ANÁLISE DOS SISTEMAS DEFENSIVOS DA SELEÇÃO BRASILEIRA FEMININA ADULTA DE HANDEBOL

Vinicius Soares da Silva, Edil de Albuquerque Rodrigues Filho, Iberê Caldas Souza Leão, Marcelo Tavares Viana, Tetsuo Tashiro

Resumo


Introdução: O diversificado treino dos sistemas defensivos da seleção Brasileira de handebol feminina leva a eficácia das atletas. Objetivo: Objetivou-se analisar os sistemas de defesa utilizados pela Seleção Brasileira de handebol feminino, no campeonato mundial - Servia / 2013; verificando por quanto tempo cada sistema defensivo foi utilizado por essa equipe. Método: O estudo foi do tipo observacional, com caráter qualitativo
utilizando elementos quantitativos, analisando o tempo de utilização e a eficácia dos sistemas defensivos. Foram analisados 09 jogos gravados em vídeos que estão disponíveis no site da Confederação Brasileira de Handebol. A coleta de dados foi realizada através de observações dos jogos que direcionaram apenas para atuação das atletas dentro dos sistemas defensivos em igualdade, superioridade e inferioridade numérica. A mensuração dos dados foi realizada em duplo cego, onde, na existência de não concordância dos resultados, um terceiro avaliador foi inserido para determinar a contraprova. O estudo ocorreu nos meses de janeiro a maio de 2014. Resultados: Os resultados totais referentes aos sistemas de defesa utilizados se apresentam como: 6:0 = 2h49min47seg, 5:0 = 23min58seg, 5:1 = 4min34seg, 4:0 = 50seg, 4:1 = 34seg, 4:2 = 2min33seg, 3:2:1 =
2min21seg, 2:4 = 1min30seg. Discussão: A atuação e eficiência do Brasil, no referido evento, diz respeito a utilização de dois tipos de conhecimentos táticos: o declarativo e o processual, que foram demonstrados durante
todos os jogos do campeonato. Conclusão: Nos jogos analisados do Brasil, o sistema defensivo 6:0 foi predominante em todas as partidas. Todavia, a seleção utilizou também os sistemas 5:1, 4:2, 3:2:1 e 2:4, em situações de igualdade numérica. Em inferioridade a seleção utilizou os sistemas 5:0, 4:0 e 4:1. Quando esteve em superioridade numérica, o Brasil atuou em apenas uma linha defensiva (6:0), apresentando-se mais eficiente perante seus adversários, sagrando-se campeão do mundo.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNARDINHO. Transformando suor em ouro. Rio de Janeiro, Sextante, 2006.

CALDAS, I. S. L.; VIANA, M. T.; GRECO, P. J.; SOUGEY, E. B. Construção de um protocolo do nível de

conhecimento tático declarativo no handebol. Revista Mineira de Educação Física. Viçosa, Edição Especial, n. 9,

p. 1108-1114, 2013.

CALDAS, I. S. L. O desporto na escola. Recife: FASA, 2006.

CALDAS, I. S. L. O handebol como conteúdo para as aulas de educação física. Recife: Edupe – UPE, 2003.

CALDAS, I. S. L. Treinando handebol. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco, 2014.

CBHb- Confederação Brasileira de Handebol. Historia do Handebol. Disponível em

acesso em: 07 de maio de 2014.

GARCÍA, J. L. A. Balonmano, tática grupal ofensiva. Espanha: Gymnos Editorial, 1998.

GARGANTA J. A formação estratégico-tática nos jogos desportivos coletivos de oposição e cooperação. Porto

Alegre: Ed. UFRGS, 2004.

GRECO, J. C.; ROMERO, J. J. F. Manual de Handebol: da iniciação ao alto nível. São Paulo: Phote Editora,

IFH- Federação Internacional de Handebol. Tabela do Ranking Mundial. Disponível em:

acessado em: 03 de junho de 2014

LOPES, A.; SEQUEIRA, P.; MORGADO, L.; CAMERINO, O. O comportamento da defesa da selecção de

Espanha no torneio de andebol nos jogos olímpicos de Pequim 2008- Análise seqüencial no método organizado

de jogo de andebol em situação de 6x6. Catalunha (ESP): Universidade Lleida, Instituto Nacional de Educação

Física da Catalunha, 2011.

OLIVEIRA, J. E. C. Sistema de Defesa e Ataque no Handebol. EFDeportes, Buenos Aires, v. 17, no 178, março

PRUDENTE, J. F. P. N. Análise da Performance Táctico- Técnica no Andebol de Alto Nível. Universidade da

Madeira, 2006.

RIBEIRO. S. F. Análise do Jogo de Andebol: Sistema Ofensivo e suas Transformações. Universidade do Porto,

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte: conceito e novas perspectivas. 2a Edição, Barueri: Ed. Manole, 2009.

SIMÕES, A. C. Handebol defensivo. 2a Edição, São Paulo: Phorte, 2012.

STERNBERG, R. J. Teaching About the Nature of Intelligence. Intelligence. n. 42, p. 176-179, 2014.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6a Edição. Porto

Alegre: Artmed, 2012.

VERGINELLI, C. A, DOS REIS, H. H. B. Análise da Tática Defensiva da Seleção Brasileira Adulta de Handebol

feminina na Marcação do Pivô. Pibic: Unicamp, São Paulo, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.