AÇÕES DE LEVANTAMENTO: INDICADORES DE RENDIMENTO NO VOLEIBOL ESCOLAR

Yago Pesoa da Costa, Jakenio Cavalcante Batista, Paloma de Araújo Cruz, Gilmário Ricarte Batiste

Resumo


ntrodução: Diante das diversas funções de jogo possíveis no voleibol, o levantador destaca-se, visto que é responsável pela distribuição das bolas para os atacantes. Objetivo: O objetivo foi associar a qualidade das ações do levantamento com a zona de distribuição, e de forma complementar comparar a qualidade entre sets
vencidos e perdidos. Método: O estudo teve a participação de 12 instituições de ensino, que competiram durante os Jogos Escolares da Juventude 2016. Foram observados 32 sets, pertencentes a 16 jogos da competição, contabilizando 1656 ações de levantamento. Para verificar a associação foi utilizado o teste do qui-quadrado, e para comparar o teste U de Mann-Whitney. Resultados: Foram obtidos os seguintes resultados: A distribuição para a zona ofensiva teve maior incidência (91,1%). Houve associação significativa da zona de distribuição com
2 a qualidade do levantamento (χ = 51.810; p< 0,001). Ao realizar o levantamento para a zona ofensiva, a frequência de ações excelentes foi maior do que o esperado. Já o set perdido apresentou maior número de levantamentos que não geram opções de ataque (U= 362,00; p= 0,034). Quanto ao coeficiente de performance não foi encontrado diferença entre vencidos e perdidos. Conclusão: Concluímos que a qualidade do levantamento apresentou uma dependência com as zonas ofensivas e defensivas, e os sets perdidos foram superiores em levantamentos que não geram ataque, o que favorece ao contra-ataque do set vencido. Palavras-chave: Eficiência, destreza motora, atletas, adolescente.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, J. et al. Tactical determinants of setting zone in elite men’s volleyball. Journal of Sports Science and

Medicine, v. 11, n. 1, p. 64–70, 2012.

COLEMAN, J. Scouting opponents and evaluating team performance. In: SHONDELL, D. (Ed.). The volleyball

coaching bible. Champaign: Human Kinetics, 2002. p. 321-346.

COSTA, G. C. et al. Análise das estruturas do complexo I à luz do resultado do set no voleibol feminino.

Motricidade, v. 10, n. 3, p. 40–49, 2014.

COSTA, G. T. et al. Análise de jogo no voleibol feminino de formação: análise da associação entre os

procedimentos de jogo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 24, n. 4, p. 63–74, 2016.

COSTA, G. C. T. et al. Relação saque, recepção e ataque no voleibol juvenil masculino. Motriz, v. 17, n. 1, p.

–18, 2011.

COSTA, Y. P.; BATISTA, G. R. Análise da qualidade e desempenho técnico das ações no voleibol feminino

escolar. Revista Acta Brasileira do Movimento Humano, v. 5, p. 80–93, 2015.

COSTA Y. P. et al. Indicadores de rendimento técnico-tático em função do resultado do set no voleibol escolar.

Motricidade, v. 13, SI, p. 34-40, 2017.

FERNANDEZ-ECHEVERRIA, C. et al. Analysis of the variables that predict serve efficacy in young volleyball

players. International Journal of Performance Analysis in Sport, v. 15, n. 1, 2015.

GONZÁLEZ-SILVA, J. et al. Analysis of setting efficacy in young male and female volleyball players. Journal of

Human Kinetics, v. 53, n. 1, p. 189–200, 2016.

HILENO, R.; BUSCÀ, B. Herramienta observacional para analizar la cobertura del ataque en voleibol. Revista

Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el Deporte. v. 12, n. 47, p. 557–570, 2012.

INKINEN, V.; HÄYRINEN, M.; LINNAMO, V. Technical and tactical analysis of women’s volleyball. Biomedical

Human Kinetics, v. 5, p. 43-50, 2013.

JAMES, N.; TAYLOR, J.; STANLEY, S. Reliability procedures for categorical data in performance analysis.

International. Journal of Performance Analysis in Sport, v. 7, n. 1, p. 1–11, 2007.

JOÃO, P. V. et al. Análise comparativa entre o jogador libero e os recebedores prioritários na organização

ofensiva , a partir da recepção ao serviço, em voleibol. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 6, n.

, p. 318–328, 2006.

LANDIS, J. R.; KOCH, G. G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v. 33, n.

, p. 159–174, 1977.

LAPORTA, L. et al. The Importance of loosely systematized game phases in sports: the case of attack coverage

systems in high-level women’s. Montenegrin Journal of Sports Science and Medicine, v. 4, n. 1, p. 19–24,

MAIA, N.; MESQUITA, I. Estudo das zonas e eficácia da recepção em função do jogador recebedor no voleibol

sênior feminino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 20, n. 4, p. 257–270, 2006.

MARCELINO, R. et al. Estudo dos indicadores de rendimento em voleibol em função do resultado do set. Revista

Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 24, n. 1, p. 69–78, 2010.

MARCELINO, R.; MESQUITA, I.; AFONSO, J. The weight of terminal actions in volleyball contributions of the

spike, serve and block for the teams’ rankings in the World League 2005. International Journal of Performance

Analysis in Sport, v. 8, n. 2, p. 1–7, 2008.

MATIAS, C. J. A. S.; GRECO, P. J. Análise da organização ofensiva dos levantadores campeões da Superliga de

voleibol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 33, n. 4, p. 1007–1027, 2011b.

MATIAS, C. J. A. S.; GRECO, P. J. De Morgan ao voleibol moderno: o sucesso do Brasil e a relevância do

levantador. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 10, n. 2, p. 49–63, 2011a.

MATIAS, C. J. A. S.; GRECO, P. J. Conhecimento tático-estratégico dos levantadores brasileiros campeões de

voleibol: da formação ao alto nível. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 25, n. 3, p. 513–535,

c.

MATIAS, C. J. A. S.; GRECO, P. J. O conhecimento tático declarativo dos levantadores campeões de voleibol.

Motriz, v. 19, n. 1, p. 185–194, 2013.

MILIĆ, M. et al. Anthropometric and physical characteristics allow differentiation of young female volleyball

players according to playing position and level of expertise. Biology of Sport, v. 34, n. 1, p. 19–26, 2017.

PALAO, J. M.; SANTOS, J. A.; UREÑA, A. Effect setter ́s position on the spike in volleyball. Journal of Human

Movement Studies, v. 48, n. 1, p. 25–40, 2005.

PALAO, J. M.; MANZANARES, P.; ORTEGA, E. Design, validation, and reliability of an observation instrument for

technical and tactical actions in indoor volleyball. European Journal of Human Movement, v. 34, p. 75–95,

PALAO, J. M.; MANZANARES, P.; ORTEGA, E. Techniques used and efficacy of volleyball skills in relation to

gender. International Journal of Performance Analysis in Sport, v. 9, n. 2, p. 281–293, 2009.

PALAO, J. M.; SANTOS, J.; UREÑA, A. Effect of team level on skill performance in volleyball. International

Journal of Performance Analysis in Sport, v. 4, n. 2, p. 50–60, 2004.

QUEIROGA, M. et al. O conhecimento tático-estratégico dos levantadores integrantes das seleções brasileiras

de voleibol. Fitness & Performance, v. 9, n. 1, p. 78–92, 2010.

RAMOS, M. H. K. P. et al. Estrutura interna das ações de levantamento das equipes finalistas da superliga

masculina de voleibol. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 12, n. 4, p. 33–37, 2004.

VALLADARES, N.; GARCÍA-TORMO, J. V.; JOÃO, V. P. Analysis of variables affecting performance in senior

female volleyball World Championship 2014. International Journal of Performance Analysis in Sport, v. 16, p.

–410, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.