Educação inclusiva: Uma Avaliação de Implementação

Ana Karine Laranjeira de Sá

Resumo


Esse artigo apresenta a importância da política de educação inclusiva, efeitos do federalismo e descentralização, destacao ciclo de políticas públicas, com ênfase aos elos deimplementação e avaliação. Objetivo principal é avaliar a qualidade de implementação da política de educação inclusiva no Instituto Federal de Pernambuco-Pesqueira. Metodologicamente, o desenho de pesquisa é de caráter descritivo de cunho quanti-qualitativa, emprega a estatística descritiva como método de análise das afirmativas têm-se a análise de componentes principais , cujo instrumento é um survey com perguntas abertas e fechadas, aplicados sob entrevista a 266 pessoas , com 97% de participação; Todas as análises estatísticas foram realizadas a partir do Statistical Package for Social Sciences. Resultados: o IFPE-Pesqueira, atinge 69,27% dos indicadores estabelecidos na caracterização geral de inclusão; 52,94% dos dispositivos legais; 71,1% dos docentes dizem ser pouco experientes e 19,3% não possuem experiência com alunos com deficiência e na ACP não se percebem competentes pedagogicamente para atuar com discentes dentro de suas diversidades e com deficiência, com média de 0,544. Conclui-se que a avaliação de implementação da política de educação inclusiva nessa Instituição, é um instrumento capaz de visualizar as falhas, ganhos e benefícios, sendo possível dessa forma, traçar um plano para melhorar a qualidade deste tipo específico de educação, cujo ponto marcante é a necessidade de investimento na atualização do docente quanto ao tema, possibilitando favorecer a competência pedagógica.


Palavras-chave


Políticas Públicas. Implementação. Avaliação. Educação Inclusiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, M. S. F.(2004). “Educação Inclusiva: transformação social ou retórica”. In: OMOTE, S. (org.). Inclusão: intenção e realidade (pp. 37-60). Marília: Fundepe.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. (2003). “Direitos sociais e Política Educacional: alguns ainda são mais iguais que outros”. In: SILVA, Shirley; VIZIM, Marli (Org.). Políticas Públicas: educação, tecnologias e pessoas com deficiência. Campinas: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil, p. 13-36.

ARRETCHE, M. (2000). Estado federativo e políticas sociais: determinantes da descentralização. São Paulo: Revan, 2000.

BALL, Stephen J.; MAINARDES, Jefferson.(Org.). (2011). Políticas educacionais: questões e

dilemas. São Paulo: Cortez.

BRASIL.Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico,292 p.

______. MEC/SEESP. (2008). Política Nacional de Educação Especial na perspectiva

da educação inclusiva. Brasília, MEC/SEESP.

______. Ministério da Educação (1996).Leis de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm > Acesso em: 5 fev. 2018.

______. Ministério da Educação. (2015). Planejando a Próxima Década: Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Disponível em: < http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf >. Acesso em: 5 fev. 2018.

______. Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação. (2009). INEP. Censo escolar 2009. Recuperado em 26 abril 2010. Disponível em:< http://www.inep.gov.br/basica/censo/escolar/sinopse/sinopse >. Acesso em: 01 fevereiro 2018.

BAUMGARTNER, Frank R; JONES, Bryan D. (1999). “Punctuated equilibrium theory: explaining stability and change in American policymaking”. In: Paul A. Sabatier (ed.), Theories of the policy process, Oxford: Westview Press.

BOOTH, T. ; AINSCOW, M. (2002). Index para a inclusão: Desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Tradução: Mônica Pereira dos Santos. Produzido pelo Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação - LaPEADE, FE-UFRJ. Disponível em: < http://www.eenet.org.uk/index_inclusion/Index%20Portuguese%20Brazil.pdf

>. Acesso em: 03 fev. 2018.

CAPELLA, Ana Cláudia Niedhardt. (2006). “O Papel das Ideias na Formulação de Políticas

Públicas”. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, 1., Anais.

COHEN, Ernesto. (1993). Avaliação de projetos sociais. Petrópolis, RJ : Vozes.

DIEHL, A. A. (2004). Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo:Prentice Hall.

DUARTE, Marisa Ribeiro Teixeira; BROOKE, Daniel Aguiar de Leighton. (2007). Avaliação de implementa implementação de programas socioeducacionais: efeitos possíveis a partir da experiência do projovem. Disponível em: em: < http://www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2007/317.pdf>. Acesso em: 07 Mar2017.

FERRARI, Marian A. L. Dias; SEKKEL, Marrie Claire. (2007). Educação Inclusiva no Ensino

Superior: Um Novo Desafio. Psicologia, Ciência e Profissão, 2007, v. 27, n. 4, p. 636-647.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; PARANHOS, R.; ROCHA, E. C.; SILVA JÚNIOR, J. A.;

MAIA, R. G. (2013). “Análise de componentes principais para construção de indicadores sociais”. Rev. Bras. Biom., São Paulo, v. 31, n. 1: 61–78.

FREITAS, Soraia Napoleão. (2008). Tendências Contemporâneas de Inclusão. UFSM.

GERRING, Jonh. (2012). Social Science Methodology: a Unified Framework. Cambridge: Cambridge University Pres.

HAIR, J., BLACK, W. C.; BABIN, B. B.; ANDERSON, R. E.; TATHAN, R. L. (2009). Análise Multivariada de Dados (6. ed.). Porto Alegre: Bookman.

HOWLETT, Michael; RAMESH, M.; PERL, Anthony. (2013). Política Pública: seus ciclos e

subsistemas: uma abordagem integral.Rio de Janeiro: Elsevier.

KINGDON, John W. (1994). Agendas, Alternatives and Public Policies. United States of America: Addison-Wesley Longman.

LAPLANE, A. L. F.; CAIADO, K. (2012).Uma década de Educação Especial no Brasil: política educacional brasileira.vol. 1. Rio de Janeiro: Mercado de Letras:24, 119-142.

LINDBLOM, Charles E. (1959). The Science ofMuddlingThrough.PublicAdministrationReview, 19: 78-88.

LIMA, Luciana Leite; D'ASCENZI, Luciano. (2013). “Implementação de Políticas Públicas :Perspectivas Analíticas”. Revista de Sociologia e Política.Curitiba; v. 21, n. 48: 101-110.

LOWI, Theodor. (1964). American Business, Public Policy, Case Studies and Political Theory.World Politics, 16: 677-715.

KERBAUY, Maria Teresa Miceli. (2007). “Federalismo, descentralização e democracia”. Estudos de Sociologia, v. 6, n. 10.

MINAYO, M. C. S. (Org.). (2007). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

OLIVEIRA, Adão Francisco de. (2010). “Políticas Públicas Educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática”. In: OLIVEIRA, Adão F. de; PIZZIO, Alex; FRANÇA, George. Fronteiras da Educação: desigualdades, tecnologias e políticas. Goiás: Puc, 2010. p. 93-99.

PEREZ, José Roberto Rus. (2010). “Por que Pesquisar implementação de Políticas Educional Atualmente”. Educ. Soc.. Campinas; v. 31, n. 113. Disponível em: < https://www.cedes.unicamp.br/ >. Acesso em: 14 set. 2015.

RAEDER, Savio Túlio Oselieri. (2015). “Ciclo de políticas: uma abordagem integradora dos modelos para análise de políticas públicas”. Revista Perspectivas em PolíticasPúblicas, v. 7, n. 13.

RONCARATTI, Luanna Sant’anna; FONTENELLE, Alessandro. (2008). MPOG (Ministério doPlanejamento, Orçamento e Gestão): especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, Conhecimentos Gerais e Especializados, Nível Superior. Brasília: Vestcon.

RUA, Maria das Graças. (2013). Para aprender Políticas Públicas: Avaliação de Políticas Públicas e Programas Governamentais. Disponível em: < https://aprender.ead.unb.br/pluginfile.php/13490/mod_folder/content/0/Bibliografia%20complementar/An%C3%A1lise%20de%20pol%C3%ADticas%20p%C3%BAblicas%20- >. Acesso em: 31 jan. 2018.

______. (2012). Políticas Públicas/Maria das Graças Rua - 2 ed.reimp-Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC,128p.: il.

SABATIER, P. A. (1986). “Top-down and bottom-up approaches to implement research: a critical analysis and suggested synthesis”. Journal of Public Policy, CAMBRIDGE. Disponível em: < http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid=2747728&fileId=S0143814X00003846 >. Acesso em: 10 dez. 2014.

SECCHI, Leonardo. (2013). Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning.

SILVA, Mariana Batista da. (2015). “Burocracia local e qualidade da implementação de políticas descentralizadas: uma análise da gestão de recursos federais pelos municípios brasileiros”. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 6, n. 63, p.345-370, jul.

______. (2014). “Qualidade da Administração Pública Local e a Implementação de Políticas Públicas Descentralizadas: Uma análise das auditorias da Controladoria Geral da União nos Municípios Brasileiros”. In: CONCURSO DE MONOGRAFIAS JURÍDICAS PGE/APERGS, 4., 2014, Porto Alegre. Anais do Concurso de Monografias Jurídicas PGE/APERGS.Porto Alegre: Pge/apergspge/: 7 – 30.

SIMON, Herbert. (1979). Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

SOUZA, Celina. (2006). “Políticas Públicas: uma revisão da literatura”. Revista Sociologia. PORTO ALEGRE; v. 16, n. 8, p. 20-45, jul.

VIZIM, Marli. (2009). Tese de doutorado: Avanços e impasses naspolíticas públicas de inclusão: O centro de atenção social de Diadema. São Paulo , 2009.

WINTER, Soren. (2010). “Perspectivas de implementação: status e reconsideração”. In: PETERS, B. G. & PIERRE, J (Orgs). Administração pública: coletânea. São Paulo: Editora UNESP.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ana Karine Laranjeira de Sá

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4