DESENVOLVIMENTO DE TESTES PARA AVALIAÇÃO DE VELOCIDADE E AGILIDADE DE JOGADORES DE VOLEIBOL SENTADO

Saulo Oliveira, Inês Oliveira, Ronaldo Severien, Ery Araújo, Josiete Santos, Ramon Milano, Manoel Costa

Resumo


Objetivo: Nosso objetivo foi desenvolver e validar testes para avaliação da velocidade e agilidade de jogadores de voleibol sentado. Método: A criação foi baseada nas características da modalidade (deslocamento sentado com três apoios e utilização dos braços e do quadril). A investigação teve três fases de análise: a) avaliação por experts; b) objetividade e reprodutibilidade teste-reteste (sete dias); e c) validade discriminante. Fase 1: cinco experts assistiram a vídeos de jogadores executando os testes e responderam um formulário baseado em escala
Likert de cinco pontos. Fase 2: seis jogadores experientes executaram os testes e foram avaliados por três pesquisadores independentes, em um intervalo de sete dias. Fase 3: os atletas foram comparados a seis congêneres destreinados. Para objetividade foi usado o teste de Wilcoxon. Quanto à reprodutibilidade, optamos
pelo coeficiente de correlação intraclasse. Para a validade discriminante, consideramos o teste U-Mann Whitney. Observaram-se níveis excelentes de validade de conteúdo (ICV: 0,96). Resultados: Os três avaliadores apresentaram objetividade satisfatória para a velocidade (avaliador A: 4,20s; avaliador B: 3,96s; avaliador C: 3,98s; p=0,301) e para agilidade (avaliador A: 14,41s; avaliador B: 13,24; avaliador C: 13,52; p=0,134). A reprodutibilidade foi considerada excelente para a velocidade (CCI: 0,96; p<0.001) e agilidade (CCI: 0,79; p=0,052). Ao compararmos com um grupo destreinado, os jogadores apresentaram melhores resultados para a velocidade (3,72s contra 5,89s; p=0,002) e agilidade (12,78s contra 15,74s; p=0,002). Conclusão: Concluímos
que os testes são válidos e sensíveis para controle, acompanhamento e avaliação de atletas da modalidade, sendo uma ferramenta viável para aplicação prática do treinamento esportivo. Palavras-chave: Pessoas com deficiência, esporte, treinamento esportivo.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, R; DANIEL, A; Mc CUBBIN, J. Jogos, Esportes e Exercícios para o Deficiente Físico. Trad. de

Ângela Marx. 3.ed. São Paulo: Manole, 1985

ALEXANDRE, N. M. C.; COLUCI, M. Z. O. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de

instrumentos de medidas.[Content validity in the development and adaptation processes of measurement

instruments]. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 7, p. 3061-3068, 2011

BRASILE, F. Performance evaluation of wheelchair athletes: more than a disability classification level issue.

Adapted Physical Activity Quarterly, Champaign, v.7, p.289-97, 1990.

BRAZUNA, M. R.; CASTRO, E. M. A trajetória do atleta portador de deficiência física no esporte adaptado de

rendimento: uma revisão da literatura. Revista Motriz, Rio Claro, v. 7, n.2, p. 115-123,jul-dez, 2001.

CHAN, M; ZOELLICK, R. B.; Relatório Mundial Sobre a Deficiência. World Health Organization, The World

Bank ; tradução Lexicus Serviços Lingüísticos. - São Paulo : SEDPcD, 2012. 334 p. ISBN 978-85-64047-02-0,

COMITÊ PARAOLÍMPICO BRASILEIRO – CPB. http://www.cpb.org.br/. Acesso em: 27/12/2017

COLLET, C.; NASCIMENTO, J. V.; RAMOS, V.; STEFANELLO, J. M. F. Construção e validação do instrumento

de avaliação do desempenho técnico-tático no voleibol. Revista Brasileira de Cineantropometria e

Desempenho Humano, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 43-51, 2011.

MELLO, M. T.; WINCKLER, C. (Org.). Esporte Paralímpico. 1ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2012.

MOLIK, B., KOSMOL, A., & SKUCAS, K.Sport - specific and general sporting physical fitness of sitting volleyball

athletes. Physiotherapy, v. 16, n. 4, 68–75, 2008.

PEDRINELLI, V. J. Educação Física Adaptada: conceituação e terminologia. Educação Física e Desporto para

Pessoas Portadoras de Deficiência. Brasília: MEC; SEDES; SESI-DN, 1994. p. 7-10.

SINGHAL, K. L. S. et al. Effects of Two Starting Floor Hand Positions on Movement Patterns of Elite Sitting

Volleyball Players. Palestra, v. 27, n. 2, 2013.

SANTOS, A.C.; CHAGAS, E.F. Avaliação da aptidão neuromuscular e cardiorrespiratória dos integrantes

da equipe de basquete em cadeira de rodas da FCT-UNESP. Congresso Brasileiro de Atividade Motora

Adaptada, 4., Curitiba, 2001. Anais. Curitiba: SOBAMA/UFPR, 2001

WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. 3. ed. Barueri: Manole, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.