Intersubjetividade transcendental (transzendentale intersubjektivität) e senso comum estético (ästhetischer gemeinsinn): uma ampliação social do criticismo de Kant

Francisco Jozivan Guedes de Lima

Resumo


Este artigo está articulado em três momentos: (i) propõe uma releitura intersubjetiva da Crítica da Razão Pura a partir dos conceitos de crença como convicção e da proposta de uma intersubjetividade transcendental – uma categoria de Johannes Keienburg em Immanuel Kant und die Öffentlichkeit der Vernunft; (ii) apresenta a crítica de Hegel à tentativa kantiana de medição entre razão teórica e razão prática através da faculdade do julgar vista por Hegel como uma tentativa malsucedida por incorrer numa saída meramente subjetivista; (iii) como culminância do artigo, propõe uma releitura intersubjetiva da estética kantiana a partir do conceito de sensus communis (Gemeinsinn).

Palavras-chave


Ampliação social. Criticismo. Epistemologia. Estética. Kant

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.