Política De Atenção À Saúde Materno-Infantil Em Pernambuco: Avaliando Resultados A Partir Da Percepção Das Usuárias Do Programa Mãe Coruja Pernambucana

Michelle Vieira Fernandez, Virginia Holanda

Resumo


Este artigo trata de avaliar uma política de atenção à saúde da mulher em Pernambuco: o programa Mãe Coruja. A partir da percepção das usuárias em 11 municípios situados no Sertão do Araripe – Gerência da IX Região de Saúde de Pernambuco –, foi realizada uma pesquisa descritiva, com levantamento de dados por meio de aplicação de entrevista semi-estruturada para 140 mulheres cadastradas no programa entre 2010 e 2014. Apresentaremos o alcance do programa através das percepções das mulheres em torno de quatro temas: atividades educativas, atividades de qualificação profissional, atividades de segurança alimentar e benefícios gerais atribuídos ao programa.


Palavras-chave


Política Pública; Política De Saúde; Avaliação De Políticas Públicas; Políticas Para Mulheres; Maternidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, S. V. (2007), “Martenal mortality in Pernambuco – Brazil What has changed in ten years?”, Reproduction Health Maternal, v. 15, p. 134-144.

ANDERSON, J. E. (2010), Public policy making: an introduction. Boston, Houghton Miffin Company.

BARON-EPEL, O.; DUSHENAT, M.; FRIEDMAN, N. (2001), “Evaluation of the consumer model: relationship between patient’s expectations, perception and satisfaction with care”, International Journal for Quality Health Care, vol. 13, n. 4, p. 317-323.

BARDIN, L. (2011), Análise de conteúdo. São Paulo, Edições 70.

BERNHAR, M. H.; WIADNYANA, I. G. P.; WIHARDJO, H.; POHAN, I. (1999), “Patient Satisfaction in developing countries”, Social Science and Medicine, n. 48, p. 989-996.

BRASIL. (1984), Assistência integral à saúde da mulher: bases da ação programática. Brasília, Ministério da Saúde.

BRASIL. (2005), Informações de Saúde – Cobertura. Brasília, Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. (2010a), Saúde da mulher: um diálogo aberto e participativo. Brasília, Ministério da Saúde.

BRASIL. (2010b), “Portaria no 4.279/ GM, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)”. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, Ministério da Saúde, 31 dez, Seção 1, p. 202.

BRASIL. (2011), Conselho Nacional de Secretários da Saúde. Rede Materno Infantil – Rede Cegonha (Nota Técnica, nº 17/2011). Brasília, Ministério da Saúde.

CARRENO, I.; BONILHA, A. L. DE L.; COSTA, J. S. D. DA. (2014), “Evolução temporal e distribuição espacial da morte materna”, Revista de Saúde Pública, v. 48, n. 4, p. 662-670.

CARVALHO, P. G. M.; BARCELLOS, F. C. (2014), “Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – ODM: Uma avaliação crítica”, Sustentabilidade em Debate, v. 5, n. 3, p. 222-244.

COHEN, E.; FRANCO, R. (2013), Avaliação de Projetos Sociais. Petrópolis, Rio de Janeiro, Vozes.

CONTANDRIOPOULOS, A. P.; CHAMPAGNE, F.; DENIS, J. L.; RAYNALD PINEAULT. (2015), “A avaliação na área da saúde: conceitos e métodos”. In Z. Hartz (ed.), Avaliação em Saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas, Rio de Janeiro, Fiocruz.

CREVELIM, M. A. (2005), “Participação da comunidade na equipe de saúde da família: é possível estabelecer um projeto comum entre trabalhadores e usuários?”, Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 2, p. 323¬-331.

DERY, D. (1984), “Evaluation and termination in the policy cycle”, Policy Sciences, v. 17, n. 1, p. 13-26.

DREZETT, J. (2013), “Mortalidade materna no Brasil. Insucesso no cumprimento do quinto Objetivo de Desenvolvimento do Milênio”, Reprodução e Climatério, v. 28, n. 3, p. 89-91.

ESPERIDIÃO, M. A.; TRAD, L. A. B. “Avaliação de satisfação de usuários: considerações teórico- conceituais”, Cadernos de Saúde Pública, vol. 22, n. 6, p. 1267-1276, 2006.

FERRAZ, L.; BORDIGNON, M. (2012), “Mortalidade materna no Brasil: uma realidade que precisa melhorar”, Revista Baiana de Saúde Pública, v. 36, n. 2, p. 527-538.

FURTADO, J. P. (2001), “Um método construtivista para a avaliação em saúde”, Ciência & Saúde Coletiva, vol. 6, n.1, p. 165-181.

GRYSCHEK, A. L.; NICHIATA, L.; FRACOLLI, L.; OLIVEIRA, M.; PINHO, P. (2014), “Tecendo a rede de atenção à saúde da mulher em direção à construção da linha de cuidado da gestante e puérpera, no Colegiado de Gestão Regional do Alto Capivari – São Paulo”, Saúde e Sociedade, v. 23, n. 2, p. 689-700.

HAIDAR, F. H.; OLIVEIRA, U. F.; NASCIMENTO, L. F. C. (2001), “Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos”, Caderno de Saúde Pública, v. 17, n. 4, p. 1025-1029.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. (2014), Objetivos de desenvolvimento do milênio – relatório nacional de acompanhamento. Brasília, IPEA.

LEITE, D.; NUNES, A. K. (2009), “Avaliação participativa: constatações e aprendizagens”, Contexto & Educação, ano 24, n. 81, p. 147-169.

LI, K. K.; ABELSON, J.; GIACOMINI, M.; CONTANDRIOPOULOS, D. (2015), “Conceptualizing the use of public involvement in health policy decision-making”, Social Science & Medicine, v. 138, p. 14-21.

LINDER-PELZ, S. (1982), “Toward a theory of patient satisfaction”, Social Science and Medicine, n. 16, p. 577-582.

LOCHE, A.; CARBONARI, F.; HOFFMAN, J. S.; SERRANO-BERHET, R. (2014), “Avaliação de políticas em segurança pública”. In R. S. de Lima; J. L. Ratton; R. G. Azevedo (orgs.), Crime, polícia e justiça no Brasil, São Paulo, Editora Contexto.

MORSE, M. L.; FONSECA, S. C.; BARBOSA, M. D.; CALIL, M. B.; EYER, F. P. C. (2011), “Mortalidade materna no Brasil: o que mostra a produção científica nos últimos 30 anos?”, Cadernos de Saúde Pública, v. 27, n. 4, p. 623-638.

NASCIMENTO, S. G.; OLIVEIRA, C. M.; SPOSITO, V.; FERREIRA, D. K. DA S.; BONFIM, C. V. (2014), “Infant mortality due to avoidable causes in a city in Northeastern Brazil”, Revista Brasileira de Enfermagem, v. 67, n. 2, p. 206-212.

ORTIZ-ESPINOSA, R. M.; MUÑOZ, S.; MARTÍN DEL CAMPO, D.; TORRES, E. (2003), “Consulta externa en instituciones de salud de Hidalgo, México, según la opinión de los usuarios”, Revista Panamericana de Salud Pública, v. 13, n. 4, p. 229-2-38.

PERNAMBUCO. (2017), Mãe Coruja Pernambucana: um olhar metodológico. Recife, Cepe.

PERNAMBUCO. (2015), Plano estadual de saúde 2012-2015. Recife.

PERNAMBUCO. COORDENAÇÃO COMITÊ EXECUTIVO. (2014), Programa Mãe Coruja Pernambucana – Relatório de Gestão – 2014. Recife.

PERNAMBUCO. (2009a). Lei No 13.959, de 15 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o Programa Mãe Coruja Pernambucana. Pernambuco, Diário Oficial do Estado.

PERNAMBUCO. (2009b), Decreto no. 33.386 de 18 de maio de 2009 – Altera o Decreto no 31.247, de 28 de dezembro de 2007, que dispõe sobre a adesão dos Municípios ao Programa Mãe Coruja Pernambucana, o cadastramento de gestantes e determina as atribuições das Secretarias de Estado. Brasil, Diário Oficial do Estado.

PIGNATTA, M. A. (2015), “Monitoreo y evaluación de políticas públicas em América Latina: brechas por cerrar”, Revista Perspectiva de Políticas Públicas, ano 4, n. 8, p. 49-69.

PINTO, H.; BURILLE, A.; BARBOSA, M.; FERLA, A. (2015), “Avaliação da Atenção Básica: a ouvidoria ativa como estratégia de fortalecimento do cuidado e da participação social”, Saúde em Rede, vol. 1, n. 4, p. 15-26.

PIO, D.; OLIVEIRA, M. (2014), “Educação em saúde para atenção à gestante: paralelo de experiências entre Brasil e Portugal”, Saúde e Sociedade, v. 23, n. 1, p. 313-324.

RAEDER, S. (2014), “Ciclo de políticas: uma abordagem integradora dos modelos para análise de políticas públicas”, Perspectivas em Políticas Públicas, v. VII, n. 13, p. 121-146.

ROSSI, P. H.; FREEMAN, H. E.; LIPSEY, M. W. (2004), Evaluation: A Systematic Approach – revize, California, Sage Pùblications.

SANTOS, L.; CARVALHO, G. (1992), “Das formas de controle social sobre as ações e os serviços de saúde”, Saúde em Debate, n. 34, p. 60-66.

SECCHI, L. (2013), Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo, Cengage Larning.

SOUZA, C. (2006), “Políticas públicas: uma revisão de literatura”, Revista Sociologias, v. 8, n. 16, p. 20-45.

TURRIS, A. S. (2005), “Unpacking the concept of patient satisfaction: a feminist analysis”, Journal of Advenced Nursing, vol. 50, n. 3, p. 293-298.

VENTURA, M. (2008), “A mortalidade materna : a persistente violação do direito de proteção da vida e autonomia feminina”, Revista Bioética, v. 16, n. 2, p. 217-228.

VIEIRA-DA-SILVA, L. M. (2014), Avaliação de políticas e programas de saúde. Rio de Janeiro, Editora FIOCRUZ.

VILELA, M. B. R. (2012), Adequação das informações vitais e distribuição espacial da mortalidade infantil – Pernambuco, 2006-2008. Recife, Fundação Oswaldo Cruz.

WATT, S.; SWORD, W.; KRUEGER, P. (2005), “Implementation of a health care policy: An analysis of barriers and facilitators to practice change”, BMC Health Services Research, v. 5, n. 53, p. 1-10.

WHO; UNICEF; UNFPA; THE WORLD BANK; THE UNITED NATIONS POPULATION DIVISION. (2014), Trends in Maternal Mortality: 1990-2013. Estimates by WHO, UNICEF, UNIFPA. Geneva, The World Bank and the United Nations population Division.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. (2004), Avaliação de Programas: concepções e práticas. São Paulo, Editora Gente/Edusp.

WU, X.; RAMESH, M.; HOWLETT, M.; FRITZEN, S. (2014), Guia de Políticas Públicas: gerenciando processos. Brasília, ENAP.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Michelle Vieira Fernandez, Virginia Holanda

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4