A crítica de Kripke às teorias descritivistas de nomeação

Cícero Antônio Cavalcante Barroso

Resumo


Naming and Necessity é possivelmente a obra mais importante do filósofo
estadunidense Saul Kripke. Nessa obra, ele apresenta uma série de
argumentos contra a visão até então dominante sobre a semântica dos
nomes próprios, visão esta que ele chamou de ‘descritivismo’. O conjunto
desses argumentos mostra, na opinião de Kripke, que o descritivismo
é falso, seja enquanto teoria do significado, seja enquanto teoria da
referência. Em vista dessa falência do descritivismo, ele propõe então
uma nova explicação para a função referencial dos nomes próprios, uma
explicação baseada na noção de cadeia de comunicação. Este artigo examina e
detalha os argumentos antidescritivistas propostos em Naming and Necessity
e põe em relevo os pontos principais da explicação alternativa oferecida
por Kripke.


Palavras-chave


Crítica kripkiana, descritivismo, nomes próprios, designação rígida.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.