O ESPORTE MEDIADO PELAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: Um novo ponto de vista a ser questionado com reflexões e perspectivas.

Bruno Freitas Santos

Resumo


Introdução: O esporte na atualidade já não mais mediado da forma que era a vinte anos atrás, por meio de recursos bem simples e tradicionais, e isso significa dizer que na aera digital e tecnológica os esportes vem sendo cada vez mais mediador pela grande diversidade de aparatos e recurso tecnológicos digitais. Uma nova forma de ver os esportes sob uma nova perspectiva. Objetivo: Apresentar o uso das tecnologias como um instrumento útil e inovador, para todas as modalidades esportivas. Método: A metodologia usada foi uma pesquisa qualitativa, de caráter bibliográfico, uma vez que se pautou em teóricos que escreveram sobre essa importante temática e possibilitam uma análise acerca do contexto tecnológico e esportivo. Resultados: os resultados do artigo é verificar a relevância das tecnologias no esportivas fazendo analises e observações pertinentes dentro da temática. Discussão: O presente artigo traz um importante reflexão acerca dessa temática, que é de tamanha relevância para o universo do esporte. Conclusão: A conclusão do trabalho foi perceber as muitas contribuições deixadas pelas tecnologias digitais na atualidade, e mostrando que o futuro do esporte será ainda muito mais promissor, frente as futuras invenções tecnológicas digitais, que ainda estão por vir.


Palavras-chave: Tecnologia não digital, Esporte, Tecnologias digitais.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIO, J. C. Educação, TICs e diversão. Professor Digital, 08 jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 17/11/2018.

ALMEIDA, M. A. B.; De ROSE, D. Fenômeno esporte: relações com a qualidade de vida. In: VILARTA, R.;GUTIERREZ, G. L.; MONTEIRO, M. I. Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: IPES, 2010.

BAZZO, W. A. Ciência, Tecnologia e Sociedade e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: UFSC, 1998.

BARBER, S., CARRÉ, M.J. Soccer Ball Aerodynamics. Computational Fluid Dynamics for Sport Simulation, 83-102. Barber, S., Chin, S.B., Carré, M.J., 2009. Sports ball aerodynamics: A numerical study of the erratic motion of soccer balls. Computers and Fluids, 38(6):1091-1109.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 3, 2004. BETTI, M. Esporte na mídia ou esporte da mídia? Motrivivência, Florianópolis, n.18, p.1-3 2002.

BIANCHI, P.; HATJE, M. Mídia e esporte: os valores-notícia e suas repercussões na sociedade contemporânea. Motrivivência, Florianópolis. n. 27, p.165-178, 2006.

BRACHT, V. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Vitória: UFES, 1997.

BRAZUNA, M.; CASTRO, E. A trajetória do atleta portador de deficiência física no esporte adaptado de rendimento. Uma revisão da literatura. Motriz, 2001. Disponível em: Acesso em: 10 de junho de 2018.

BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense,1990.

CAVALCANTI, L.; PORPINO, K. O corpo belo da ginasta: uma análise da regulamentação do espaço e do tempo. Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte. Anais... XV, CBCE, Recife, 2007. Disponível em:Acesso: 02 agosto de 2018.

CARRÉ, M. J., GOODWILL, S. R., HAAKE, S. J. Understanding the effect of seams on the aerodynamics of an association football. Journal Mechanical Engineering Science, Part C v. 219, p. 657-666, 2005.

CANALTECH. Tecidos tecnológicos garantem melhor desempenho aos atletas nas Olimpíadas 2012.

http://corporate.canaltech.com.br/materia/olimpiadas/Tecidos-tecnologicos-garantem-melhor-desempenho-aos-atletas-nas-Olimpiadas-2012/.

CIDADE, R. E. A. Introdução á Educação Física. Adaptada para Pessoas com Deficiência /Ruth Eugenia Amarante Cidade, Patrícia Silvestre de Freitas– Curitiba: Ed. Da UFPR, 2009.

CHAGAS, M. E. De Chip a GPS, Tecnologias Devem Ajudar Árbitros e Técnicos de Futebol. [s./l./s./n.]. 2013. Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2013/01/de-chip-gps-tecnologias-devem-ajudar-arbitros-e-tecnicos-de-futebol.html Acesso em: 1 mar. 2018.

ELIAS, N.; DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: DIFEL, 1987.

GONÇALVES, A.; GUTIERREZ, G. L. (Org.). Qualidade de vida e fadiga institucional. Campinas: IPES, 2006, p. 31-46.

GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. Atividade física Adaptada: Qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2008.

KATZ, L. Inovações na tecnologia esportiva: implicações para o futuro. Pesquisa de tecnologia esportiva; Faculdade de Cinesiologia.(1992). Canadá. Acesso em: 05 abr. 2018.

INTERNATIONAL OLYMPIC COMMITTEE. Guide du controle antidopage des Jeux Olympiques de Sydney. Lausanne, COI, 2000.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (IPT). A inserção das tecnologia digitais no esporte: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: IPT/CEMPRE. 2005.

INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE. «Medal Standings - Beijing 2010 Paralympic Games». Consultado em 29 de dezembro de 2018.

KENSKI, V. M. (2003). Aprendizagem mediada pela tecnologia. Revista Diálogo Educacional, 4(10), 47-56. Acesso: 10 jun. 2018.Disponível:http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/dialogo?dd1=786&dd99=view&dd98=pb.

KUNZ, E. Transformação didático pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 2000.

LABRONICI, R. H. D. D.; CUNHA, M. C. B.; OLIVEIRA, A. S. B.; GABBAI, A. A. Esporte como fator de integração do deficiente físico na sociedade. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2000, vol.58, n.4, pp. 1092-Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/anp/v58n4/3406.pdf > Acesso em: 6 de Março de 2018.

LIMA, F. O. A Sociedade Digital: o impacto da tecnologia na sociedade, na cultura, na educação e nas organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.

MARQUES, R. F. R. Integração e bem-estar dos funcionários na empresa: esporte como caminho. IN: GONÇALVES, A. ET AL. gestão da qualidade de vida na empresa. CAMPINAS, IPES, p. 33-46, 2005.

MARIN, E. O espetáculo esportivo no contexto da mundialização do entretenimento midiático. Revista brasileira de ciências do esporte, Campinas, v.30, n.1, p. 75-89, 1998.

MACHADO, C. M. Contribuições da Introdução das Novas Tecnologias na Prática. Portal Zé Moleza. Disponível em: Acesso em 20 maio 2018.

MORAES, F. Desenvolvimento Humano e Inclusão Social através do Esporte, Cultura, Turismo e Lazer. 5º Congresso Nacional do PDT - Assembleia Legislativa, Porto Alegre, 3 Set. 2011. Disponível em: Acesso em: Set. 2018.

MORAES, Paula Louredo. "Nutrientes" Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/nutrientes.htm. Acesso em 14 de julho de 2018.

MOURA, W.L.; Benda, R. N.; Novaes, J. S.; Tubino, M. J. G. O Atletismo no desenvolvimento de crianças portadoras de necessidades especiais. Motricidade, v. 2, n. 1, p. 53-61, 2006.

NASA. World Wind website. http://worldwind.arc.nasa.gov/ java/, 2008.

NEWTON, I. The Principia (Mathematical Principles- Physical education of Natural Philosophy - fA New Translation). In: I. Bernard Cohen and Anne Whitman (ed.). Los Angeles: University of California Press, 1999.

OLIVEIRA, D. T. R. de. Por uma re-significação crítica do esporte na Educação Física: uma intervenção na escola pública. 2002. Dissertação (Mestrado) –Faculdade de Educação Física, UNICAMP, Campinas, 2002.

OLHARDIGITAL, (2011). A tecnologia diminuindo os erros de arbitragem. Disponível em: Acesso em: 26 abr. 2018.

OLHARDIGITAL, (2011). Suor e tecnologia se encontram para ajudar os atletas. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2018.

PILATTI, L. A. Pierre Bourdieu: apontamentos para uma reflexão metodológica da história do esporte moderno. Efdeportes – Lecturas Educación Física, Buenos Aires, año 11, n.97, jun./2006. Disponível em: Acesso: outubro 2018.

RIPKA, L. P. FINCK, S. C. M. O Esporte nas Aulas de Educação Física: Buscando Estratégias para o Ensino Médio. SEED/PR, 2008. Disponível em. Acesso em 12 jun. 2018.

STIGGER, M. P. Esporte, lazer e estilos de vida: um estudo etnográfico. Campinas: Autores Associados, 2002.

SOARES, C. Educação Física: raízes européias e Brasil. São Paulo: Autores Associados, 2007. VAZ, A. Doping, esporte, performance: notas sobre os “limites” do corpo. Revista brasileira de ciências do esporte, Campinas, v. 27, n.1, p. 23- 36, 2005.

UOL, Goal Control é escolhida pela Fifa para a Copa. [s./l.s./n.]. 2013. Disponível em: http://esporte.band.uol.com.br/futebol/copa-2014/noticia.asp?id=100000587335&t= Acesso em 21 mar. 2018.

WORLD Health Organization. Visual impairment and blindness. (2011). Disponível em: < http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs282/en/ Acesso em: 23 de Outubro de 2018.

WAINER. J, Métodos de pesquisa quantitativa e qualitativa para a Ciência da Computação. (2007). Disponível em: Acesso em: 11 jun. 2018

ZANETI, A. M. Futebol de salto alto: uma abordagem sobre a prática do futebol feminino por meio de práticas pedagógicas condutoras ao uso de tecnologias da informação. Cadernos PDE. PARANÁ, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.