EFEITOS DA INTENSIDADE, NO TREINAMENTO RESISTIDO, SOBRE APERCEPÇÃO DE AFETO EM IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

David Barbosa da Silva, José Samuel de Vasconcelos Sobral, Tays Kettyman Alves Galdino da Silva, Luciano Machado Ferreira Tenório de Oliveira, André Luiz Torres Pirauá

Resumo


Introdução: O envelhecimento humano é um processo natural e gradual. Uma das formas de minimizar esse processo se dá através do exercício físico, alcançando melhorias físicas, cognitivas e psicológicas. O Treinamento Resistido (TR) tem sido recomendado para população idosa, pois ele é capaz de produzir respostas físicas positivas além da qualidade de vida, humor e melhora da ansiedade. Objetivo: Este artigo teve como objetivo investigar os efeitos da intensidade, no treinamento resistido (TR) sobre a percepção de afeto em idosos. Método: Trata-se de uma revisão sistemática em que as bases de dados utilizadas para a pesquisa foram: Pubmed, Scorpus e Science Direct. A busca e seleção dos artigos ocorreram mediante descritores consultados na base de dados Medical Subject Headings (MeSH). O período de busca e seleção dos artigos compreendeu os meses de abril e maio de 2018, conduzido por pesquisadores de forma independente, em três estágios: análise dos títulos, leitura dos resumos e análise dos artigos completos. Resultados e Discussão: Foram identificados 8 estudos que obtiveram respostas afetivas nas variações de intensidade do TR. Observou-se que o resultado afetivo foi positivo levando em consideração a intensidade de moderada a alta, na grande maioria dos artigos. Conclusão: O presente estudo demonstrou que a intensidade deve ser prescrita levando em consideração não apenas as respostas fisiológicas como também as afetivas, para que haja uma maior aderência ao TR em idosos.


Palavras-Chave: Idoso, Treinamento Resistido. Intensidade, Percepção de Afeto.


Texto completo:

PDF

Referências


ACSM. AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. A quantidade e o tipo recomendados de exercícios para o desenvolvimento e a manutenção da aptidão cardiorrespiratória e muscular em adultos saudáveis. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 4, n. 3, p. 96-106, jun. 1998.

ANTONINI, T. C.; LIBERALI, R.; CRUZ, I. B. M. Treinamento de força e morbidades geriátricas: uma revisão. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 4, n. 23, p. 514-524, set./out. 2010.

BLUMENTHAL, J. A. et. al. Cardiovascular and Behavioral Effects of Aerobic Exercise Training in Healthy Older Men and Women. Journal of Gerontology, Washington, V. 44, n. 5, p. M147-M157, set. 1989.

CASSILHAS, R. C. et al. Mood, anxiety, and serum IGF-1 in elderly men given 24 weeks of high resistance exercise. Perceptual and Motor skills, v. 110, n. 1, p. 265-276, fev. 2010.

EDWARDS, N. et al. Effect of exercise on negative affect in residents in special care units with moderate to severe dementia. Alzheimer Disease & Associated Disorders, v. 22, n. 4, p. 362-368, dez. 2008.

EKKEKAKIS P, BACKHOUSE SH, GRAY C, ET AL. Walking is popular among adults but it is pleasant? A framework for clarifying the link between walking and affect as illustrated in two studies. Psychol Sport Exerc, v. 9, n. 2, p. 246-264, maio 2008.

EKKEKAKIS, P.; HALL, E.; PETRUZZELLO, S. J. Variation and homogeneity in affective responses to physical activity of varying intensities: an alternative perspective on dose–response based on evolutionary considerations. Journal of sports sciences, Ames, v. 23, n. 5, p. 477-500, mai. 2005.

EKKEKAKIS, P; LIND, E. Exercise does not feel the same when you are overweight: the impact of self-selected and imposed intensity on affect and exertion. International journal of obesity, Londres, v. 30, n. 4, p. 652-660, abr. 2006.

EKKEKAKIS P, PARFITT G, PETRUZZELLO SJ. The pleasure and displeasure people feel when they exercise at different intensities: decennial update and progress towards a tripartite rationale for exercise intensity prescription. Sports Med, v. 41, n. 8, p. 641–671, agos. 2011.

EKKEKAKIS, P. Pleasure and displeasure from the body: Perspectives from exercise. Cognition & Emotion, Ames, v. 17, n. 2, p. 213-239, mar. 2003.

FECHINE, B. R. A.; TROMPIERI, N. O processo de envelhecimento: As principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. Inter Science Place, Campos dos Goytacazes, v. 1, n. 7, p. 106-132, mar. 2012.

HARDY, C. J.; REJESKI, W. J. Not what, but how one feels: The measurement of affect during exercise. Journal of Sport and Exercise Psychology, Winston-Salem, v. 11, n. 3, p. 304-317, nov. 1989.

JETTE, A. M. et al. A home‐based exercise program for nondisabled older adults. Journal of the American Geriatrics Society, v. 44, n. 6, p. 644-649, jun. 1996.

LACHARITÉ, Lemieux; M., BRUNELLE, J. P. & DIONNE, I. J. Adherence to exercise and affective responses: comparison between outdoor and indoor training. Menopause. The Journal of The North American Menopause Society, vol. 22, nº 7, p. 731-740, mar. 2015.

MATSUDO, S. M.; MATSUDO, V. K. R.; BARROS NETO, T. L. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 7, n. 1, p. 2-13, dez. 2001.

MULLEN, S. P. et al. Measuring enjoyment of physical activity in older adults: invariance of the physical activity enjoyment scale (paces) across groups and time. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 8, n. 1, p. 103, set. 2011.

O'SHEA, S. D.; TAYLOR, N. F.; PARATZ, J. D. Qualitative outcomes of progressive resistance exercise for people with COPD. Chronic respiratory disease, v. 4, n. 3, p. 135-142, mar. 2015.

SCHNEIDER, R. H.; IRIGARAY, T. Q. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 4, p. 585-593, dez. 2008.

TSUTSUMI, T. et al. Physical fitness and psychological benefits of strength training in community dwelling older adults. Applied human science, v. 16, n. 6, p. 257-266, nov. 1997.

TSUTSUMI, Toshihiko et al. Comparison of high and moderate intensity of strength training on mood and anxiety in older adults. Perceptual and motor skills, v. 87, n. 3, p. 1003-1011, dez. 1998.

ZACARON, K. A. M. et al. Nível de atividade física, dor e edema e suas relações com a disfunção muscular do joelho de idosos com osteoartrite. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 3, p. 279-284, jul./set. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.