Campanha Negativa Online: Websites Dos Candidatos Como Espaço De Ataques Aos Opositores

Michele Goulart Massuchin

Resumo


A campanha negativa, estratégia que cada vez mais é utilizada durante as campanhas eleitorais, pode ocorrer em espaços institucionalizados, por meio de ataques que partem dos próprios dos candidatos, como também podem ser emitidos por meios não-oficiais e não institucionalizados. Neste artigo, o objetivo é analisar em que circunstâncias esse tipo de mensagem, canalizada por meio dos websites dos próprios candidatos, aparece na disputa. Além disso, trata-se de um espaço específico das campanhas modernas: a internet. A análise é feita com base em dois tipos de cenários: as eleições majoritárias de 2014 para presidência e a as disputas para prefeituras das capitais em 2012. A pesquisa tem como corpus 3491 postagens realizadas ao longo do período eleitoral de ambas as disputas e a abordagem metodológica é quantitativa por meio da técnica de análise de conteúdo. Os resultados indicam a incidência de ataques em ambos os cenários, majoritariamente centralizados nos desafiantes e com crescimento ao longo do tempo. Isso demonstra que os candidatos usam os websites, espaços altamente institucionalizados, para dissipar a campanha negativa, ainda que isso possa identificá-los e gerar ônus para as próprias campanhas.

Palavras-chave


Campanha Negativa; Eleições 2014; Campanha Online; Ataques

Texto completo:

PDF

Referências


ALDÉ, Alessandra; BORGES, Juliano. (2004) Internet, imprensa e as eleições de 2002: pautando notícias em tempo real. Logos, n. 21.

AGGIO, Camillo; REIS, Lucas. (2015). Campanha eleitoral no Facebook: usos, configurações e o papel atribuído por três candidatos eleitos nas eleições municipais de 2012. In: ALDÉ, A; MARQUES, F. Internet e Poder Local. Salvador: Edufba, 2015.

ALBUQUERQUE, Afonso. (1999). Aqui você vê a verdade na tevê: A propaganda política na televisão. Niterói: MCII.

ALONSO, Sônia; VOLKENS, Andrea; GÓMEZ, Braulio. (2012). Análisis de contenido de textos políticos. Un enfoque cuantitativo. Madrid: CIS, 2012.

ANSOLABEHERE, Stephen; IYENGAR, Shanto; SIMON, Adan. (1999). Replicating Experiments Using Aggregate and Survey Data & The Case of Negative Advertising and Turnout. American Political Science Review, v.93, n. 4, p. 901-909.

ASSUNÇÃO, Alysson; ALDÉ, Alessandra; SANTOS, João G.; FREIRE, Fernanda. (2015). Estratégias de campanha política on-line: Marcelo freixo nas Eleições para a prefeitura do Rio de Janeiro em 2012. In: ALDÉ, A.; MARQUES, F. (Org.). Internet e Poder Local. Salvador: Edufba.

BARTLE, John; GRIFFITHS, Dylan. (2001). Political Communications Transformed: From Morrison to Mandelson. New York: Palgrave.

BAUER, Martin. (2004). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. W. (Org.) Pesquisa qualitativa com som, imagem e texto. Vozes, Petrópolis.

BENOIT, William. (2000). A functional analysis of political advertising across media. Communication Studies, n. 51, p. 274-295.

BENOIT, William. (1999). Seeing spot: a function analysis of presidential television advertisement, 1952- 1996. Westport: Praeger Publisher.

BOR, Sthepanie. (2013). Using Social Network Sites to Improve Communication Between Political Campaigns and Citizens in the 2012 Election. American Behavioral Scientist, Jun, 7.

BORBA, Felipe. (2012a) A Propaganda Negativa Estratégia e Voto nas Eleições Brasileiras. Tese (Doutorado em Ciência Política), Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP), Rio de Janeiro.

BORBA, Felipe. (2012b). O uso estratégico das inserções nas eleições presidenciais brasileiras. Compolítica, n. 2, v. 2, jul-dez.

BORBA, Felipe. (2012c). Rádio e Televisão na eleição presidencial de 2010. In: PANKE, L.; MACEDO, R (Org.). HGPE: desafios e perspectivas nos 50 anos do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral. Curitiba: UFPR.

BORBA, Felipe. (2015). Propaganda negativa nas eleições presidenciais brasileiras. Opinião Pública, v. 21, n. 2.

BORBA, Felipe. M.; VEIGA, Luciana; MARTINS, Flavia Bozza (2015). Propaganda negativa na eleição presidencial de 2014. Ou como tudo que é frágil se desmancha no ar. Revista Estudos Políticos, v. 6, p. 171-189.

BORBA, Felipe; VASCONCELLOS, Fábio. (2016). A propaganda negativa nas eleições municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo. LAVAREDA, Antônio; TELLES, Helcimara (org). A lógica das eleições municipais. São Paulo: FGV.

BRAGA, S; NICOLÁS. A; BECHER, A. (2013). Elites políticas e novas tecnologias: uma análise do uso da internet pelos candidatos aos governos estaduais e ao senado nas eleições brasileiras de outubro de 2010. In: MARQUES, F. P. J. A.; SAMPAIO, R; AGGIO, C. Do Clique à Urna: Internet, Redes Sociais e Eleições no Brasil.

BRUGNAGO, Fabrício; CHAIA, Vera. (2015) A nova polarização política nas eleições de 2014: radicalização ideológica da direita no mundo contemporâneo do Facebook. Aurora: revista de arte, mídia e política. São Paulo, v.7, n.21, p. 99-129.

CERVI, Emerson; TURGEON, Mathieu. (2011). Quando a popularidade reelege: o processo de decisão do voto para prefeito de Curitiba em 2008. In: LAVAREDA, A.; TELLES, H. (Org.). Como o eleitor escolhe seu prefeito: campanha e voto nas eleições municipais. Rio de Janeiro: FGV.

DADER, Jose Luis. (2009). Ciberpolítica en los websites de partidos políticos: la experiencia de las elecciones de 2008 en España ante las tendencias transnacionales. Revista de Sociologia e Política, v.17, n. 34.

DIAMOND, E.; BATES, S. (1988). The spot: the rise of political advertising in television. Cambridge: MIT Press.

FIGUEIREDO, Marcus, ALDÉ, Alessandra, DIAS, Luiza e JORGE, Wladimir. (1998). Estratégias de Persuasão em Eleições Majoritárias: uma proposta metodológica para o estudo da propaganda eleitoral. Rio de janeiro: Série Estudos.

FOOT, Kirsten; SCHNEIDER, Steven. (2006). Web Campaigning. Londres: MIT Press.

GARRAMONE, Gina. (1985) Effects of negative advertising: the roles of sponsor and rebuttal. Journal of Broadcasting & Eletronic Media, 29, p.147.-159.

GARRAMONE, Gina (1984). Voter Responses to Negative Political Ads. Journalism Quarterly, v. 61, n. 2, 250-259.

GEER, John. (2006). In Defense of Negativity: Attack Ads in Presidential Campaigns. Chicago: University of Chicago Press.

GEER, John. (2012). The News Media and the Rise of Negativity in Presidential Campaigns. In: Center for the study of democratic Institutions, Nashville, 2012. Anais… Nashville.

HASSEL, Hans; OELTJENBRUNS, Kelly. (2016). When to Attack: The Trajectory of Congressional Campaign Negativity. American Politics Research, v.44, n. 2, p. 222–246.

KRIPPENDORFF, Klaus. (1980). Content analysis: na introduction to its methodology. Londres: Sage.

LAU, Richard; SIGELMAN, Lee. (2007). Effectiveness Of Negative Political advertising, In: THURBER, J. A; NELSON, C. J. ; DULIO, D. A. (Orgs) “Crowded Airwaves : Campaign Advertising in Elections. Estados Unidos: Brookings Institution Press, 2007.

LAVAREDA, Antônio. (2009). Emoções Ocultas e Estratégias Eleitorais. Rio de Janeiro: Objetiva.

LOURENÇO, Luis Claudio. (2009). Propaganda negativa: ataque versus votos nas eleições presidenciais de 2002. Opinião Publica, vol.15, no.1, p.133-158.

MANIN, Bernanrd. (1995). As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, n. 29, v. 10, 1995.

MASSUCHIN, Michele; TAVARES, Camilla (2016). Dinâmicas da campanha na esfera online: um estudo comparativo entre websites e redes sociais dos presidenciáveis de 2014. In: 10º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, 2016. Anais... Belo Horizonte.

MAZZOLENI, GianPietro. (2010). La comunicación política. Madrid: Alianza Editorial.

MANCINI, Paolo; SWANSON, David. L. (1996). Politics, Media and Modern Democracy: an International Study of Innovations in Electoral Campaigning and their Consequences. Westport, London: Praeger, 1996.

NORRIS, Pippa. (2001). Digital divide; Civic Engagement, Information Poverty, and the Internet Worldwide. Cambridge: Cambridge University Press.

RAGIN, Charles. Constructing Social Research: the unity and diversity of method. Califórnia: Sage Publications, 1994.

SAMPEDRO, Victor; PÉREZ, Francisco. (2009). Las Elecciones Generales Españolas De 2008: “Bipolarización Antagónica” Fomentada Por Intereses Político-Mediáticos Y Las Nuevas Tecnología. Rev. Sociol. Polít., v. 17, n. 34, p. 129-135.

SAMUELS, David. (2006). Determinantes do Voto Partidário em Sistemas Eleitorais Centrados no Candidato: Evidências sobre o Brasil. Dados, v.40, n.3.

SANTOS, Marcelo. (2014) Cartografia das redes da revolta: fluxos políticos de oposição radical no Facebook. Contemporânea, ed. 24, v. 12, n. 2, p. 106-120.

SKAPERDAS, Stergios; GROFMAN, Bernard. (1995). Modeling Negative Campaigning. American Political Science Review, v. 89, p. 49-61.

SOUSA, Ícaro; MARQUES, Francisco P. J. M. (2016). Campanha negativa nas eleições de 2014: Uma abordagem empírica sobre como os candidatos à Presidência utilizaram o Facebook. CERVI, Emerson; MASSUCHIN, Michele; CAVASSANA, Michele (org). Internet e Eleições no Brasil. Curitiba: CPOP/UFPR.

STEIBEL, Fabro (2005). Campanha negativa: Construindo o objeto de estudo. Revista Contemporânea (UERJ), v. 5.

STEIBEL, Fabro. (2007). Feios, sujos e malvados: políticos, juízes e a campanha eleitoral de 2002 na TV. Rio de Janeiro: E-papers.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Michele Goulart Mussachin

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4