O desafio da política darwinista: Algumas considerações sobre uma tendência da política hodierna

Leno Francisco Danner

Resumo


A partir da consideração do conceito habermasiano de chauvinismo de bem-estar, caracterizado como processo de consolidação de uma mentalidade darwinista, protetora do status quo, no seio das sociedades democráticas ocidentais, em que as camadas médias aferram-se em uma postura sociopolítica conservadora contra grupos marginalizados marcados pelo subemprego ou pelo desemprego estrutural, consolidados enquanto subclasse, construo o conceito de política darwinista enquanto recusa do reconhecimento, readequando o conceito honnethiano de reificação como esquecimento do reconhecimento para, com ele, analisar fenômenos sociopolíticos contemporâneos ao nível da sociabilidade e da organização da esfera política, nos quais grupos específicos da sociedade e forças políticas conservadoras assumem claramente o darwinismo social enquanto o mote a partir do qual as questões de justiça social, de inclusão cultural e de equalização econômica são avaliadas (e deslegitimadas). Defenderei, por conseguinte, que a política darwinista, caracterizada como recusa do reconhecimento, deve ser levada a sério como potencial adversário de processos democráticos emancipatórios e cada vez mais inclusivos que põem em xeque situações gritantes de injustiça sociopolítica e cultural.



Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.