáveis em Material de Acervo e Coleções.Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio AroucaFundação Oswaldo Cruz. Disponível em http://www5.ensp.fiocruz.br/biblioteca/home/exibedetalhesBiblioteca.cfm?ID=16214&tipo=B.

BASTOS, R; SOUZA, M. (Org) 2010. Normas e gerenciamento do Patrimônio Arqueológico. 3ª Ed. São Paulo:Superintendência do Iphan em São Paulo.

CABRITA, A. R.; AGUIAR, J.; APPLETON, J. 1993. Manual de apoio à reabilitação dos edifícios do Bairro Alto.Lisboa: FNAC.

Carta de Atenas– Sociedade das Nações -outubro 1931 IN: Cartas Patrimoniais, 2ª ed. Iphan: Rio de Janeiro, 2000, p. 13-19.

Carta de Lausanne – ICOMOS/ICAHM de 1990 IN: Cartas Patrimoniais, 3ª ed. Iphan: Rio de Janeiro, 2004, p. 303-310.

Carta de Restauro – Governo da Itália- abril 1972IN: Cartas Patrimoniais, 2ª ed. Iphan: Rio de Janeiro, 2000, p. 147-169.

Constituição Federal de 1988 IN: Coletânea de Leis Sobre Preservação do Patrimônio, Rio de Janeiro, Iphan, 2006, p. 15-21.

CRONYN, J.M. The Elements of Archaeological Conservation. 1990. Londres: Routledge – Taylor & Francis Group.

CUNHA, C. R. 2006. “Alois Riegl e o culto moderno dos monumentos”. Resenha de livro. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/resenhas/textos/resenha141.asp

CURY, M. X. 2009. “Museologia, novas tendências”. In: Museus e Museologia: Interfaces e Novas Perspectivas. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins.

FRONER, Y. A. 2001. “Reserva Técnica – bases para um planejamento seguro”. In: II Fórum de Profissionais de Reservas Técnicas de Museus.São Paulo:COREM.

GAMBIM, B. R.: GHETTI, N. C. 2009 “Arqueologia em empreendimentos: uma abordagem para a preservação”.In: XV Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira – Arqueologia e Compromisso Social: Construindo Arqueologias Multiculturais e Multivocais. Belém: SAB.

GHETTI, N. C. 2008 Estudos de capacidade de carga e sua relação com a preservação/ requalificação de objetos arquitetônicos e espaços urbanos para fins de planejamento turístico: o caso do Complexo Turístico e de Lazer do Cristo Redentor. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura. Universidade Federal do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro.

GHETTI, N. C. 2009 “Saber Cuidar: a Conservação para Valorizar e Preservar o Acervo Arqueológico”.In:XV Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira – Arqueologia e Compromisso Social: Construindo Arqueologias Multiculturais e Multivocais. Belém: SAB.

GRANATO, M.; CAMARA, R. N.; MAIA, E. S. 2008. “Valorização do Patrimônio Científico e Tecnológico Brasileiro: Concepção e resultados preliminares.” In: XIClio Arqueológica 2015, V30N2, pp. 100-153, GHETTI.

Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Inovação e Inclusão Social: Questões contemporâneas da Informação. Rio de Janeiro.

GRANATO, M.; LOURENÇO, M. C. 2010. “Reflexões sobre o Patrimônio Cultural da Ciência e Tecnologia na Atualidade”. In: Revista Memória em Rede, v.2, n. 4 dez.2010/mar.2011. Pelotas.

JOKILEHTO, J. 2002. Conceitos e Ideias sobre Conservação. In: Gestão do Patrimônio Cultural Integrado. Centro de Conservação Integrada Urbana e Territorial. Recife:Editora Universitária da UFPE.

LORÊDO, W. M. 1994. Manual de Conservação em Arqueologia de Campo. Rio de Janeiro:Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural. Departamento de Proteção.

GUIMARÃES, L.2012.“Preservação de Acervos Culturais”.In:Segurança de Acervos Culturais (Org.).Rio de Janeiro:Museu de Astronomia e Ciências Afins.

MELO e SILVA, M. C. S. 2012. Segurança de Acervos Culturais.Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins (Org).

MENDES, M. (org) [et al.] 2001; tradução de RIBEIRO, V. L. Conservação: Conceitos e Práticas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

MOLES, M.1975. Teoría de los Objetos- Colección Comunicación Visual. 2ª Ed.Barcelona:Editorial Gustavo Gili S.A.

OLIVEIRA, L. D. 2013.“Gestão documental do Projeto Arqueológico Delta do Jacuí/Guaiba”. In: XVII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira – Arqueologia Sem Fronteiras: Repensando Espaço, Tempo e Agente. Aracajú: SAB.

PAIVA J. V.; AGUIAR J.; PINHO A. (Coord.).2006. Guia Técnico de Reabilitação Habitacional – Volume 1. Lisboa: Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

PEREIRA, D. CABRAL, M. P. 2011. Perspectivas da Curadoria Arqueológica. (Monografia), Universidade do Estado do Amapá: Macapá.

PROUS, A. 2006.O Brasil antes dos Brasileiros: a pré-história de nosso país. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar.

SOUZA, L. A. C. 2012. A Conservação Preventiva e a Sustentabilidade da preservação de bens móveis e integrados. I Fórum Nacional do Patrimônio Cultural", Ouro Preto, 2009. Brasília:Iphan.

WICHERS, C. A. M. 2010. Museus e Antropofagia do Patrimônio. Tese de Doutorado. Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias, Lisboa, Portugal.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.v30i2p100-153

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev