ÍNDICE DE AGILIDADE EM PMOs: UM ESTUDO PRÁTICO NO ESTADO DE PERNAMBUCO.

Mateus Camara Pereira, Felipe Santana Furtado Soares

Resumo


Este artigo apresenta o modelo de um índice elaborado para verificar o nível de agilidade dentro das operações de Escritórios de Projetos, Programas e Portfólios (PMO). Para o desenvolvimento desse modelo, foram realizados estudos considerando o contexto histórico, conceitual e tipológico dos PMOs ao longo do tempo. Como também, as principais metodologias e práticas ágeis disseminadas no Mercado global de projetos, servindo assim, como base para estabelecer os critérios, fórmulas e estrutura do modelo. Este artigo, também descreve a experiência dos autores na elaboração desse modelo do índice e a sua aplicação através de uma pesquisa de campo realizada com um grupo composto por 33 PMOs. Estes, pertencentes a empresas de diversos portes e segmentos de negócio, instaladas no Estado de Pernambuco. Demonstrando assim, sua viabilidade e aplicabilidade no Mercado de gerenciamento de projetos. Oportunidades de melhorias foram identificadas, assim como possíveis trabalhos futuros.


Palavras-chave


Agilidade; Indicadores; PMO

Texto completo:

PDF

Referências


AUBRY, Monique; HOBBS, Brian. An empirically grounded search for a typology of Pro-ject management offices. Project Management Journal, v.39, p. 69-82, 2008;

BARCAUI, A. Perfil dos escritórios de projetos em organizações atuantes no Brasil. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Sistema de Gestão). Universidade Federal Fluminense: Niterói, 2003.

BARCAUI, A. PMO – Escritório de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport, 2012.

BECK, K. et al. Manifesto for Agile Software Development. 2001. Disponível em: . Acesso em 16/09/2019.

BERNARDO, Kleber. Manifesto ágil, como tudo começou. São Paulo: Cultura Ágil, 2014. Disponível em: . Acesso em: 28/09/2018.

CRUZ, Fábio. PMO Ágil: escritório ágil de gerenciamento de projetos. Rio de Janeiro: Brasport, 2016.

KERNZER, Harold. Project Management – A Systems Approach to Planning, Scheduling, and Cotrolling, 10th edition. New York: Van Nostrand Rihold, 2003.

MELO, C. O. et al. Métodos ágeis no Brasil: estado da prática em times e organizações. Relatório Técnico RT- MAC-2012-03. Departamento de Ciência da Computação. IME-USP. Maio, 2012.

MELLO, Francisco Homem de. Como a Spotify organiza seus times de produto. São Paulo, 2018. Disponível em: . Acesso em 01/10/2018.

PAHUJA, Savita. What is Scrumban?. Disponível em: . Acesso em: 01/10/2018.

PERNAMBUCO, Governo de. Povo de Pernambuco. Recife, 2018. Disponível em: . Acesso em: 30/09/2018.

PINTO, A. PMO Insights. Rio de Janeiro: Brasport, 2014.

PMI, Project Management Institute. Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK). 6ª ed. Pensilvânia: Project Management Institute, 2017.

RIES, Eric. A startup enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. São Paulo: Lua de Papel, 2012.

SOARES, Felipe Santana Furtado. Uma Estratégia para Implantação de Gestão Ágil de Projetos em Organizações de Desenvolvimento de Software que Buscam Aderência ao CMMI. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

VERSIONE ONE. 12th Anual State Of Agile™ Report, 12 volume, 16 páginas, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B4; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B5; COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO: B5; ECONOMIA: B5; INTERDISCIPLINAR: B5; SOCIOLOGIA: B4. 

 

Publicação e Apoio:

 

 

RGP está indexada em:

 

Instituições de referência para a RGP: