Dois Movimentos do Piorar: In-Estética e Contra-Estética

Clayton Rodrigo da Fonsêca Marinho

Resumo


Quando pensamos nas muitas proposições feitas sobre a arte contemporânea, a maioria gira (ou desorienta-se) sobre sua compreensão, isto é, sobre qualquer tipo de vínculo que a obra de arte tenha com o entendimento, no sentido kantiano de seu termo. Alia-se a isso a postura de que a obra de arte coloca-se diante de alguém com qualquer proposição a ser decodificada, cabendo ao “homem de gosto” decifrá-la ou ser devorado por ela. O que se tem aí não é uma possibilidade de emancipação pela arte, tão almejada, quando ela “se encontra” com a política. Tem-se um aprisionamento da arte nas redes do entendimento do espectador-especialista. Há uma série de pressuposições aí: (1) a de que a arte dá-se integralmente (e transparentemente) ao espectador, o qual quando muito precisa agir pacientemente para alcançá-la; (2) a de que pré-existe uma rede, pela qual a obra passa para ser compreendida e, portanto, aprisionada na sua cognoscibilidade revelada, e, por fim; (3) a de que o espectador é um sujeito passivo na relação, estando diante da obra, seja para capturar o “sentido” da obra, ou pior, do autor. Toda essa relação está sustentada por outra relação, sub-reptícia: a de que há um grupo que domina, seja a confecção das obras, seja a distribuição de seu(s) sentido(s). Partindo de Alain Badiou e Giorgio Agamben, numa proposta do “piorar” do primeiro, tentarei apresentar dois movimentos, duas variações de exercício que escapam a essa rede, e abrem à obra de arte uma política, senão mais autêntica, pelo menos mais inventiva, que poderia ir de encontro, ou criar um local de encontro para outras relações entre a arte e a política.

Palavras-chave


Movimento; Badiou; Agamben; Arte; Política

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.