ANÁLISE ARQUEOTANATOLÓGICA DE DUAS SEPULTURAS INFANTIS – SÍTIO JUSTINO-S

Jaciara Andrade Silva, Olívia Carvalho

Resumo


O trabalho tem por objetivo analisar os sepultamentos humanos através dos métodos propostos pela Arqueotanatologia, tendo como foco o modo de deposição do esqueleto em sua sepultura e os fatores que podem correlacioná-los. Seguindo os métodos acima mencionados, é promovida uma abordagem dos sepultamentos humanos de forma detalhada para compreender sua deposição original e estabelecer demais elementos que possibilitem uma correlação entre os indivíduos e os artefatos específicos depositados em suas sepulturas. A caracterização de cada esqueleto e suas particularidades, como patologias e demais alterações, deve ser considerada para traçar um perfil biológico.

 


ABSTRACT

The following paper aims to analyze the human burials by the methods proposed by Archaeothanatology, focusing on the deposition of the skeleton in its burial, and the factors that may correlate them. Following the above mentioned methods, a detailed approach of human burials is promoted in order to understand the original deposition and other elements that allow a correlation between individuals and specific artifacts deposited in their burials. The characterization of each skeleton and its peculiarities as pathologies and other changes has to be considered to profile the deceased.

Keywords: Archaeothanatology; Child Burials; Justino's Site.



Palavras-chave


Arqueotanatologia; Sepultamentos infantis; Sítio Justino

Texto completo:

PDF

Referências


ACSÁDI, G.; NEMESKERI, J. History of human life span and mortality. Budapest: Academmiai Kiado. 1970.

ANTUNES-FERREIRA, N. Paleobiologia de grupos populacionais do Neolítico Final/Calcolítico do Poço Velho (Cascais). 2003. 127 f. Dissertação (Mestrado em Pré-História e Arqueologia) - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2005.

BUIKSTRA, J. E.; UBELAKER, D. H. Standards – For data collection from human skeletal remains.44º Fayettevile: Arkansas ArcheologicaSurveyResearch Series, 1994.

CAMPILLO, D.; SUPIRÀ, M. E. Antropologia física para arqueólogos. Barcelona: Ariel, 2004. 270 p.

CARVALHO, O. A. de. Bioanthopologie des nécropoles de Justino et de São José II, Xingó, Brésil. Aracaju: Museu de Arqueologia de Xingó, 2007.

CODINHA. S. Paleobiologia do material osteológico recuperado da Capela de Nossa Senhora do Castelo (Vila Velha de Ródão). AÇAFA OnLine, nº 1 (2008). Associação de Estudos do Alto Tejo In: www.altotejo.org.

CODINHA, S.; FERREIRA, M. T.; CUNHA, E. Tafonomia ou Patologia? A Questão. 2003. Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

DANTAS, V. J.; LIMA, T. A. Pausa para um Banquete: Análise de marcas de uso em vasilhames cerâmicos pré-históricos do Sítio Justino, Canindé do São Francisco, Sergipe. São Cristóvão: MAX, 2006. 150 p.

DUARTE, C. Bioantropologia. In: MATEUS, José E.; GARCIA, Marta M. (Orgs.). Paleoecologia Humana e Arqueociência: um programa multidisciplinar para a arqueologia sob a tutela da cultura. Lisboa: InstitutoPortuguês de Arqueologia, 2003, p. 262‒296.

DUDAY, H. The Archaeology of the Dead: lectures in Archaeothanatology. Translater by CIPRIANI e PEARCEOxbow Books, Oxford and Oakville.2009, 158p.

DUDAY, H. L’archéothanatologie ou l’archéologie de la mort. (Archaeothanatology or the Archaeology of Death). In GOWLAND, Rebecca.; KNÜSSEL, Christopher. (Orgs.). Social Archaeology of funerary remains. Oxford: Oxbow Books, 2006, p. 30‒56.

DUDAY, H.; COURTAUD, P.; CRUBEZY, E.; SELLIER, P.; TILLIER, A. M.; L'Anthropologie « de terrain » : reconnaissance et interprétation des gestesfunéraires. Bull. Et Mém. dela Soc. d’Anthrop. de Paris,n.s., t. 2, nº 3‒4, pp.29‒50, 1990.

FAGUNDES, M. Entendendo a dinâmica cultural em Xingó na perspectiva Inter sítios: indústrias líticas e os lugares persistentes no baixo vale do rio São Francisco, Nordeste do Brasil. Revista de Arqueologia Iberoamericana, nº6, abril‒junho/2010a.

FAGUNDES, M. Análise Intra sítios do sítio Justino, baixo São Francisco – As fases ocupacionais. Revista de Arqueologia SAB, n. 23, dez. 2010b.

FERREIRA, M. T. Introdução à Antropologia Forense: metodologias de campo na Antropologia Forense. 2009. Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

GUIMARÃES, M. B. Arqueologia de assentamentos: uma análise bibliográfica. In: NOGUEIRA, A. D.& SILVA, E. D. da. O despertar do conhecimento na Colina Azulada. Vol. III. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2011, 95‒120.

HARRIS, E. C. Princípios de Estratigrafía Arqueológica. Barcelona, Editorial Critica. 1991.

HERRADA, C. R. Dimensiones bio-arqueológicas de los contextos funerarios. Estudio de lós restos humanos de lanecrópolisprehistórica de la Cova des Carritse (Ciutadella, Menorca) Tese de Doutorados. Universitat Autônoma de Barcelona, 2000.

LEWIS, M. E. The Bioarchaeology of Children. Perspectives from Biological and Forensic Anthropology. Canbridge University, 2007.

LUNA, S. As pesquisas arqueológicas sobre cerâmica no Nordeste do Brasil. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, São Cristóvão: n. 8, dez. 2006.

MACHADO, J. Processos de Formação: hipóteses sobre a variabilidade do registro arqueológico de um montículo superficial no sítio Hatahara, Amazonas.Revista da SAB, vol. 18:9‒24, 2005.

MAYS, S. The Archaeology of Human Bones. Routledge, 1998.

NEVES, M. J. Arqueotanatologia: da teoria à prática. Disponível em . Acesso em 04 de outubro de 2009.

RENFREW, C.; BAHN, P. Arqueología. Teoría, Métodos y Practica.Tradução: Maria JesúsRial. Akal: Madrid, p. 571. 1993.

SANTOS, A. M. Estudo dos remanescentes humanos do Acervo Arqueológico do Museu de Arqueologia de Xingó/MAX, em Canindé do São Francisco, Sergipe, Brasil: Sepulturas com cerâmicas do Sítio Justino. Monografia (Graduação em Arqueologia) – Universidade Federal de Sergipe. Laranjeiras, 2011.

SCHEEL-YBERT, R. Considerações sobre o método de datação pelo C14 e alguns comentários sobre as datações em sambaquis. Revista do MAE, 9:297‒301. 1999.

SENE, G. M. Indicadores de Gênero na Pré-história brasileira: contexto funerário, simbolismo e diferenciação social. O sítio arqueológico Gruta do Gentio II, Unaí, Minas Gerais. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 2007.

SIMON, C.; CHAIX, L.; CARVALHO, O. A de; QUEIROZ, A. N. de. Enterramentos na Necrópole do Justino – Xingó. PAX/UFS, 1999.

VERGNE, M. C. S. Complexidade social e ritualidade funerária em Xingó: Apontamentos teóricos para compreensão das práticas mortuárias do sítio Justino, Canindé do São Francisco, Sergipe. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, São Cristóvão: n. 9, jun. 2007.

VERGNE, M. C. S. Arqueologia do Baixo São Francisco: estruturas funerárias do Sítio Justino - região de Xingó, Canindé do São Francisco, Sergipe. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 2004.

WHELLER, M. Archaeology from the Earth. Oxford at the Clarendon press. 1954.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev