Antropologia e doença mental em Foucault: Caminhos do homem rumo à perda de sua verdade

Fillipa Silveira

Resumo


Este artigo tem o propósito de examinar alguns elementos sobre a antropologia em Foucault cuja gênese se encontra na história da psicologia. Até a publicação de uma nova versão, em 1962, do texto Doença mental e personalidade [1954] os textos de Foucault não apresentam qualquer crítica à possibilidade de se pensar uma antropologia como reflexão legítima sobre o homem, crítica esta que se tornou célebre a partir dos anos 60. Nesta segunda versão, cujo título foi modificado para Doença mental e psicologia, a doença mental passa a ser considerada de um ponto de vista arqueológico, a partir de suas “condições históricas”. Desta nova maneira de se considerar a “história dos fenômenos” resulta todo o projeto de História da Loucura [1961] e da crítica à psicologia como pseudociência que, sob o pano de fundo de uma suposta fundamentação das ciências humanas, forja a própria verdade do homem, modelo que passa a justificar a submissão dos indivíduos humanos a uma apreciação moral por parte dos saberes, e a um controle ético exercido pelas práticas terapêuticas, educacionais, políticas e jurídicas no mundo ocidental.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.