O CONCEITO DE ALTERIDADE ATRELADO À EVOLUÇÃO DA REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ÍNDIO NO BRASIL (SÉCULOS XVI, XVII E XIX)

Marília Perazzo Valadares do Amaral

Resumo


As mudanças sofridas pelas concepções de  alteridade através do percurso histórico  nortearam as visões e  percepções etnocêntricas européias diante  das populações nativas, através dos textos e imagens que retratavam as diferentes culturas não cristãs. O presente  artigo aborda questões pertinentes à estrutura ideológica e cultural na qual o europeu estava  imerso no decorrer dos séculos XVI, XVII e XIX. Devido às crenças cristãs arraigadas, os europeus ao narrarem a  vida  cotidiana  dos “gentios”,  o  fazem da  perspectiva  deles, desconsiderando toda a estrutura cultural e religiosa dos autóctones.

 

Abstract

The changes undergone by the alterity concepts throughout history guided the Europeans´ ethnocentric perspectives and perceptions of native populations, through texts and images depicting  non­Christian  cultures. This paper approaches issues related to the  ideological, cultural framework, whereupon the Europeans lived through 16 th , 17 th & 19 th centuries. Due to embedded Christian beliefs when the Europeans described the daily life of the “gentiles”, they did it within their own perspectives, by disregarding the entire cultural and religious framework of the aborigines.

Keywords: Alterity; Ethnocentrism;­ Indigenous Peoples


Palavras-chave


Alteridade; Etnocentrismo; Povos Indígenas

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CARDOSO, Ciro Flamarion e VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

CASCUDO, Câmara. Antologia do Folclore Brasileiro, Vol. 1. São Paulo: Global. 2002.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Introdução a uma história indígena. IN: CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

D’ ABBEVILLE, Claude. História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1975.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

D’EVREUX, Yves. Viagem ao norte do Brasil: feita nos anos de 1613 a 1614. São Paulo: Siciliano, 2002.

DELUMEAU, Jean. História do Medo no Ocidente: 1300­1800, uma cidade citiada. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GONÇALVES, Nuno. Oficinas de Lisboa. IN: Grão Vasco e a Pintura Européia do Renascimento. Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses. Secretaria de Estado da Cultura/ Instituto Português do Patrimônio Cultural. Sevilha, 1992.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1967.

LÉVI­STRAUSS, C..et alli. Raça e Ciência I. Coleção Debates. Editora Perspectiva. São Paulo,1970.

MANDROU, Robert. Magistrados e Feiticeiras na França do século XVII. Trad. Nicolau Sevcenko e J. Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva S.A., 1979.

MARTIUS, Karl Friedrich Philipp von. Natureza, doenças, medicina e remédios dos índios brasileiros. São Paulo: Ed. Nacional; (Brasília): INL, 1979.

MEDEIROS, Ricardo Pinto de. Povos Indígenas do sertão Nordestino no Período Colonial: Decobrimentos, Alianças, Resistências e Encobrimento. IN: FUMDHAMENTOS, Vol. 1, Nº 2. Recife, UFPE, 2002.

NETO, Edgard Ferreira. História e Etnia. IN: CARDOSO, Ciro Flamarion e VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NOVAES, Adauto (org.). A Outra Margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

PINTO, Estevão. A estranha figura do “pagé” tupinambá. In: ACTAS CIBA 3­4. A Medicina dos Tupi­guaranis. Ano XI. Março­ Abril de 1944.

____________ Os Tupi­guaranis. In: ACTAS CIBA 3­4. A Medicina dos Tupi­guaranis. Ano XI. Março­ Abril de 1944.

____________ Os indígenas do Nordeste. São Paulo: Brasiliana, 1938.

POLO, Marco. As Viagens “Il Milione”. São Paulo: Martin Claret, 2000.

PRIORE, Mary Del. Esquecidos por Deus: monstros no mundo europeu e Ibero­americano (séculos XVI­XVIII). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

RAMINELLI, Ronald. Imagens da Colonização: a representação do índio de caminha a Vieira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. , 1996.

RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem pitoresca Através do Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979.

SOUZA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Editora Brasiliana, 1938.

SPIX, Johann Baptisti von; MARTIUS, Karl Friedrich Philipp von. Viagem pelo Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1938.

STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia,1974.

THEVET, André. Singularidades da França Antártica, a que os outros chamam de América. Recife: Editora Brasiliana, 1944.

VALENTIN, Bruno. Conceito sobre a gênese das malformações no correr dos séculos. In: ACTAS CIBA 3­4. A Medicina dos Tupi­guaranis. Ano XI. Março­ Abril de 1944.

VASCONCELOS, Simão de. Crônicas da Companhia de Jesus no Estado do Brasil e do que obraram seus filhos nesta parte do Novo Mundo. In: CASCUDO, Câmara. Antologia do Folclore Brasileiro. Vol. 1. São Paulo: Global. 2002.

WIGAL, Donald. Historic Maritime Maps: usece for historic exploration 1290­1699. Parkstone Press, New York, USA, 2000.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev