O PROGRAMA MONUMENTA E A PROBLEMÁTICA DA APLICAÇÃO DA ARQUEOLOGIA NA RESTAURAÇÃO DOS MONUMENTOS HISTÓRICOS BRASILEIROS

Ton Ferreira, Suely Amancio Martinelli

Resumo


O presente artigo é fruto das reflexões sobre a prática da arqueologia nas intervenções da restauração arquitetônica vinculadas ao programa Monumenta. As análises foram aferidas a partir da experiência como técnico temporário do Iphan entre os anos de 2005 e 2007, bem como através da prática arqueológica junto a projetos de restaurações do Monumenta no Estado de Sergipe. A vivência de ambos os papéis aliado a uma análise bibliográfica nos rendeu o texto que segue. Através de uma abordagem histórica, trazemos à discussão problemas que vão desde a construção de critérios para os sítios arqueológicos históricos pelo Iphan até o desafio para o arqueólogo brasileiro na construção de bases interventivas que sejam coerentes com a nossa realidade.

 

ABSTRACT

This article results from reflections on the practice of archeology during the interventions of the architectural restoration promoted by the Monumenta program. Analyses were taken from my experience as a temporary technician for Iphan between the years 2005 and 2007, as well as through archaeological practice alongside the Monumenta restoration projects in the state of Sergipe, Brazil. Thus, my experiences on both roles combined with a literature review are the bases for this article. Through a historical approach, my goal is to highlight issues related with the development of the criteria for archaeological sites by Iphan and the challenge faced by Brazilian archaeologists to develop interventional foundations which are consistent with our context.

KEYWORDS: Archaeology; Restoration; Iphan


Palavras-chave


Arqueologia; Restauração; Iphan

Texto completo:

PDF

Referências


AZKARATE, A. 2002. Intereses cognoscitivos y praxis social en Arqueología de la Arquitectura. Arqueología de la Arquitectura. V. 1, 55-71.

BLANCO, J. R. 2008. De Varia Restauratione: teoría y historia de la restauración arquitectónica. Madrid: Abada.

BRANDI, C. 2004. Teoria da restauração. Tradução de Beatriz Mugayar Kühl. Cotia, SP: Ateliê Editorial.

BRASIL. Constituição Federal, 1988. Disponível em: . Último acesso em: jul. 2010.

BRASIL. Lei 3.924, de 26 de julho de 1961. Disponível em: . Último acesso em: nov. 2000

CAGNANA, A. 2000. Archeologia dei materiali da costruzione. Mantova.

CAMARGO, A. L. B. 2003. Sustentabilidade: entraves globais e reflexões. In: Desenvolvimento sustentável: dimensões e desafios. Campinas: Papirus, pp.113-124.

CARTA de Quito. 1967. Disponível em: . Acesso em: 20.05.2010.

CARTA da Conferencia General de Berlin. Disponível em: . Acesso em: 10.02.2009.

CARTA do Restauro 1931. Disponível em: . Acesso em: 10.02.2009.

CARTA de Toledo. 1986. Disponível em: . Acesso em: 10.02.2009.

CARTA Europea Del Patrimonio. 1975. Disponível em: . Acesso em: 10.02.2009.

CARTA de recomendación del consejo de Europa. 1979. Disponível em: . Acesso em: 10.02.2009.

CHOYS, F. 2007. Alegoría del Patrimonio. Tradução Maria Bertrand Suazo. Barcelona: Gustavo Gili SL.

Dictionnaire historique de la langue française. 2000. Paris: Le Robert.

FERREIRA, T; OLIVEIRA, V. et all. Monumentos Restaurados e Histórias em Ruínas: As intervenções arqueológicas no sobrado do Iphan em São Cristóvão/SE. Vestigios Revista Latino- Americana de Arqueología Histórica. No prelo.

FONSECA, M. C. L.. 1997. O Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/Iphan.

GIOVANNONI, G. 1931. Vecchie cittá ed edilizia nuova. Turín: Unione Tipográfico.

HARRIS, E.C. 1991. Princípios da Estratigrafia Arqueológica. Barcelona: Crítica.

LIMA, T. A. 1989. Arqueologia histórica: algumas considerações teóricas. Clio (Série Arqueológica), Recife, n. 5, pp. 87-99.

MANNONI, T. 1994. Caratteri costruttivi dell’edilizia storica. Trento: Associazione Ricerche Fortificazioni Altomedievali.

NAJJAR, R. 2005. Arqueologia Histórica – Manual. Brasília: Iphan.

OLIVEIRA, A. P. 2001. Turismo e desenvolvimento: planejamento e organização. 3. ed. São Paulo: Atlas.

ORSER Jr, C. E. 1992. Introdução à Arqueologia Histórica. Tradução: Pedro Paulo Abreu Funari. Belo Horizonte: Oficina de Livros.

PARENTI, R. 1994. I Materiali da costruzione, le tecniche di lavorazione e gliattrezzi. Mantova: Monte Barro, 2-4 set.

RIEGL, A. 2008. El Culto moderno a los monumentos. Madrid: Machado Libros.

RODRIGUES, A. M. 2000. Desenvolvimento Sustentável e Atividade Turística. In: LUCHIARI, M.T et al. (Org.). Olhares Contemporâneos sobre o Turismo. 1ª ed. Campinas. Pp.171-188.

SACHS, I. 1993. Estratégias de Transição para o século XXI. In: BURSZTYN, Marcel. (org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense.

SANT’ANNA, M. 2004. A Cidade atração: as normas de preservação dos centros urbanos do Brasil nos anos 90. Salvador: UFBA.

SANT’ANNA, M. 1995. Da cidade monumento à cidade documento: a trajetória das normas de preservação de áreas urbanas no Brasil (1937-1990). (Dissertação de mestrado) Salvador, UFBA.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev