LUGARES PERSISTENTES, PRÁTICAS FUNERÁRIAS E TECNOLOGIA CERAMISTA EM CAÇADORES-COLETORES PRÉ-HISTÓRICOS SUL-AMERICANOS: Uma Proposta de Interpretação para o Sítio Arqueológico Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN, Brasil

Fabio Mafra

Resumo


A classificação do sítio Pedra do Alexandre como cemitério, insere-o no cerne das discussões sobre as práticas funerárias de grupos caçadores-coletores sul-americanos. Considerado como lugar persistente (persistente place) e marco paisagístico (landmark), neste artigo, apresentou-se uma síntese das pesquisas arqueológicas desenvolvidas. Como resultados obtidos, elenca-se: as novas cronologias definidas, as relações tecno-tipológicas com os outros sítios registrados e o surgimento da tecnologia ceramista, no assentamento. Além da proposição de um modelo de variação temporal para as práticas mortuárias e a definição de um horizonte cultural, com longa duração histórica, na área arqueológica do Seridó (RN, Brasil).

 

PERSISTENT PLACES, FUNERARY PRACTICES AND CERAMIC TECHNOLOGY IN SOUTH AMERICAN PREHISTORIC HUNTERS-COLLECTORS: An Interpretation Proposal for the Archaeological site Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN, Brazil

 ABSTRACT

The classification of the Pedra do Alexandre site as a cemetery inserts it at the heart of the discussions on the funerary practices of South American hunter-gatherer groups. Considered as a persistent place and a landmark, this article presents a synthesis of the archaeological research developed. As results obtained, it is listed: the new defined chronologies, the techno-typological relations with the other registered sites and the emergence of ceramic technology in the settlement. In addition to the proposition of a model of temporal variation for mortuary practices and the definition of a cultural horizon, with a long historical duration, in the archaeological area of Seridó (RN, Brazil).

Key-words: Funerary Practices - Persistent Place; Hunter-gatherer ceramists groups




Palavras-chave


Práticas Funerárias; Persistent Place; Grupos caçadores-coletores ceramistas

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. d’A. 2014. Análises tecnológicas e funcionais das indústrias líticas de quatro sítios arqueológicos do Seridó Potiguar. Dissertação de Mestrado, Programa de Pósgraduação em Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

ALVIM, M. C. M.; SOUZA, Sheila M. F. M. 1990. “Relações biológicas entre populações indígenas atuais e pré-históricas do Brasil”. Clio: Série Arqueológica, v. 1 (6), 69-79.

ALVIM, M. C. M.; UCHÔA, D. P.; SILVA, S. F. S. M. (1995-1996). “Osteobiografia da população pré-histórica do abrigo Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN”. Clio: Série Arqueológica, v. 1 (11), 17-42.

ARENS, William. 1979. The man-eating mith: Anthropology and Anthropophagy. Oxford: Oxford University Press.

BARLEUS, G. 1980. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife.

BARRETO, C; LIMA, H. P.; BETANCOURT, C. J. (Orgs.). 2006. Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN: Ministério da Cultura.

BINFORD, L. R. 1971. “Mortuary Practices: their study and their potencial”. In: BROWN, J. (Ed.). Aproaches to the social dimension of mortuary practices. Memoir of the Society for American Archaeology, n. 25 (6-29). Disponível em: https://www.jstor.org/stable/25146709?origin=JSTORpdf&seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em: 17 jun. 2020.

BINFORD, L. R. 1980. “Smoke and dogs’ tails: hunter-gatherer settlement system and archaeological site formation”. American Antiquity, [s.i.], v. 45, (1), 4-20. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.614.4810&rep=rep1&type=pdf Acesso em: 15 de abr. 2008.

BIRD, J. B. 1988. Travel and archaeology in South Chile. Iowa City: University of Iowa.

BORGES, F. M. 2008. “Endocanibalismo na Área Arqueológica do Seridó?”. Clio: Série Arqueológica, v. 23, (1), 18-35. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/246828 Acesso em: 01 mar. 2019.

BORGES, F. M. 2010. Os sítios arqueológicos Furna do Umbuzeiro e Baixa do Umbuzeiro: caracterização de um padrão de assentamento na Área Arqueológica do Seridó – Carnaúba dos Dantas - RN, Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

BORGES, F. M. 2020. “Proposta para uma abordagem arqueológica da etno-história do Seridó – RN/PB: Proposal for an archaeological approach of the ethnohistory of Seridó – RN/PB”. Revista Nordestina de História do Brasil, v. 2 (4), 84-103. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/historiadobrasil/article/view/1924 Acesso em: 08 de mar. 2020.

BOTELLA, M. C.; ALEMÁN, I.; JIMÉNEZ, S. A. 1999. Los huesos humanos: manipulación y alteraciones. Barcelona: Edicions Bellaterra.

BRANDT, S. A. 1988. “Early Holocene mortuary practices and hunter-gatherer adaptation in Southern Somalia”. World Archaeology, [s.i.], n. 20, 40-56. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/51373731_Early_Holocene_mortuary_practices_and_hunter-gatherer_adaptations_in_southern_Somalia Acesso em: 05 set. 2018.

BROCHADO, José P. 1984. An ecological model of the spread of pottery and agriculture in to Eastern South America. Tese de Doutorado, University of Illinois at UrbanaChampaign, Urbana.

CASTRO, V. M. C. 2009. Marcadores de identidades coletivas no contexto funerário pré-histórico no Nordeste do Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

CHAPMAN, R. 2003. “Death, society and Archaeology: social dimensions of mortuary practices”. Mortality, Reading/UK, v. 8 (3), 305-312. Disponível em: http://users.clas.ufl.edu/davidson/arch%20of%20death/Week%2015/Chapman%202003%20Social%20dimensions.pdf Acesso em: 05 set. 2018.

CHARLES, D. K.; BUIKSTRA, J. E. 1983. “Archaic mortuary sites in the Central Mississipi dainage: distribuition, structure and behavioral implications”. In: PHILLIPS, J. L.; BROWN, J. A. (Eds.): Archaic hunter and gatherer in the American Midwest. New York: Academic Press, 117-144.

CUNHA, M. C. (Org.). 1998. História dos índios do Brasil. São Paulo: Companhia. das Letras.

FERNANDES, J. A. 2004. Selvagens bebedeiras: álcool, embriaguez e contatos culturais no Brasil Colonial. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

FONTES, M. A. F. 2003. A cerâmica pré-história da área arqueológica do Seridó-RN. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

HUBBE, M.; NEVES, W. A.; LICURGO, H.; GUIDON, N. 2007. “Brief communication: ‘Zuzu’ strikes again - morphological affinities of the early Holocene human skeleton from Toca dos Coqueiros, Piaui, Brazil”. 2003, [s.i.], v. 134 (2), 285-291.

LITTLETON, J. 2002. “Mortuary Behavior on the Hay Plain: do the cemetery exist?”. Archaeology of Oceania, [s.i.], v. 37 (3), 105-122. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/40387222 Acesso em: 05 set. 2018.

LITTLETON, J.; ALLEN, H. 2007. “Hunter-gatherer Burials and criation of persistent places in Southeastern Australia”. Journal of Anthropological Archaeology, v. 26, 283-298. Disponível em: https://bap.artsrn.ualberta.ca/Workshop2010/resources/5/Littleton_Allen.pdf Acesso em: 05 set. 2018.

LOPES, F. M. 1999. Missões religiosas: índios, colonos e missionários na colonização do Rio Grande do Norte. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

MAFRA, F.; MARTIN, G.; NOGUEIRA, M. 2015. “Intervenções arqueológicas em sítios a céu aberto na área arqueológica do Seridó: os sítios Meggers I e Meggers III, Parelhas – RN, Brasil”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 30 (1), 10-37.

MAFRA, F.; MARTIN, G.; NOGUEIRA, M. 2016. “Sítios a céu aberto na região do Seridó Potiguar: um estudo de caso do Rio da Cobra, entre os municípios de Carnaúba dos Dantas e Parelhas – RN”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 31 (3), 113-132.

MARTIN, G. 1985. “Arte rupestre no Seridó (RN); o sítio “Mirador” no Boqueirão de Parelhas”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 2 (7), 81-95. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/247240 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 1989. “A subtradição Seridó de pintura rupestre pré-histórica do Brasil”. Clio: Série Arqueológica, Recife, n. 5, 19-26. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/247214 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 1993. “Arte rupestre e registro arqueológico no Nordeste do Brasil”. Clio: Série Arqueológica, Recife, n. 9, 45-56. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/247156 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 1994. “Os rituais funerários na pré-história do Nordeste”. Clio: Série Arqueológica, Recife v. 1, (10), 29-46. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/247124 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 1995-1996. “O cemitério Pré-histórico “Pedra do Alexandre” em Carnaúba dos Dantas, RN”. Clio: Série Arqueológica, Recife, n. 11, 43-57. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/247078 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 1996. “Os sítios rupestres no Seridó, no Rio Grande do Norte (Brasil) no contexto do povoamento da América do Sul”. FUMDHAMentos, São Raimundo Nonato/PI, v. 1 (1), 339-346. (Número dedicado à publicação dos Anais da Conferência Internacional sobre o Povoamento das Américas, de 1996). Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1_Y9xLm9GqU56mClkcNecZG9J8gLQl9qc/view Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 2003. “Fronteiras estilísticas e culturais na arte rupestre da área arqueológica do Seridó (RN, PB)”. Clio: Série Arqueológica, Recife, n. 16 (11-31). Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/246968 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. 2008. Pré-história do Nordeste do Brasil. Recife: Editora UFPE.

MARTIN, G.; GUIDON, N. 2010. “As onças e as orantes: uma revisão das classificações tradicionais dos registros rupestres no NE do Brasil”. Clio: Série arqueológica, Recife, v. 25 (1), 11-30. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/246813 Acesso em: 01 mar. 2019.

MARTIN, G. ASÓN-VIDAL, I. 2014. “Dispersão e difusão das tradições rupestres no Nordeste do Brasil. Vias de ida e volta?”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 29 (2), 15-28. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/246598 Acesso em: 01 mar. 2019.

MEDEIROS FILHO, O. 1984. Índios do Açu e Seridó. Brasília: Editora do Senado.

MEDEIROS, R. P. 2002. “Povos indígenas do sertão nordestino no período colonial: descobrimentos, alianças, resistências e encobrimento”. FUMDHAMentos, São Raimundo Nonato, v. 1 (2), 09-52.

MEGGERS, B. J. 1979. América pré-histórica. Tradução Eliane Teixeira de Carvalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

MOREAU, P.; BARO, R. 1979. História das últimas lutas no Brasil entre holandeses e portugueses & relação da viagem ao país dos Tapuias [1647]. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora USP.

MÜTZENBERG, D. S. 2007. Gênese e ocupação pré-histórica do Sítio Arqueológico Pedra do Alexandre: uma abordagem a partir da caracterização paleoambiental do vale do Rio Carnaúba – RN. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

NEVES, E. G. 1999. “Arqueologia, História Indígena e registro etnográfico: exemplos do Alto Rio Negro”. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, s. 3, 319-330. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revmaesupl/article/download/113476/111431 Acesso em: 09 jul. 2020.

NEVES, E. G. 2000. “O velho e o novo na Arqueologia amazônica”. Revista USP, São Paulo, n. 44, 86-111. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/download/30096/31981/ Acesso em: 09 jul.2020.

NEVES, E. G. 2006. “Não existe neolítico ao Sul do Equador: as primeiras cerâmicas amazônicas e a sua falta de relação com a agricultura”. In: BARRETO, C; LIMA, H. P.; BETANCOURT, C. J. (Orgs.). Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN: Ministério da Cultura, 32-39.

NEVES, E. G.; WATLING, J.; ALMEIDA, F. O. 2020. “Arqueologia do Alto Madeira no contexto arqueológico da Amazônia”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 15 (2 - e20190081), 1-20. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bgoeldi/v15n2/1981-8122-bgoeldi-15-2-e20190081.pdf Acesso em: 09 jul. 2020.

NOGUEIRA, M. 2017. Ocupações pré-históricas a céu aberto no vale do Rio da Cobra – Carnaúba dos Dantas e Parelhas – RN. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

OYUELA-CAYCEDO, A. 2006. “El contexto económico de la alfarería temprana en el caso de San Jacinto 1”. Boletín de Arqueología PUCP, Lima, n. 10, 285-304. Disponível em: http://revistas.pucp.edu.pe/index.php/boletindearqueologia/article/view/1656 Acesso em: 09 jul. 2020.

PARDOE, C. 1988. “The cemetery as symbol. the distribuition of prehistoric Aboriginal burial grounds in Southeastern Australia”. Archaeology of Oceania, [s.i.], v. 23 (1), 1-178. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/j.1834-4453.1988.tb00178.x Acesso em: 05 set. 2018.

LITTLETON, J. 2002. “Mortuary Behavior on the Hay Plain: do the cemetery exist?”. Archaeology of Oceania, [s.i.], v. 37 (3), 105-122.

PETTITT, P. 2011. The Paleolithic origins of human burial. London: Routledge.

PIRES, M. I. C. 2002. A Guerra dos Bárbaros: resistência e conflitos no Nordeste colonial. Recife: Editora UFPE.

POMPA, C. 2003. Religião como tradução: missionários, Tupi e Tapuia no Brasil Colonial. Bauru: EDUSC.

POMPEU SOBRINHO, T. 1934. Os tapuias do Nordeste e a monografia de Elias Herckman. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, t. 48, 07-28. Disponível em: http://www.ceara.pro.br/Instituto-site/Rev-apresentacao/RevPorAno/1934/1934-Tapuias.pdf Acesso em: 01 fev. 2008.

PROUS, A. 1992. Arqueologia brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

PUNTONI, P. 1998. A Guerra dos Bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão Nordeste do Brasil, 1650-1720. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História Econômica e História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo.

QUEIROZ, A. N.; CARDOSO, G. M. B. 1996. “Nota prévia sobre a fauna holocênica de vertebrados do sítio arqueológico “Pedra do Alexandre”, Carnaúba dos Dantas-RN, Brasil”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 1 (11), 137-140. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/view/247085 Acesso em: 09 jul. 2020.

RIBEIRO, M. S. 2007. Arqueologia das práticas funerárias: uma abordagem historiográfica. São Paulo: Alameda.

SANTORO, C. M.; STANDEN, V. G.; ARRIAZA, B. T.; DILLEHAY, T. D. 2005. “Archaic funerary pattern or posdepositional alteration? the patapatane burial in the highlands of South Central Andes”. Latin American Antiquity, [s.i.], v. 16 (3), 329-346. Disponível em: http://link.galegroup.com/apps/doc/A137362414/AONE?u=googlescholar&sid=AONE&xid=7ee91fdf Acesso em: 05 set. 2018.

TAINTER, J. R. 1980. “Behavior and status in a middle Woodland mortuary population from Illinois Valley”. American Antiquity, [s.i.], v. 45 (2), 308-313.

SANTOS, A. A. S. 1997. Paleopatologia do Sítio Pré-Histórico Pedra do Alexandre – Carnaúba dos Dantas – RN, Brasil: avaliação epistemológica, radiológica e histopatológica. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

SANTOS, M. B. 2009. Práticas mortuárias entre povos indígenas no Pantanal MatoGrossense: Arqueologia, Etno-história, Etnologia. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados. Disponível em: https://www.ppghufgd.com/wp-content/uploads/2017/06/Matias-Belidodos-Santos.pdf Acesso em: 09 jul. 2020.

SANTOS JÚNIOR, V. 2008. Os índios Tapuias do Rio Grande do Norte: antepassados esquecidos. Mossoró: Fundação Vingt-un Rosado.

SANTOS JÚNIOR, W. G. 2013. Enterramentos pré-históricos do sítio Pedra do Alexandre, na área arqueológica do Seridó – RN. Monografia, Departamento de Arqueologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

SAXE, A. A. 1970. Social dimension of mortuary practices. Tese de Doutorado, University of Michigan, Michigan.

SCHLANGER, S. H. 1992. “Recognizing persistent places in Anasazi settlement systems”. In: ROSSIGNOL, J.; WANDSNIDER, L. (Eds.). Space, time, and archaeological landscapes. New York: Plenum Press, 91-112.

SILVA, D. C. 2004. Práticas funerárias na Pré-História do Nordeste do Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

SILVA, J. V. 2018. Estudo de indicadores de canibalismo na área arqueológica do Seridó: ossos humanos alterados do Sítio Furna do Umbuzeiro, Carnaúba dos Dantas, RN, Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. No prelo.

SILVA, S. F. S. M.; SOLARI, A.; MARTIN, G. 2020. “Sítio arqueológico Pedra do Alexandre, Seridó, Rio Grande do Norte: principais resultados de estudos, os sepultamentos e perspectivas para o futuro”. Clio: Série Arqueológica, Recife: Editora Universitária UFPE.

SILVA, S. F. S. M.; LAVALLE, H. S.; OLIVEIRA, A. P. 2013(a). Relatório da 16ª Etapa de Campo do Sítio Pré-histórico Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN: remanescentes ósseos humanos e seus acompanhamentos e materiais associados. Relatório Técnico do Laboratório de Arqueologia Biológica e Forense (LABIFOR/UFPE). Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

SILVA, S. F. S. M.; LAVALLE, H. S.; OLIVEIRA, A. P. 2013(b). Relatório das 16ª e 17ª Etapas de Campo do Sítio Pré-histórico Pedra do Alexandre: dados qualitativos e quantitativos dos remanescentes humanos. Relatório Técnico do Laboratório de Arqueologia Biológica e Forense (LABIFOR/UFPE). Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

SOLARI, A.; MARTIN, G.; SILVA, S. F. S. M. 2016(a). “A presença infantil no registro bioarqueológico no sítio Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN, Brasil”. FUMDHAMentos, São Raimundo Nonato/PI, v. 13, 4-30. Disponível em: http://www.fumdham.org.br/wp-content/uploads/2017/04/ana-solari-martin.pdf?x49464 Acesso em: 05 set. 2018.

SOLARI, A.; MARTIN, G.; SILVA, S. F. S. M. 2016(b). “Estudos de Antropologia dental na população do sítio arqueológico Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN (9.000 a 2.000 AP)”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 31 (2), 14-57. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/clioarqueologica/article/download/246495/35544 Acesso em: 05 set. 2018.

SOLARI, A.; PESSIS, A. M.; MARTIN, G.; SILVA, S. F. S. M. 2018. “Patologias invisíveis na Bioarqueologia da infância”. Revista de Arqueologia, [s.i.], v. 31 (2), 103-117. Disponível em: https://revista.sabnet.org/index.php/SAB/article/view/587 Acesso em: 05 set. 2018.

SOUZA, S. M.; RODRGUES-CARVALHO, C. 2013. “Ossos no chão: para uma abordagem dos remanescentes humanos em campo”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 8 (3), 551-566. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bgoeldi/v8n3/05.pdf Acesso em: 09 jul. 2020.

STRAUSS, A; M. 2010. As práticas mortuárias dos caçadores-coletores pré-históricos da região de Lagoa Santa (MG): um estudo de caso do Sítio Arqueológico “Lapa do Santo”. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SULLASI, H. S. L.; SANTOS, A. L. C.; SILVA, S. F. S. M. 2018. “Bone Diagenesis Study of the Burials from the Pedra do Alexandre Archaeological Site, Carnaúba dos Dantas, Rio Grande do Norte, Brazil”. Revista Cadernos do Lepaarq, Pelotas/RS, v. 15 (30), 162-178. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/lepaarq/article/view/12955 Acesso em: 05 set. 2018.

TAINTER, J. R. 1980. “Behavior and status in a middle Woodland mortuary population from Illinois Valley”. American Antiquity, [s.i.], v. 45 (2), 308-313.

TAINTER, J. R. 1981. “Replay to ‘A critique of some recent North American mortuary studies’”. American Antiquity, [s.i.], v. 46 (2), 416-420.

TEENSMAN, B. N. 2000. “O diário de Rodolfo Baro (1647) como monumento aos índios Tarairiú do Rio Grande do Norte”. In: ALMEIDA, L. S.; Galindo, M; ELIAS J. L. Índio do Nordeste: temas e problemas, volume II. Maceió: EDUFAL, 81-99.

TORRES, A C. “Estudos dos pigmentos do sítio pré-histórico Pedra do Alexandre – Carnaúba dos Dantas – RN”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v. 1, n. 11, 59-70, 1995-1996.

VIDAL, I A. 2002. “Projeto Arqueológico do Seridó: Escavação no Sítio Pedra do Chinelo, Parelhas, RN, primeiros resultados”. Clio: Série Arqueológica, Recife, v.1 (15), 157-169.

WALTHALL, J. A. 1999. “Mortuary behavior and early Holocene land use in the North American midcontinent”. North American Archaeologist, [s.i.], v. 20 (1), 1-30. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.2190/MDEP-VM2K-YB2Q-L1D0. Acesso em: 05 set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.V35N3p60-116

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev