ARREMESSOS ESPECIAIS NO HANDEBOL, UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA. ROSQUETA NO HANDEBOL.

Ronaldo da Cunha Nascimento, Lúcio Carlos Dias Oliveira

Resumo


Introdução: No handebol há vários tipos de arremessos que podem ser utilizados pelos alunos/atletas para realização de um gol. Dentre eles, destaca-se a rosqueta pelo efeito especial de plasticidade que a bola produz em termos de espaço, corporeidade, cognição e definição do lançamento. Objetivo: Discutir e refletir o sentido da práxis pedagógica do professor sobre a execução de um arremesso especial denominado rosqueta no handebol, este envolve aspectos da cognição, motores e autonomia do indivíduo. Método: A pesquisa partiu de observações e vivências anteriores e fundamenta-se na pesquisa bibliográfica de característica narrativa, que busca discutir acerca da ação gestual do arremesso rosqueta, que por sua vez envolve uma série de fatores vivenciados no processo de ensino aprendizagem e treinamento. Discussão: Na aprendizagem da rosqueta, o processo é longo, até que o indivíduo entenda a intenção, a necessidade e a razão da aplicabilidade desse arremesso, sendo capaz de decidir qual o melhor momento de executá-lo. Conclusão: Diante dessas proposições descritas, é possível afirmar que o aluno/atleta esteja sendo comprometido por seus processos cognitivos e motores que envolvem a condução da aula/treino, junto ao comportamento do professor, que eleva a liberdade e a criatividade desse indivíduo em realizar o que deve ser feito.

Palavras Chaves: Arremesso, cognição, gesto, handebol, rosqueta.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A, G; DECHECHI, C. J. Handebol: conceito e aplicações. 1.ed. Barueri, SP: Manole, 2012.

BASTIEN, C., 1992. In: E. Os Sete Saberes necessário à Educação do Futuro. MORRIN., E. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, p.36, 2000.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 6. ed. Campinas: Papirus, p. 116, 2005.

CADERNOS PDE. ISBN. 978-85-8015-094-0. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2016/2016_pdp_edfis_unicentro_elvisclebisondossantos.pdf. Acesso em: 29.08.2019.

CAVALCANTE et al. Gestualidade como uma Pista importante da fluência infantil. In: Prolíngua, Periódicos v. 10 nº 1, 2016. p. 57. Disponível: https://periodicos.ufpb.br/index.php/prolingua/article/view/27586. Acesso em 21 de 04 de 2019.

DEHAENE, S. Apprendre à lire – des sciences cognitives à la salle de classe. Paris: Odile Jacob. p 96, 2018.

DESCARTES, R. 1979. In: A concepção de corpo em René Descartes. ROSA, Daniel A. EMPORIUN. O blog da Faculdade Dom Luciano, 2017. Disponível: http://famariana.edu.br/blog/2017/10/03/a-concepcao-de-corpo-em-rene-descartes/#_ftnref1. Acesso em 25.06.2019.

DORLING, J. Corpo humano. 4 ed. Editora Ática. p. 28, 1994.

FREIRE, J. B.; SCAGLIA, A. J. Educação como prática corporal. São Paulo: Scipione, 2009.

GALLO, S. Corpo ativo e a filosofia. In MOREIRA, W. (ORG.). Século XXI a era do corpo ativo. São Paulo: Papirus, 2006.

LEÃO. I. C. S. et al. A importância da neurociência para o esporte coletivo: uma revisão narrativa. Revista de Educação Física / Journal of Physical Education, v. 86, n. 3, p. 230-238, 2017.

MAHLO, F., Acte tactique enjeu. Vigot. Paris. p 30-40, 1969.

MENEZES, R. P.; 2012. O handebol, seu cenário imprevisível e os métodos de ensino aprendizagem-treinamento. In: E-balonmano.com: Revista de Ciências del Deporte. MENEZES, R. P.; REIS; H. H. B; MORATO, M. P. v. 12, n. 3, p. 165-176, 2016.

MORIN, E. Os Sete Saberes necessário à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, p. 36, 2000.

OLIVIER, G. G. F. Um olhar sobre o esquema corporal, a imagem corporal, a consciência corporal e a corporeidade. - Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas (área de concentração: Educação motora) – p. 3, 1995.

PERRENOUD, P. Construindo as competências. Editora Artmed, 1999.

RAMOS. M. N. A pedagogia das competências autonomia ou adaptação. São Paulo, Cortez, 2001.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 5-6, 2007.

SANTOS, V.; CANDELORO, R. J. Trabalhos acadêmicos: uma orientação para a pesquisa e normas técnicas. Porto Alegre: AGE, p. 73, 2006.

PASQUINELES, H. Capacités du cerveau, Chacun peut progresser. In: SCIENCES ET AVENI SCIENCES ET AVENIR. FR. Juin. n 856 page 32 , 2018.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Trad. Maria Alice M. D’ Amorin e Paulo Sérgio L. Silva. Edição 24. Rio de Janeiro, Forense Universitária,1999.

VIEIRA, S.; FREITAS, A. O que é handebol. Rio de Janeiro, Casa da Palavra, COB, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Org.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, p. 57,1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.