Ensaio sobre a segunda pessoa

Waldomiro J. Silva Filho

Resumo


Este ensaio trata da concepção de segunda pessoa em Donald Davidson. Para Davidson, o que caracteriza um ato significativo e a possibilidade do conteúdo de uma atitude é a interação entre dois agentes movida por uma intenção primária: o falante tem a intenção de que suas declarações sejam entendidas por uma outra pessoa. O ensaio está organizado em três seções: na primeira seção, eu apresento o sentido específico de segunda pessoa como uma criatura com a qual o falante interage atualmente, independente de partilharem uma regra ou convenção linguística de antemão. Na segunda seção eu exponho a tese da triangulação em Davidson, qual seja, que a individualização das crenças e pensamentos se estabelece a partir de conexões causais sistemáticas na triangulação entre o indivíduo, outro falante com quem ele interage e objetos ou eventos no mundo. Por fim, na terceira seção, eu apresento a ideia da “norma da conversa” como uma ferramenta teórica para tratar questões epistemológicas: na conversa, quando os interlocutores tentam se entender mutuamente, os falantes se empenham em um tipo de investigação acerca do significado e do conteúdo das frases, crenças e intenções em disputa.

Palavras-chave


Donald Davidson; Normatividade; Segunda Pessoa; Triangulação

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Waldomiro J. Silva Filho

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.