Naturalismo e subjetividade na filosofia da mente de John Searle

Tárik de Athayde Prata

Resumo


O artigo examina se a perspectiva naturalista defendida por Searle é compatível com a sua concepção da subjetividade ontológica da mente. A subjetividade ontológica parece conduzir a um dualismo, afastando a teoria de Searle do fisicalismo. Coloca-se então a pergunta sobre se a maneira como Searle aceita a subjetividade ontológica pode ser conciliada com o naturalismo. A tese defendida no presente trabalho é que ela não pode, porque Searle aceita a subjetividade com base em nossas experiências conscientes e não fornece um esquema explicativo cientificamente aceitável.

Palavras-chave


Naturalismo, dualismo, explanação causal, subjetividade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.