RELAÇÕES ENTRE ÍNDIOS E COLONOS NOS SERTÕES DO SERIDÓ, CAPITANIA DO RIO GRANDE, NO SÉCULO XVIII

Helder Alexandre Medeiros de Macedo

Resumo


O artigo problematiza as relações entre nativos e colonos nos sertões do Seridó, na primeira metade do século XVIII, no contexto de instalação de fazendas de criar gado no interior da Capitania do Rio Grande. Considera como sertões do Seridó o território constituído, atualmente, de 23 municípios do Rio Grande do Norte, que, direta ou indiretamente, se desmembraram de Caicó,o município mais antigo da região, criado oficialmente em 1788. Através da análisede cartas de sesmarias, correspondência oficial, inventários post-mortem e testemunhos orais, constatou-se que os nativos foram utilizados historicamente como mão-de-obra escrava; que estiveram presentes na produção das primeiras mestiçagens com os colonos; e que denominaram lugares, além de contribuírem com sua apropriação pelo movimento de colonização.

 


ABSTRACT

The article discusses the relationship between natives and colonizers in the hinterlands of Seridó in the first half of the 18th century, in the context of installation of livestock farms the Capitania do Rio Grande. Through the analysis of letters of sesmarias, official correspondence, inventories and oral documents, it was concluded that the natives were used historically as slaves, who participated in miscegenations with the colonizers, and they named locations, which were appropriated by the colonization.

KEYWORDS: Seridó; Indians; colonizers



Palavras-chave


Seridó; índios; colonos

Texto completo:

PDF

Referências


BERTRAND, Daniel; COSTA JÚNIOR, Pedro Alzair Pereira; SOUSA NETO, Luiz Dutra de. “As ocupações pré-coloniais no Rio Grande do Norte”. In Walter Fagundes MORALES e Flavia Prado MOI (orgs.). 2009. Cenários regionais em arqueologia brasileira.São Paulo: Annablume; Porto Seguro, BA: ACERVO.

CASCUDO, Luís da Câmara. 1968. Nomes da Terra: história, geografia e toponímia do Rio Grande do Norte. Natal: Fundação José Augusto.

CASCUDO, Luís da Câmara. 1984. História do Rio Grande do Norte.2.ed. Rio de Janeiro: Achiamé; Natal: Fundação José Augusto.

CLAVAL, Paul. 1999. A geografia cultural.Florianópolis: EDUSC.

FUNDAÇÃO VINGT-UN ROSADO. INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. 2000a.Sesmarias do Rio Grande do Norte. Mossoró: Gráfica Tércio Rosado/ESAM. v.1 (1600-1716).

FUNDAÇÃO VINGT-UN ROSADO. INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. 2000b. Sesmarias do Rio Grande do Norte. Mossoró: Gráfica Tércio Rosado/ESAM. v.2 (1716-1742).

FUNDAÇÃO VINGT-UN ROSADO. INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. 2000c. Sesmarias do Rio Grande do Norte. Mossoró: Gráfica Tércio Rosado/ESAM. v.3 (1742-1764).

FUNDAÇÃO VINGT-UN ROSADO. INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. 2000d. Sesmarias do Rio Grande do Norte. Mossoró: Gráfica Tércio Rosado/ESAM. v.4 (1764-1805).

GREENBLATT, Stephen. 1996. Possessões maravilhosas.São Paulo: Edusp.

HERCKMANS, Elias. “Descrição geral da Capitania da Paraíba” [ 1639 ]. In: MELLO, José Antônio Gonsalves de (ed.). 1981. Fontes para a história do Brasil holandês. Recife: MinC/Secretaria de Cultura/SPHAN. v. 2 (A administração da conquista). p. 211-35.

LIMA, Marcos Galindo. 2004. O governo das almas: a expansão colonial no País dos Tapuias – 1651-1798. Tese de Doutorado em História, Leiden University, Leiden, Holanda.

LOPES, Fátima Martins. 2005. Em nome da liberdade: as vilas de índios do Rio Grande do Norte sob o Diretório Pombalino no século XVIII. Tese de doutorado em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. 2005. “A produção de um território da administração lusitana na Capitania do Rio Grande: o caso da Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó”. Territórios e Fronteiras, v. 6 (1), 109-24.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. 2008. “Escravidão indígena no sertão da Capitania do Rio Grande do Norte”. Revista Brasileira de História, v. 28, 449-62.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. 2011. Populações indígenas no sertão do Rio Grande do Norte:história e mestiçagens. Natal: EDUFRN.

MACÊDO, Muirakytan Kennedy de. 2007. Rústicos cabedais: patrimônio familiar e cotidiano nos sertões do Seridó (século XVIII). Tese de doutorado em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. 1981. Velhas famílias do Seridó.Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. 1984. Índios do Açu e Seridó. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. 2002. Cronologia Seridoense. Mossoró: Fundação Guimarães Duque/Fundação Vingt-Un Rosado.

MONTEIRO, Denise Mattos. 1999. “Terra e trabalho em perspectiva histórica: um exemplo do sertão nordestino (Portalegre-RN)”. Caderno de História - UFRN,v. 6 (1).

MONTEIRO, Denise Mattos. 2000. Introdução à História do Rio Grande do Norte. Natal: EDUFURN.

MORAIS, Ione Rodrigues Diniz. 1999. Desvendando a cidade:Caicó em sua dinâmica espacial. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal.

MORAIS, Ione Rodrigues Diniz. 2005. Seridó norte-rio-grandense: uma geografia da resistência. Caicó: edição do autor.

MOREAU, Pierre; BARO, Roulox [RoeloffBaro]. 1979. História das últimas lutas no Brasil entre holandeses e portugueses e Relação da viagem ao País dos Tapuias[1647]. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp.

NAZZARI, Muriel. “Da escravidão à liberdade:a transição de índio administrado para vassalo independente em São Paulo colonial”. In Maria Beatriz Nizza da SILVA (org.). 2000.Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

NOGUEIRA, Mônica Almeida Araújo. 2011. A cerâmica tupinambá na Serra de Santana-RN: o sítio arqueológico Aldeia da Serra de Macaguá I. Dissertação de mestrado em Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

PEREIRA, Gregório Varela Berredo. “Breve compêndio do que vai obrando neste governo de Pernambuco o Senhor Governador Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho (1690)” apud LOPES, Fátima Martins. 1999. Missões Religiosas:índios, colonos e missionários na colonização da Capitania do Rio Grande do Norte. 1999. Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, p. 106-7.

PRADO JÚNIOR, Caio. 1994. Formação do Brasil Contemporâneo.23.ed. São Paulo: Brasiliense.

PUNTONI, Pedro. 1998. A Guerra dos Bárbaros: povos indígenas e a colonização do Sertão Nordeste do Brasil, 1650-1720. Tese de doutorado em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SOARES, Iaponan. “Notas à margem da História de São Vicente”. In Iaperi ARAÚJO et al. 1997.Cidade de São Vicente: vida e memória. Natal: EDUFRN.

SOUZA NETO, Luiz Dutra de; BERTRAND, Daniel. 2005. “Mapeamento dos sítios arqueológicos do município de Florânia/RN”. Mneme- Revista de Humanidades,v. 7 (15), 49-87.

TAVARES, João de Lyra. 1982. Apontamentos para a historia territorial da Parahyba[1909]. 2.ed. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev