Uso das representações da luminosidade e opacidade no espaço brasileiro: implicações no discurso do desenvolvimento

Cláudio Jorge Moura de Castilho, Robson José Alves Brandão

Abstract


Discute-se neste artigo o uso de representações cartográficas sobre o mundo atual, buscando criticar o simplismo da sua interpretação que leva a formulação e propagação de discursos os quais, na verdade, beneficiam mais os interesses inerentes à racionalidade economicista do que os da racionalidade ambiental. Isto para, em seguida, apresentar outra possibilidade de uso dessas representações calcando-se na complexidade do mundo. Para a realização deste trabalho, utilizamo-nos da interpretação de mapas temáticos que representariam, em princípio, o “desenvolvimento” dos espaços com base na luminosidade e opacidade que constituem a base do georreferenciamento realizado. A principal conclusão à qual se chega é que nem todos os espaços luminosos coincidem com espaços desenvolvidos, e que nem todos os espaços opacos coincidem com espaços subdesenvolvidos.


Keywords


Representações do Espaço; Mudanças Socio-Territoriais; Capitalismo; Alienação do Espaço; Realidade.

References


Andrade, M.C. de, 1987. Espaço, polarização e desenvolvimento: uma introdução à economia regional. Atlas, São Paulo.

Bevilacqua, P., 2011. Il grande saccheggio. L’età del capitalismo distruttivo. Bari, Laterza.

Borja, J., 2016. Cumbres como hábitat III son una farsa.

Brandão, R.J.A., 2010. A agroindústria e a introdução da cultura da cana-de-açúcar nos tabuleiros costeiros de Alagoas. Maceió.

Brenner, N., 2014. Teses sobre urbanização. Revista E-metropolis. Rio de Janeiro, n. 19, ano 5, 2014. p. 6-26.

Castilho, C.J.M. de, 2013. Apontamentos para uma geografia social da cidade do Recife. In: Galvíncio, J.D., Souza, W.M. de, 2013. Mudanças climáticas e biodiversidade. Recife: editora da Universidade Federal de Pernambuco.

______, 2015. Entrevista concedida ao Diário de Pernambuco, Recife, http://curiosamente.diariodepernambuco.com.br/project/pernambuco-visto-do-espaco-com12-anos-de-diferenca/

______, 2017. Jean Brunhes: a atualidade de um geógrafo do início do século XX. Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais, v.6, n.1.

Florenzano, T.G., 2011. Iniciação em sensoriamento remoto. Oficina de Textos, São Paulo.

Furtado, C., 1989. A fantasia desfeita. Paz e Terra, Rio de Janeiro.

George, P., 1993. O homem na terra. A geografia em acção. Edições 70, Lisboa.

Girardi, E.P., 2014. Cartografia geográfica crítica e o desenvolvimento do “atlas da questão agrária brasileira”, Revista do Departamento de Geografia – USP, volume especial catogeo, p. 302-331.

Gottdiener, M., 2010. A produção social do espaço urbano. Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Redes e Fluxos do Território. In. http://www.ibge.gov.br/

Leff, E., 2009. O saber ambiental. Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Vozes, Petrópolis.

Longley, P., Maguire, D., 2013. In: Goodchild, M., Rhind, D., 2013. Sistemas e ciência da informação geográfica. Bookman, Porto Alegre.

Porto Gonçalves, C.W., 2012. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro.

Santos, M., 1988. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. Hucitec, São Paulo.

______., 1997. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. Hucitec, São Paulo.

______., 2000. Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal. Record, Rio de Janeiro.

______ & Silveira, M., 2001. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Record, Rio de Janeiro.




Copyright (c) 2019 Journal of Hyperspectral Remote Sensing

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Indexadores / Base de Dados:

 

Google Scholar

 

Journal of Hyperspectral Remote Sensing - eISSN: 2237-2202