A FREQUÊNCIA DE TREINO SEMANAL PODE INTERFERIR NO CONDICIONAMENTO ATLÉTICO DE JOGADORAS DE FUTEBOL?

Raphael José Perrier Melo, Victor Jorge Arantes Gadelha de Gusmão, Lúcia Inês Guedes Leite de Oliveira, Jorge Luiz de Brito Gomes, Saulo Fernandes Melo de Oliveira, Manoel da Cunha Costa

Resumo


Introdução: A avaliação da condição física e morfológica dos atletas de futebol, é recomendada, no sentido de identificar e acompanhar as alterações proporcionadas pelo treinamento. A utilização de recursos e instrumentos que avaliem a condição físico-morfológico das atletas, possibilita identificar os que estão acima ou abaixo do esperado para condição atlética. Objetivo: Comparar o nível morfológico e funcional de atletas profissionais de futebol de campo com diferentes frequências semanais de treinamento (duas e três sessões). Métodos: Participaram do estudo 15 atletas de futebol (nível profissional) do sexo feminino,  ingressantes da série A do campeonato pernambucano (ano 2016), com idade entre 18 e 32 anos. As atletas realizaram uma bateria de testes para avaliar os componentes morfológicos e funcionais. As medidas de massa corporal e dobras cutâneas do tríceps, coxa média, subescapular e suprailíaca foram mensuradas. Em seguida, as atletas realizaram os testes de resistência muscular localizada, agilidade, velocidade e flexibilidade. Resultados: De acordo com a comparação realizada, não foi possível identificar influência da frequência de treinamento sobre as variáveis
analisadas. Discussão: A avaliação deve ser realizada de maneira contínua ao longo e final do campeonato, pois durante o período competitivo a frequência semanal de treinamento e as próprias partidas poderão influenciar na manutenção e/ou progressão da aptidão física e componentes de gordura corporal. Conclusão: A frequência de treino semanal (duas ou três sessões) não interfere na condição da aptidão física de mulheres atletas de futebol profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Manual do ACSM para teste de esforço e prescrição de

exercício. Ed. RevinteR, 5o Ed., 2000

BARBIERI, F. A. et al. Perfil antropométrico e fisiológico de atletas de futsal da categoria sub-20 e adulta.

Motricidade, v. 8, n. 4, p. 62–70, 2012.

CASPERSEN, C. J.; POWELL, K. E.; CHRISTENSON, G. M. Physical activity, exercise, and physical fitness:

definitions and distinctions for health-related research. Public health reports, v. 100, n. 2, p. 126–31, 1985.

DA SILVA SEQUEIROS, J. L. Estudo sobre a fundamentação do modelo de periodização de Tudor Bompa do

treinamento desportivo. Fitness & Performance Journal, v. 4, n. 6, p. 341–347, 2005.

DIAS, R. D. G. et al. Efeito Da Pré-Temporada No Desempenho De Atletas De Futebol Feminino. Revista

Brasileira de Medicina do Esporte, v. 22, n. 2, p. 138–141, 2016.

FILARDO, R. D.; PIRES-NETO, C. S.; RODRIGUES-ALVEZ, C. R. Comparação de indicadores antropométricos

e da composição corporal: de escolares do sexo masculino participantes e não participantes de programas de

treinamento. Revista Brasileira de Atividade Fisica & Saude, v. 6, n. 1, p. 31–37, 2001.

GARBER, C. E. et al. American College of Sports Medicine position stand. Quantity and quality of exercise for

developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently healthy

adults: guidance for prescribing exercise. Medicine and science in sports and exercise, v. 43, n. 7, p. 1334–59,

GUEDES, D. P. Procedimentos clínicos utilizados para análise da composição corporal. Revista Brasileira de

Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 15, n. 1, p. 113–129, 4 Jan. 2013.

HEYWARD, V. H. Avaliação Física e Prescrição de Exercício: técnicas avançadas. 4.Ed. - Porto Alegre: Artmed.

[s.l: s.n.].

PATE, R. R. The Evolving Definition of Physical Fitness Quest, 1988.

REILLY, T.; BANGSBO, J.; FRANKS, A. Anthropometric and physiological predispositions for elite soccer.

Journal of sports sciences, v. 18, n. 9, p. 669–683, 2000.

SIRI, W. E. Body composition from fluid spaces and density. In: Brozek, J.; Henschel, A., Editors. Techniques for

measuring body composition. 1961.

VARGAS, G. E. F.; DA SILVA, A. I.; ARRUDA, M. Anthropometric Profile and Physical Fitness of the

Professional Referees Chilean Soccer. International Journal of Morphology, v. 26, n. 4, p. 897–904, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.