Capacidade Local Em Políticas De Saúde: Uma Análise Dos Municípios Brasileiros

Maria do Carmo Juliano, Mariana Batista, Andre Valente do Couto

Resumo


Qual o efeito da capacidade local sobre a mortalidade infantil nos municípios brasileiros? Este trabalho analisa a capacidade local dos 5.570 municípios brasileiros na oferta de política de saúde e seu efeito sobre a variação da mortalidade infantil, a partir de duas dimensões: administrativa e Institucional. Dados do perfil dos municípios brasileiros do IBGE e dos indicadores Municipais do rol de Indicadores, Diretrizes, objetivos, metas e indicadores 2013 do DATASUS, são usados como medida de capacidade local. Como fator explicativo para a variação da mortalidade infantil são usadas  variáveis distribuídas nas duas dimensões. Os dados foram analisados através de estatística descritiva e regressão linear múltipla pelo modelo dos Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). Com o uso do modelo de regressão os resultados apontam que a composição da burocracia e aspectos institucionais como a formulação de planos de ação e a formação de conselhos estão associados com melhor desempenho da política de saúde no nível municipal.

Palavras-Chave: Capacidade local, Política de Saúde, Mortalidade Infantil.


Palavras-chave


Políticas Públicas; Mulheres ;Violência; Lei Maria Da Penha; Avaliação

Texto completo:

PDF

Referências


ARRETCHE, Marta: Federalismo e Políticas Sociais no Brasil: Problemas de Coordenação e autonomia. São Paulo em Perspectivas 18(2): 17-26. 2004.

ARRETCHE, Marta. Estado Federativo e políticas sociais: determinantes da descentralização/ Marta Arretche. – Rio de Janeiro: Revan; São Paulo: FAPESP, 2000, 3ª edição, agosto de 2011.

BATISTA, Mariana. Burocracia local e Qualidade da implementação de políticas públicas descentralizadas: Uma análise da gestão de recursos federais pelos municípios brasileiros, 2015. Revista do Serviço Público. V.66, n.3(2015), disponível em . Acesso em: 05/01/2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para entender a gestão do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. - Brasília : CONASS, 2003. 248 p. ISBN 85-89545-02-4 1. SUS (BR). 2. Legislação sanitária. I. Título. NLM WA 525 CDD - 20 ed. 362.1068.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

BRASIL. Decreto n 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário oficial da União, Brasília, 29 de Jun.2011.

BRASIL. Lei n. 8.142 de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema único de Saúde- SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área de saúde e dá outras providencias. Brasilia, DF: Ministério da saúde/ Assessoria de comunicação social,1990.

BRASIL. Lei n. 8080 de 19de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção, e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos correspondentes e dá outras providencias. Brasilia, DF: Ministério da Saúde/Assessoria de comunicação social, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório final da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília, DF, 1986.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2009: Uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. O SUS no seu município: garantindo saúde para todos / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Departamento de Apoio à Descentralização. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 46 p. : il. color. – (Série B. Textos Básico de Saúde) ISBN 978-85-334-1580-5.

BRASIL. Minstério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa – Departamento de Articulação Interfederativa. Caderno de Diretrizes, Objetvos, Metas e Indicadores , 2013-2015. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa – Departamento de Articulação Interfederativa – 2.ed – Brasília: Minstérios da Saúde, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n 1.459 de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) a Rede Cegonha. Diário Oficial da União, Brasilia, DF, 27 de jun 2011.seção 1, p 109.

DATASUS. Indicadores municipais do Rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e indicadores do ano de 2013, disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?pacto/2014/cnv/coapmunbr.def e acessado em 10 de janeiro de 2016.

__________ Declaração de Alma- Ata , disponível em www.saudepublica.web.pt/05-promocaosaude/Dec_Alma-Ata.htm e acessado em 20 de janeiro de 2016.

DINIZ, Eli. Governabilidade, Democracia e Reforma do Estado: Os Desafios da Construção de uma Nova Ordem no Brasil dos Anos 90. In: DADOS – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, volume 38, nº 3, 1995. pp. 385-415.

ESCOREL. Sarah; TEIXEIRA. Luiz Antônio. História das Políticas de saúde no Brasil de 1822 a 1963: do Império ao desenvolvimento populista. In GIOVANELLA. Lígia (org). Politicas e sistemas de saúde no Brasil./organizado por Giovanella, Sarah Escorel, Lenaura de vasconcelos Costa Lobato, et al- Rio de janeiro: Editora Fiocruz, 2008.

FIGUEIREDO et al. A construção do direito à saúde no Brasil. IN: BITENCOURT, Sonia Duarte de Azevedo (org.). Vigilância do óbito materno, infantil e fetal e atuação em comitês de mortalidade/organizado por Sonia Duarte de Azevedo Bittencourt, Marcos Augusto Bastos Dias e Mayumi Duarte Wakimoto – Rio de Janeiro, EAD/Ensp, 2013.

FIOCRUZ. Definição de Reforma Sanitária, 1998. Disponível em http://bvsarouca.icict.fiocruz.br/sanitarista05.html e acessado em 20/01/2016.

FRIAS, Paulo Germano de; NAVARRO, Leila Monteiro. Crianças: Sujeitos de direito e sua vulnerabilidade. IN: BITENCOURT, Sonia Duarte de Azevedo (org.). Vigilância do óbito materno, infantil e fetal e atuação em comitês de mortalidade/organizado por Sonia Duarte de Azevedo Bittencourt, Marcos Augusto Bastos Dias e Mayumi Duarte Wakimoto – Rio de Janeiro, EAD/Ensp, 2013.

FUKUYAMA, Francis. What is governance? Governance: An International Journal of Policy, Adminstration, and Instituitions, vol 26, No 3, July 2013 (pp.347- 368).

GOMES, Sandra. The multifaceted debate on descentralization and collective welfare. Brazilian Political Science Review, Rio de Janeiro, v .4,n.2 p.103-128, 2010.

GONÇALVES, Alcindo. O conceito de governança, 2006, disponível em http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/conceito_de_governanca.pdf e acessado em 28/01/2016.

GUARIENTE. Reginaldo. Vieira. Capacidades institucionais de pequenos municípios paulistas: problemas e desafios encontrados na gestão local de cajobi, guaraci e Severínia. Painel apresentado no III Congresso de Gestão Pública, CONSAD. Brasilia , 2010, disponível em http://consad.org.br/evento/iii-congresso/ e acessado em 29/01/2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Séries históricas e estatísticas, disponível em http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=CD100&t=taxa-mortalidade-infantil e acessado em 05/02/2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Perfil dos municípios brasileiros 2014, disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/perfilmunic/2014/default.shtm.

LIMA. Nísia. Trindade; FONSECA Cistina. M. O; HOCHMAN. Gilberto. A saúde na construção do Estado Nacional do Brasil: Reforma Sanitária em perspectiva histórica. IN LIMA, N. T. et al. (orgs) Saúde e Democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

LIPSKY, M. Sreet-Level Bureaucracy: The Dilemmas of the Individual in Public Services. New York: Russel Sage Foundation, 1980.

LUBAMBO. Cátia. Wanderley. Conselhos gestores e desempenho da gestão nos municípios: potencialidades e limites. Fundaj, nº 149, p1-15, set 2002 (Series Trabalhos para discussão), disponível em http://periodicos.fundaj.gov.br/TPD/article/view/944/665 e acessado em 13/02/2016.

______Nota Técnica dos indicadores municipais. MS (2013), disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/pacto/2013/Nota_Tecnica_Indicadores_Municipais.pdf e acessado em 20 /01/2016.

NAVARRO, Zander. Desenvolvimento rural no Brasil:os limites do passado e os caminhos do futuro. ESTUDOS AVANÇADOS 15 (43), 2001. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ea/v15n43/v15n43a09.pdf e acessado em 15/01/2016.

NETO, Aristides Monteiro. Governos Estaduais no Federalismo Brasileiro: Capacidades e Limitações no Cenário Atual. In Governos estaduais no federalismo brasileiro: Capacidades governativas em debate / organizador: Aristides Monteiro Neto. – Brasília: Ipea, 2014.

NUNES. Sidemar. Presotto, CORONA. Hilda. Maria. Pagliosa; CAMPOS. Carlos. Alberto. (2004): Políticas Públicas Descentralizadas Como Estratégia De Gestão E Monitoramento Social: O Caso do Pronaf Infraestrutura. Anais XVII Congresso da SOBER, julho/2004. Cuiabá MT.

OATES, Wallace. An Essay on Fiscal Fedralism. Journal of Economic Literature. Vol. 37. N.3. 1999.

______. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Relatório Nacional de Acompanhamento. Brasília: IPEA, 2010.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÃO PARA SAÚDE. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações/ Rede Intergerencial de informação para a saúde- Ripsa- 2. Ed.- Brasilia: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008.

SCHENEIDER, Aaron. Who gets what form whom? The impacto f descentralization on tax capacity na pro-poor policy. IDS Working Paper 179. Brightin: Institute of Development Studies, 2003.

SILVA. Virgilio Afonso da. Federalismo e Articulação de Competencias no Brasil. In PETERS,B.G.& PIERRE,J (Orgs). Adminstração pública : coletânea. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

SILVA, André. Luiz. Nogueira da. Os estados no Suas: uma análise da capacidade institucional dos governos estaduais na assistência social, Rev. Adm. Pública — Rio de Janeiro 49(5):1167-1192, set./out. 2015.

SOUZA, Celina. Federalismo e gasto social no Brasil: tensões e tendências. Lua Nova, v. 52, p. 5-28, 2001.

WEBER, Max.1978.Economy and Society. Berkeley,Ca: University of california Press.

WINTER, Soren C. Perspectivas de implementação: status e reconsideração. In: PETERS, B. G. & PIERRE, J (Orgs). Administração Pública: Coletanea. São Paulo: Editora UNESP, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Mariana Batista, Andre Valente do Couto

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4