PRÁTICA ESPORTIVA + BOA ALIMENTAÇÃO = BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

Bruno Freitas Santos

Resumo


Introdução: O referido estudo apresenta-se como uma revisão de literatura. O mesmo trata da importância da alimentação e das atividades físicas, como um importante recurso para uma vida saudável e um aprendizado muito mais significativo, influenciando positivamente na saúde física e mental do sujeito. Objetivo: Buscou-se verificar que alimentação e as atividades físicas são ingredientes indispensáveis para um bom desempenho na saúde humana. Método: Este estudo está baseado em trabalhos teóricos (artigos e livros) de autores que discutem a temática, mostrando que as práticas físicas, seguida de uma boa alimentação podem e devem ser um recurso importante para a construção de uma vida ativa e saudável. Resultados e Discussão: Por meio da busca realizada, foi possível verificar que sem uma boa alimentação e sem atividades físicas, impossibilita-se a obtenção de uma saúde plena. Conclusão: Conclui-se que novas políticas públicas na área da alimentação e das práticas esportivas são imprescindíveis para a manutenção e obtenção da saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


BALABAN, G.; SILVA, G. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife. Jornal de Pediatria, v. 77, n. 2, p. 96-100, 2001.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Brasília, [2003?]. Disponível em:. Acesso em: 13 jun. 2019. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não-transmissíveis. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde/Secretaria de Atenção à Saúde; 2008. (Série Pactos pela Saúde 2006). CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CHIARA, V. L.; SICHIERI, R. Consumo alimentar em adolescentes. Questionário simplificado para avaliação de risco cardiovascular. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 77, n. 4. p. 332-336, 2001.

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. Inserção Profissional dos Nutricionistas no Brasil. CFN. Brasília. 2018. DA SILVA VARGAS, I. C.; e colaboradores. Avaliação de programa de prevenção de obesidade em adolescentes de escolas públicas. Revista Saúde Pública, v. 45, n. 1, p. 59-68, 2011.

FREITAS, S. M.; SANTIAGO, S.; VIANA, T.; LEÃO, A. C.; FREYRE, C. Aspectos motivacionais que influenciam a adesão e manutenção de idosos a programas de exercícios físicos. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 92-100, 2007.

IHRSA Global Report. Global Health Club Industry Posts Growth. International Health, Racquet & Sports club Association, p. 21-26, 2016.

FARIAS JÚNIOR, J. C. (In) Atividade física e comportamento sedentário: estamos caminhando para uma mudança de paradigma? Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 16, n. 4, p. 279– 280. 2011.

FORTES, L. S.; ALMEIDA, S. S.; FERREIRA, M. E. C. Insatisfação corporal e comportamento alimentar inadequado em jovens futebolistas. Avaliação Psicológica, v. 14, n. 2, p.179-187, 2015.

FIGUEIREDO, C.; e colaboradores. Obesidade e sobrepeso em adolescentes: relação com atividade física, aptidão física, maturação biológica e “status” socioeconômico. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 25, n. 2, p. 225-235, 2011. HALLAL, P. C., BAUMAN, A. E., HEATH, G. W., KOHL, H. W., LEE, I.-M., & PRATT, M. (2012). Physical activity: more of the same is not enough. Lancet, n. 380, p. 190–191, 2012. INDICADORES sociais mundiais: uma análise dos resultados da alimentação equilibrada 2010.

Rio de Janeiro: IBGE, 2011. 151 p. Acompanha 1 CD- ROM. (Estudos e pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, n. 28). Disponível em: . Acesso em: fev. 2019.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MELLO, E. D.; LUFT, V. C.; MEYER, F. Childhood obesity: towards effectiveness. Jornal de pediatria, v. 80, n. 3, p.173-182, 2004.

MORAES, A. C. F.; OLIVEIRA, H. G.; FERNANDES, C. A. M. Prevalência de sobrepeso e obesidade em alunos do ensino fundamental da cidade de Maringá - PR. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 6, n. 2 supl., p. 364-369, 2008.

MOURA, U. I. S.; MENDES, L. R.; SILVA, I. P. O.; ÂNGELO, R. C. O.; SCHWINGEL, P. A. Consumo alimentar, perfil antropométrico e imagem corporal de bailarinos clássicos do Vale São Francisco. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo, v. 9. n. 51. p. 237-246, 2015.

NAGHETTINI, A. V.; e colaboradores. Avaliação dos fatores de risco e proteção associados à elevação da pressão arterial em crianças. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 94, n. 4, p. 486-491, 2010.

UYEDA, M.; TOLEDO, L. F. S. Comportamento alimentar de atletas no pré treino de uma cidade do interior do estado de São Paulo. Saúde em Foco, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Conferência mundial sobre os determinantes sociais da saúde. Diminuindo as diferenças: a prática das políticas sobre os determinantes sociais de saúde: documento para discussão. Rio de Janeiro, out. 2011.

Disponívelem:. Acesso em: 29 mar. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Grupo de Estudo Multicêntrico de Referência da saúde pública Crescimento. Normas de desenvolvimento saudável da OMS: Comprimento/altura por idade, peso por idade, peso-por-comprimento, peso por altura e índice de massa corporal por idade: Métodos e desenvolvimento. Genebra, OMS, 2006.

PINTO, S. L.: e colaboradores. Prevalência de pré-hipertensão e de hipertensão arterial e avaliação de fatores associados em crianças e adolescentes de escolas públicas de Salvador, Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública, v. 27, v. 6, p.1065-1076, 2011.

PIOLTINE, M. B.; PATERNEZ, A. C. A. C.; MORIMOTO, J. M. Perfil dietético e risco cardiovascular em adolescentes de uma escola privada de São Paulo. Ciência & Saúde, n. 6, n. 3. p. 149-156, 2013.

ROMANZINI, M.; PELEGRINI, A.; PETROSKI, E. L. Prevalência e fatores associados à obesidade abdominal em adolescentes. Revista Paulista de Pediatria, v. 29, n. 4, p. 546-552, 2011.

SANTOS, S. C.; KNIJNIK, J. D. Motivos de adesão à prática de atividade física na vida adulta intermediária. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 5, n. 1, 2009.

SILVA, G. G. S. et al. Momento dedicado à espera e à promoção da saúde. Psicologia: ciência e profissão, Uberlândia, v. 33, n. 4, p. 1000-1013, 2012.

STOTZ, E. N.; ARAÚJO, J. W. G. Promoção da saúde e cultura política: a reconstrução do consenso. Saúde sociedade. São Paulo, v. 13, n. 2, p. 5-19, ago. 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.