A CULTURA MATERIAL ASSOCIADA A SEPULTAMENTOS NO BRASIL: ARQUEOLOGIA DOS ADORNOS

Jaciara Andrade Silva, Olivia Alexandre de Carvalho, Albérico Nogueira de Queiroz

Resumo


Neste trabalho procuramos lançar uma discussão sobre a cultura material relacionada aos sepultamentos em sítios arqueológicos. Propusemos encontrar elementos que justifiquem as especificidades dos adornos para três sepulturas do Sítio Justino (137, 138 e 140), Canindé de São Francisco, Sergipe, Brasil. As evidências presentes nessas amostras e a conexão entre os três esqueletos estavam restritas às semelhanças entre os artefatos. A constituição química dos artefatos e o contexto em que se encontravam deixaram clara a existência de materiais incompatíveis com a tipologia das amostras comuns para períodos pré-colombianos. Assim, acreditamos que esses artefatos teriam uma origem fora do território brasileiro e teriam sido trazidas pelos colonizadores, sobretudo a partir do século XVI. As tentativas de datações diretas em amostras de ossos e dentes oriundos das sepulturas do Justino não apresentaram resultados conclusivos em razão do estado de conservação das amostras (material extremamente friável). As evidências levam a crer que os diversos questionamentos e inquietações sobre as camadas de estratigráficas do sítio arqueológico Justino podem ser mais complexos do que o que foi apresentado até o momento.

 

ABSTRACT

In this paper we seek to throw a discussion about the material culture related to human burials in archaeological sites. We proposed finding evidences to justify the specific features of adornments for three tombs from Justino archaeological site (137, 138 and 140) that was located at Canindé de São Francisco, Sergipe state, Brazil. The sample evidences and the connection between the three skeletons were restricted to similarities between artifacts. The chemical constitution of the artifacts and the context in which they were made clear the existence of incompatible with the common typology of samples for pre-Columbian period materials. Thus, we believe that these artifacts have an origin outside Brazil and have been brought by the colonizers, especially from the sixteenth century. Attempts at direct dating on samples of bones and teeth coming from the Justino burials showed no conclusive results due to the condition of the samples (extremely friable material). These evidencessuggest that the various questionings and restlessness about the stratigraphical layers of the Justino archaeological site may be more complex than has been presented so far.

KEYWORDS: Material Culture; Burials; Archaeology of Adornments




Palavras-chave


Cultura Material; Sepultamentos; Arqueologia dos Adornos

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER, A. N. 1997. “O homem dos terraços de Xingó”. Documento 6. UFS/Chesf/Petrobas.

BECK, H. C. 2006.“Classification and Nomenclature of Beads and Pendants”. Beads, Journal of the Society of Bead Researchers, vol.18, 1–76.

BELO, T. P. 2008. “Estudos preliminares da indústria lítica do Sítio Água Limpa, Monte Alto, SP: Campanhas de 1195, 1996 e 2000”. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó,n. 12, 84–103.

BOËDA, E. Levallois. 2006. “Uma construção volumétrica, vários métodos, uma técnica”. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, São Cristóvão n. 7, 37–77.

CARVALHO, F. L. de. 2003. A pré-história sergipana.São Cistóvão: Museu de Arqueologia de Xingó, UFS.

CARVALHO, O. A. de; SILVA, J. A. 2011. “Adornos encontrados nos sepultamentos do Sítio Justino e sua relação com a Arqueotanatologia”. In: NOGUEIRA, A. D. & SILVA, E. D. (orgs.). O despertar do conhecimento na Colina Azulada. São Cristóvão, SE: Universidade Federal de Sergipe, 13–50.

CARVALHO, O. A. de. 2007. Bioanthopologiedesnécropoles de Justino et de São José II, Xingó, Brésil. São Cristóvão: Museu de Arqueologia de Xingó, UFS.

CASTRO, V. M. C. de. 2009. Marcadores de identidades coletivas no contexto funerário pré-histórico no Nordeste do Brasil. 2009. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

COOK, D. C.; MENDONÇA DE SOUZA, S. M. F. 2011. “Tocas do Gongo, São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil: uma bioarqueologia retrospectiva”. Revista de Arqueologia, vol. 24, número 2, 87–123.

DOMINGUEZ, J. M.; BRITCHA, A. 1997. “Estudos sedimentológicos a montante da UHE de Xingó. Relatório de Consultoria”, Documento 4. São Cristóvão: UFS/Chesf/Petrobas.

FAGUNDES, M. 2006. “Conjuntos Artefatuais Cerâmicos do Sítio Rezende, Centralina, Minas Gerais”. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, n. 7, 147–185.

FAGUNDES, M. 2010a. “Entendendo a dinâmica cultural em Xingó na perspectiva Inter sítios: indústrias líticas e os lugares persistentes no baixo vale do Rio São Francisco, Nordeste do Brasil”. Revista de Arqueologia Iberoamericana, nº6, 3–23.

FAGUNDES, M.2010b. “Análise Intra sítios do Sítio Justino, baixo São Francisco – As fases ocupacionais”. Revista de Arqueologia SAB, n. 23, 68–97.

FERREIRA, M. T. 2009.Introdução à Antropologia Forense: metodologias de campo na Antropologia Forense. Coimbra: Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Tecnológica da Universidade de Coimbra.

GARCIA, C. D.; UCHÔA, D. P. 1980. “Piaçaguera – Um Sambaqui do litoral do estado de São Paulo, Brasil”. Revista de Pré-história da USP – Instituto de Pré-história, vol. 2. 53–75.

GOELDI, E. A. 2009. “Urnas funerárias de povos indígenas extintos e curiosos ídolos de barro e pedra da região Amazônica”. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, vol. 4, n.1, Disponível em . Acesso em 09 jul. 2012.

GUIDON, N.; LUZ, M. de F.; 2009. “Sepultamentos na Toca do Enoque – Serra das Confusões-Piauí”. Nota prévia. FUMDHAMentosVIII, 115–123.81

HULSMAN, L. 2011. “Swaerooch: o comércio holandês com índios do Amapá (1600–1615)”. Revista Estudos Amazônicos. Vol. VI, nº 1, 178–202.

HUSSAK VAN VELTHEM, L. 2010. “Os ‘originais’ e os ‘importados’ – referências sobre a apreensão Wayana dos bens materiais”. Ibero-AmerikanischesInstitut, Berlin, nº 27, 141–159.

HUSSAK VAN VELTHEM, L. 2002. “Feitos por Inimigos - os brancos e seus bens nas representações Wayana do contato”. In: ALBERT, B. e RAMOS, A. R (orgs.). As contas de vidro europeias – pacificando o Branco. Cosmologia do Contato no Norte-Amazônico. São Paulo, SP: Ed. UNESP, p. 539–683.

LIMA, A. da S.2006. A guerra pelas almas. Alianças, recrutamentos e escravidão indígena (do Maranhão ao Cabo Norte, 1615–1647). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará, Pará, Brasil.

LUNA, S. 2006. “As pesquisas arqueológicas sobre cerâmica no Nordeste do Brasil”. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, n. 8, 167–206.

MAGALHÃES, E. D’A. 1992. “A língua geral”. Revista da Universidade de Coimbra, vol. XXXVII, 408–418.

MARTIN, G. 2008. Pré-História do Nordeste do Brasil. Recife: Editora Universitária, UFPE.

MONLÉON, J. 1980. “Alfarería temprana en la zona central de Chile”. Revista española de antropología americana, n.10, 9–20.

PASCHOALICK, L. C. A. 2001. ”A arte do índio Kaiowá da Reserva Indígena de Dourados, MS: transformações e permanências, uma expressão de identidade e afirmação étnica”. In: XXI simpósio Nacional de História - A História no Novo Milênio: entre o Individual e o Coletivo, 2001, Niterói/RJ. Histórico do Novo Milênio: entre o individual e o coletivo. Niterói/RJ: AMPUH - Universidade Federal Fluminense, 5–510.

PAVLOVIC, D. 2000.“Periodo Alfarero Temprano en la cuenca superior del ríoAconcagua. Una primera aproximación sistemática a sus características y relaciones”. Boletin de La Sociedad Chilena de Arqueología, nº 30: 17–29.

PROUS, A. 1992. Arqueologia Brasileira.Brasília: Editora Universidade de Brasília, Brasília.

PROUS, A. 2009.“Artefatos e adornos sobre suportes de origem animal, vegetal ou mineral (concha, casca de ovo, dente, osso, cera, fibras vegetais e calcita”.Arquivos do Museu de História Natural da UFMG, v. 19, 371–413.

ROCA, E. R. 2009. Más Allá de la forma y lafunción. Artefactos de hu eso prehispánico sem Colombia. FIAN - Universidad de lós Andes-CESO.82

RODRIGUES-CARVALHO, C.; SOUZA, S. M. F. M. de. 1998. “Uso de adornos labiais pelos construtores do sambaqui de Cabeçuda, Santa Catarina, Brasil: uma hipótese baseada no perfil dento-patológico”. Revista de Arqueologia, 11:43–55.

SANTANA, A. D. D. 2013. Datação por Radiocarbono-MAS do Sítio Arqueológico Justino, Canindé de São Francisco, Sergipe. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, Brasil.

SCHULTZ, H. 1955. Vocábulos Urukú e Digüt. Journal de la Sociétédes Américanistes. Tome 44.

SENE, G. M. 2007.Indicadores de Gênero na Pré-história brasileira: contexto funerário, simbolismo e diferenciação social. O sítio arqueológico Gruta do Gentio II, Unaí, Minas Gerais. Tese de Doutorado,Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

SENE, G. M. 2003. “Rituais Funerários e Processos Culturais: Os caçadores-coletores e horticultores pré-históricos do Noroeste de Minas Gerais”. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, n. 3, p.105–134.

SENA, V. 2012. “A cerâmica Tupinambá e as identidades no período do contato no semi-árido do nordeste do Brasil”. Resumo apresentado em 54º International Congress of Americanists.

SILVA, S. F. 2007. “Arqueologia das Práticas Funerárias: Resumo de uma estratégia”. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, n. 10,99–142.

SILVA, S. F. 2005. Arqueologia das Práticas Mortuárias em Sítios Pré-históricos do Litoral do estado de São Paulo. Tese de Doutorado, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

SOUZA, G. N. 2008.O material lítico polido do interior de Minas Gerais e São Paulo: entre a matéria e a cultura. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

TAVARES, A. C. P. 2006. Vestígios materiais nos enterramentos na antiga Sé de Salvador: Postura das instituições religiosas africanas frente à igreja católica em Salvador no período escravista. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

VERGNE, M. C. S. 2004. Arqueologia do Baixo São Francisco: estruturas funerárias do Sítio Justino - região de Xingó, Canindé do São Francisco, Sergipe. Tese de Doutorado, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

YUMIANDO, M. e BONNICI, T. 2004. A construção da Alteridade em Viagem à terra do Brasil de Jean Léry. UNILETRAS, Universidade Estadual de Maringá.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev