Terror: o caminho inverso à solidariedade

Daniel Souza

Resumo


O mundo requer uma relação de solidariedade. Ao identificar o terror nos regimes totalitários, Arendt indica-o como a força que inibe os indivíduos em sua espontaneidade, reduzindo-a a uma estabilidade natural, próprio dos processos de massificação. Nosso objetivo neste trabalho consiste em demonstrar que somente a solidariedade pode ser concebida como emoção política, ao contrário do terror. Ao apontarmos os descaminhos dos regimes totalitários buscaremos, ainda, apresentar a perspectiva de uma ética comunitária, em que homens pensantes possam reafirmar seu pertencimento ao mundo por meio da solidariedade.


Palavras-chave


terror; solidariedade; amor-mundi; Hannah Arendt

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.