PROPOSIÇÕES PARA UMA INTERPRETAÇÃO DA ARTE RUPESTRE NA ILHA DE SANTA CATARINA E ADJACÊNCIAS, BRASIL

Rodrigo Luiz Simas de Aguiar

Resumo


A arqueologia antropológica trouxe a interpretação da arte rupestre como uma possibilidade para investigar a cultura simbólica de tradições arqueológicas cujos conhecimentos antes estavam limitados à análise do universo material. A arte rupestre, desta forma, é aqui entendida como o registro físico da esfera simbólica e ritualística das populações que ocuparam o litoral catarinense há milênios. A dificuldade de associar os petroglifos da Ilha de Santa Catarina com uma das três tradições arqueológicas pré-coloniais que ocuparam a região fez com que as pesquisas lá desenvolvidas raramente ultrapassassem os estudos de frequência tipológica e a análise das técnicas empregadas na elaboração. Diante disso fica evidente a necessidade de novas investidas, baseadas numa análise mais madura do material já levantado, extraindo proposições analíticas e de interpretação.

 


ABSTRACT

Anthropological Archaeology introduced a possibility to investigate rock art as the symbolic culture of archaeological traditions of which knowledge was once restricted to material culture analysis. In that way, rock art is here understood as a physical record of the symbolic and ritualistic field of those prehistoric populations settled in Santa Catarina State coast, thousands of years ago. Associating those petroglyphs to one of the three regional precolonial archaeological traditions was so difficult that researchers limited their studies on rock art to typological frequencies and production techniques. In the face of this, it is evident the need of new approaches based on a mature processing of the survey data, by extracting analytical and interpretational propositions.

KEYWORDS: Rock Art, Interpretation, Santa Catarina Island



Palavras-chave


Arte Rupestre; Interpretação; Ilha de Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, R. 2004 “A arte dos pescadores pré-históricos no litoral catarinense. Ensaios interpretativos sobre a arte rupestre na Ilha de Santa Catarina e ilhas adjacentes.” Revista Multitemática das Faculdades Energia, Nr. 3. Florianópolis: Faculdades Energia, pp. 91-100.

_____ 2003a “El arte rupestre como legado prehistorico en la Isla de Santa Catarina, Brasil.” Revista Zephyrvs de Arqueologia, No 56. Salamanca: Universidad de Salamanca, pp.275-285.

_____ 2003b Los mbya guarani en el litoral de Santa Catarina, Brasil. Analisis y propuestas para intervenciones de desarrollo en la calidad de vida de la tribu – un estudio etnografico en la aldea indigena de Massiambu. Tese de Doutorado. Salamanca: Departamento de Sociología y Comunicación, Universidad de Salamanca, 416p.

_____ 2002 Manual de Arqueologia Rupestre: Uma introdução ao Estudo da Arte Rupestre na Ilha de Santa Catarina e Ilhas Adjacentes. Florianópolis: IOESC.

_____ 2001 Arte Indígena e Pré-histórica no Litoral de Santa Catarina. Florianópolis: Bristot.

ARCÀ, A. e Â. FOSSATI, 1997 “Tracing the Past”. TRACCE: On Line Rock Art Bulletin Nº 7. (http://www.rupestre.net/tracce/tracing.html)

ARCÀ, A., Â. FOSSATI, E. MARCHI, e E. TOGNONI 1995 Rupe Magna: La roccia incisa più grande delle Alpi. Sondrio: Edição do Consorzio per il Parco delle Incisioni Rupestri di Grosio, Ministério per i Bieni Culturali e Ambientali e Soprintendenza Archeologica della Lombardia.

CONKEY, M. 1993 “Humans as Materialists and Symbolists: Image Making in the Upper Palaeolithic”. in Prehistoric Art. Readers no 1. Stanford University: Fall 1993.

DREWETT, P. 1999 Field Archaeology. Londres: UCL Press

EVANS-PRITCHARD, E. E. 1978 Os Nuer. São Paulo: Perspectiva.

LEROI-GOURHAN, A. 1993 “The religion of the caves.” in: CONKEY, M. (org.). Prehistoric Art Readers (Fall of 1993). Department of Anthropology, University of California Berkeley.

LIMA, T. 2000 “Em busca dos frutos do mar: os pescadores e coletores do litoral Centro-Sul do Brasil”. Revista USP No 44. São Paulo: CCS USP.

MILLS, C. 1976 Proposições Analíticas para a Elaboração de Cronologias Relativas e Tipologias para a Arte Rupestre. Paris: XLII Congès International des Americanistes.

PROUS, A. 1992 Arqueologia Brasileira. Brasília: UNB.

ROHR, J. 1969 Petroglifos da Ilha de Santa Catarina e Ilhas Adjacentes. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas.

THOMAS, J. 1996 Time, Culture and Identity: an interpretive archaeology. Londres: Routledg




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev