UTILIZAÇÃO DA CATEGORIZAÇÃO PERCENTÍLICA PARA A AVALIAÇÃO FÍSICA: UMA PROPOSTA PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA DOS BOMBEIROS MILITARES DE PERNAMBUCO

Alexandre Araújo Gonçalves Pereira, Marcelo Tavares Viana, Iberê Caldas Souza Leão, Tetsuo Tashiro, Patrícia Lisandra Almeida Pereira, Lilian Maria Melo da Silva

Resumo


Introdução: A criação de tabelas percentílicas torna a avaliação da aptidão física mais exigente, precisa e detalhada para o programa de Treinamento dos Bombeiros Militares de Pernambuco. Objetivo: Propor tabelas de categorização percentílica para o nível de aptidão física de Bombeiros Militares do Estado de Pernambuco. Método: O estudo foi do tipo explicativo, transversal e descritivo, com amostras por censo. Os índices físicos disponíveis, foram categorizados, baseados em um banco de dados estabelecido pelos testes neuromotores do Corpo de Bombeiros Militares de Pernambuco (CBMPE) aplicados por equipe qualificada da área de educação física nos períodos de 2011 a 2014. Foram realizados os testes físicos com média de 1.800 militares a cada ano, de ambos os sexos, com predominância masculina, classificadas de A a F para as referidas idades. Para as análises estatísticas foi aplicada a análise descritiva através de frequência e empregada a categorização por meio da avaliação percentílica, com intervalo de 05 classes entre 05% a 100%, utilizando o pacote estatístico SPSS for Windows versão 17 de 2008. Resultados: Construídas as tabelas percentílicas do teste de capacidade cardiorrespiratória (corrida de 2400m; caminhada de 4800m, natação de 12 minutos), testes de força dos membros superiores (flexão de braços na barra e sobre o solo), teste de resistência muscular localizada (flexão abdominal em 1 minuto) e o teste de natação 100m. De acordo com os valores obtidos, de maneira geral os resultados apresentaram-se superiores as tabelas de referência. Conclusão: Diante das análises realizadas, verificou-se a possibilidade de estimar, através desse tipo de proposta, índices específicos para a avaliação dos níveis de aptidão física dos bombeiros militares de Pernambuco.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (ACSM). Diretrizes do ACSM para testes de

esforços sua prescrição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

BARROS, M. V. G. et al. Análise de dados em saúde. 2.ed., Recife:EDUPE, 2005.

BARTOLOMEU NETO, J. Avaliação do desempenho dos nadadores na faixa etária de 13 a 16

anos submetidos a um programa de treinamento periodizado.109 p. (Dissertação de Mestrado)

Universidade Metodista de Piracicaba, São Paulo, 2006.

BOLDORI, R. Aptidão física e sua relação com a capacidade de trabalho dos bombeiros

militares do Estado de Santa Catarina, 82p. (Dissertação de mestrado). UFSC, 2002.

CBMPE, Portaria administrativa do Comando Geral nº001/11- CEFD de 02 de Maio de 2011,

publicado no SUNOR nº010 de 10 de Junho de 2011.

CBMRR. Portaria nº 009/DPL/CBMRR/2013, extraído do BG nº 41 de 01 de março de 2013. Instrução

normativa para aplicação de exame de aptidão física (EAF) para os militares do CBMRR, 2013.

CHARRO, M.A.et al. Manual de avaliação física, São Paulo: Phorte, 2010.

COOPER, K. H. O programa aeróbico para o bem estar total. Exercícios, Dietas equilíbrio

emocional. 4. ed., Rio de Janeiro: Nórdica, 1982.

DALQUANO, C. H.; NARDO JR., N.; DALQUANO, A. B. A influência do ganho de peso corporal sobre

o declínio do VO2MÁX e da capacidade anaeróbia de bombeiros em 5 anos. Revista da Educação

Física/UEM, v. 12, n.1, p. 35-40, 1ºsem., Maringá, 2001.

DALQUANO, C. H.; NARDO JR., N.; CASTILHO, M. M. Efeito do treinamento físico sobre o processo

de envelhecimento e o nível de aptidão física de bombeiros. Revista de educação física /UEM, v.14,

n. 01, p.47-52, Maringá, 2003.

FARIAS, A. A.; SOARES, J. F.; CÉSAR, C. C. Introdução à estatística. 2. ed. Rio de Janeiro, LTC,

FONSECA, P. H. S. da (Org). Promoção e avaliação da atividade física em jovens brasileiros.

São Paulo: Phorte, 2012.

GENDRON, P. et al. Greater physical fitness is associated with better air ventilation efficiency in

firefighters. Applied Ergonomics, n. 47, p. 229-235, 2015.

GRECO, C. C. Aspectos fisiológicos e técnicos da natação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

HASKELL, W.L et al. Physical activity and public health: Updated recommendation for adults from the

American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Medicine and Science in

Sports and Exercise, v. 39, n. 8, p. 1423-1434. doi: 10.1249; 2007.

HOFFMAN, J. R. (ed.) Guia de condicionamento físico. Diretrizes para elaboração de programas.

National Strength Conditioning Association (NSCA). Barueri – São Paulo: Manole, 2015.

HUNSICKER, P.; REIFF, G. AAPHER. Youth fitness test manual. Washington D.C. AAPHER

publications, 1976.

INTERNATIONAL LIFE SAVING FEDERATION (ILS). Life saving Position Statement – LPS 07.

Fitness testing for lifeguards, 2007.

KAMINSKY, L. A. (Ed.) Manual do ACSM para avaliação da aptidão física relacionada à saúde. 3º

ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

Revista Brasileira do Esporte Coletivo. Ano 4. VOLUME 4. 2020

Aptidão Física dos Bombeiros Militares do CBMPEMAYER, J. M. et al. Impact of a supervised worksite exercise program on back and core muscular

endurance in firefighters. American Journal of Health promotion, Jan/Fev, v. 29, n. 03, p.165-172,

MILLER, T. (Ed.) Guia pra avaliações do condicionamento físico. National Strength Conditioning

Association (NSCA).Barueri, São Paulo: Manole, 2015

MORROW JR. et al. Medida e avaliação do desempenho humano. 4. ed. Porto Alegre, Artmed,

NOGUEIRA, E. C. et al. Body composition is strongly associated with cardiorespiratory fitness in a

large Brazilian military firefighter cohort: The Brazilian firefighters study. Journal of Strength &

Conditioning Research, v. 30, p. 33-38, January, 2016.

PEREIRA, E. F.; TEIXEIRA, C. S. Proposta de valores normativos para avaliação da aptidão física em

militares da Aeronáutica. Revista Brasileira de Educação Física Esportes. v. 20, n. 04, p. 249-256,

PERRONI, F. et al. Physical fitness profile of professional Italian firefighters: diferences among age

groups. Applied Ergonomics, 45, May, 2014.

POLLOCK, M. L.; WILLMORE, J. H. Exercícios na saúde e na doença. Avaliação e prescrição para

prevenção e reabilitação. 2. ed., Rio de Janeiro: Medsi, 1993.

ROCHA, A. C.; GUEDES JUNIOR, D. P. Avaliação física para treinamento personalizado,

academias e esportes: Uma abordagem didática, prática e atual. São Paulo: Phorte, 2013.

SILVA, S.; BEUNEN, G.; MAIA, J. Valores normativos do desempenho motor de crianças e

adolescentes: o estudo longitudinal-misto do Cariri. Revista Brasileira de Educação Física e

Esporte. São Paulo, v.25, n.1, p. 111-125, 2011.

SILVEIRA, J. L. G. Aptidão física, índice de capacidade de trabalho e qualidade de vida de

bombeiros de diferentes faixas etárias em Florianópolis, SC. 75 p. (Dissertação de mestrado),

UFSC, 1998.

SOUSA, T. F. et al. Capacidade para o trabalho e aptidão física em bombeiros militares. Revista,

saúde e pesquisa, v. 5, n. 2, p. 310-318, 2012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.