Teoria e Desenho de Pesquisa em Ciência Política

Denisson Silva, Suzana Alves, Thiago Silame, Ranulfo Paranhos

Resumo


Qual o papel da teoria para o desenho de pesquisa em Ciência Política? O objetivo geral é defender que o quadro teórico é fundamental em desenhos de pesquisa que pretendem produzir inferências causais falsificáveis. Metodologicamente, descrevemos o processo de planejamento de um desenho de pesquisa, adotando cinco pressupostos de utilização do quadro teórico: (1) sistematizar os conceitos, (2) definir o problema de pesquisa, (3) delimitar hipóteses causais, (4) definir indicadores mais adequados à sistematização do desenho de pesquisa e (5) construir validade interna e externa. Com esse trabalho esperamos contribuir com boas práticas de utilização de teoria em desenhos de pesquisa em Ciência Política.


Palavras-chave


Ciência Política; teoria; desenho de pesquisa

Texto completo:

PDF

Referências


ADCOCK, R.; COLLIER, D. (2001). Measurement validity: A shared standard for qualitative and quantitative research. American Political Science Review, v. 95, n. 3, p. 529-546.

AMORIM NETO, OCTAVIO. Gabinetes presidenciais, ciclos eleitorais e disciplina legislativa no Brasil. Dados,  Rio de Janeiro ,  v. 43, n. 3, p. 479-519,    (2000) .   Available from . access on  25  May  2016.  http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582000000300003.

BABBIE, Earl. (1999). Métodos de Pesquisa de Survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BLALOCK, H. (1967). Causal Inferences, Closed Populations, and Measures of Association. The American Political Science Review, 61, 1, 130-136.

CHALMERS, A. F. (1993). O que é ciência afinal? São Paulo: Editora Brasiliense.

CHEIBUB, J.A.; Przerworski, A.; Saiegh, S. (2002). Governos de coalizão nas democracias Presidencialistas e parlamentaristas. Dados, vol. 45, nº 2, p. 187-217.

COLLIER, D., MAHONEY, J., & SEAWRIGHT, J. (2004). “Claiming too much: Warnings about selection bias”. In H. E.; D. C. Rethinking social inquiry: Diverse tools, shared standards. Lanham: Rowman& Littlefield.

FIGUEIREDO FILHO, D. B; ROCHA, E. C. DA; SILVA JÚNIOR, J. A. DA; PARANHOS, R; SANTOS, M. L. W. (2012). Levando Gary King a sério: desenhos de pesquisa em ciência política. Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 3, n. 1-2.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; ROCHA, E. C. DA; SILVA JÚNIOR, J. A DA; PARANHOS, R. (2013). Causalidade e mecanismos em Ciência Política. MEDIAÇÕES, V. 18 N. 2, P. 10-27, Jul./Dez.

GEDDES, B. (2003). Paradigms and sandcastles: theory building and research design in comparative politics. United States of America: University of Michigan.

HUNTINGTON, SAMUEL. (1994). A terceira onda: a democratização no final do século XX. São Paulo: Ática.

JANNUZZI, P. M. (2012). Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 5. ed. São Paulo: Editora Alínea.

KELLSTEDT, P.; WHITTEN, G. (2013). The Fundamentals of Political Science Research. New York: Cambridge University Press.

KING, G.; KEOHANE, R. O.; VERBA, S. (1994). Designing social inquiry: Scientific inference in qualitative research. New Jersey: Princeton University Press.

KUHN, T. S. (1978). A estrutura das revoluções científicas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva.

LAMOUNIER, B. (1991). Brasil: rumo ao parlamentarismo? In In: Lamounier, B. (Org.). A opção parlamentarista. São Paulo: IDESP Ed. Sumaré.

LANDMAN, T. (2008). Issues and methods in comparative politics: an introduction. New York: Routledge.

LINZ, JUAN. (1991). Presidencialismo ou parlamentarismo: faz diferença? In: Lamounier, B. (Org.). A opção parlamentarista. São Paulo: IDESP Ed. Sumaré.

LIJPHART, AREND. (1991). Presidencialismo e democracia majoritária. In: Lamounier, B. (Org.). A opção parlamentarista. São Paulo: IDESP Ed. Sumaré.

MAINWARING, SCOTT. (1993). Presidentialism and Multipartism. The difficult combination. Comparative Political Studies, vol. 26 nº 2 p. 198-228.

MUNCK, G. AND VERKUILEN, J. (2009). “Conceptualizing and measuring democracy: an evaluation of alternative índices”. In: Munck, G. Measuring democracy: a bridge between scholarship and politics. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

PARANHOS, R; FIGUEIREDO FILHO, D. D.; ROCHA, E. C. DA; SILVA JÚNIOR, J. A. (2013). Inferências causais falsificáveis em Ciência Política. Revista Eletrônica de Ciência Política, vol. 4, n. 1-2, p. 264-283.

PERES, PAULO S. (2008). Comportamento ou Instituições? A evolução histórica do neo-institucionalimo da Ciência Política. RBCS, vol.23, nº 68, pp. 53-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v23n68/v23n68a05.pdf

PETERS, B. (1998). Comparative Politics: Theory and Methods. New York: New York University Press. (Comparative government and politics).

POPPER, K. (1968). The Logic of Scientific Discovery. Londres: Hutchinson.

RUBIN, A.; BABBIE, E. R. (2011). Research Methods for Social Work. Belmont: Cengage Learning.

SARTORI, G. (1970). Conceptmisformation in comparative politics. American politicalsciencereview, Cambridge Univ Press, v. 64, n. 04, p. 1033–1053.

SCHMITTER, P. (2002). The Ideal Research Proposal. Disponível em: http://www.eui.eu/Documents/DepartmentsCentres/SPS/Profiles/Schmitter/IdealRese archProposal.pdf

SCHUMPETER, J. (1961). Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

TEUNE, H.; PRZEWORSKI, A. (1970). The logic of comparative social inquiry. New York, JohWiley& Sons.

VAN EVERA, S. (1997). Guide to Methods for Students of Political Science. Ithaca, NY: Cornell University Press.

VAUS, D. A. DE. (2001). Research Design in Social Research. Thousand Oaks: SAGE Publications. (Research Methods Series).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Denisson Silva, Suzana Alves, Thiago Silame, Ranulfo Paranhos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4