Uma Análise Multidimensional Da Burocracia Pública Brasileira Em Duas Décadas (1995-2016)

Felix Garcia Lopez, Erivelton Pires Guedes

Resumo


O texto descreve e analisa alguns padrões e tendências da ocupação no setor público brasileiro, de 1995 a 2016, diferenciando os níveis federativos – municipal, estadual e federal -- e os poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário. A análise se baseia em dados novos, resultado da integração de bases de dados distintas sobre o setor público, em especial a RAIS. Analisam-se aspectos referentes à evolução do total de vínculos, escolaridade, remunerações, ocupações, diferenças por sexo e despesa pública. Os resultados demonstram diferenças significativas tanto entre níveis federativos quanto entre os Poderes. Sugerimos ser importante considerar as diferenças aqui reveladas para qualificar a discussão pública sobre as características do setor público e suas transformações nas últimas décadas. Sugerimos, por fim, levar em conta as características, padrões e tendências discutidas para um debate mais realista sobre reformas do setor público, em especial em contextos de crise fiscal e em diálogo crítico com as narrativas que genericamente evocam um “inchaço da máquina pública”.


Palavras-chave


Burocracia; Burocracia Pública; Setor Público; Serviço Público; Funcionalismo

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, S. (2018), Representação feminina no setor público brasileiro: uma análise sob a ótica da burocracia representativa. 2018. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília.

BANCO MUNDIAL. (2017), Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. [s.l.]: Grupo Banco Mundial. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2018.

BRASIL - Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. (2018), Boletim Estatístico de Pessoal e Painel Estatístico de Pessoal. Brasília: MPDG. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2018.

CARDOSO JUNIOR, J. C. (Org.). (2011), Burocracia e ocupação do setor público no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea.

CARVALHO, E. (2011), Emprego público e ocupações no serviço público municipal nos anos 2000. In: CARDOSO JUNIOR, J. C. (Org.). Burocracia e ocupação do setor público no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea, p. 287-308.

CAVALCANTE, P.; CARVALHO, P. (2017), “Profissionalização da burocracia federal brasileira (1995-2014): avanços e dilemas”, Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 51, n. 1, p. 1-26, jan./fev.

EMILIO, D.; PONCZEK, V.; BOTELHO, F. (2012), “Evaluating the wage differential between public and private sectors in Brazil”, Revista de Economia Política, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 72-86, jan./mar.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. (2018), Análise do mercado de trabalho. Brasília: Ipea, out. 2015. p. 9-23. (Boletim Mercado de Trabalho: conjuntura e análise, n. 59). Disponível em: . Acesso em 22 nov. 2018.

¬¬¬______. (2018), “Análise do mercado de trabalho”, Boletim Mercado de Trabalho: conjuntura e análise, n. 65, Brasília: Ipea, out. p. 11-36. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2018.

______. Atlas do Estado Brasileiro. Disponível em: .

LASSANCE, A. (2017), “O serviço público federal brasileiro e a fábula do ataque das formigas gigantes”. Rio de Janeiro: Ipea (Texto para Discussão, n. 2287). Disponível em: .

______. (2018), Serviço público: a pior imagem é a que fica. In: FONACATE – FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DE CARREIRAS TÍPICAS DE ESTADO; AFIPEA – ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO IPEA (Eds.). Que serviço público queremos? [s.l.]: FONACATE; AFIPEA, 2018. p. 7-17. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2018.

NOGUEIRA, R. Avaliação do crescimento do estoque de servidores civis ativos do Poder Executivo Federal no período 1992 a 2014. Brasília: Ipea, 2015.

NOGUEIRA, R.; CARDOSO JUNIOR, J. C. (2017), “Transformações da ocupação do setor público federal brasileiro: tendências recentes e questões a futuro”. In: CARDOSO JUNIOR, J. C.; BARBOSA, S. (Orgs.). Transformações recentes na administração pública federal brasileira. Brasília: Ipea, jul./dez p. 21-28. (Boletim de Análise Político-Institucional, n. 12). Disponível em: .

ORAIR, R.; GOBETTI, S. (2017), “Resultado primário e contabilidade criativa: reconstruindo as estatísticas “acima da linha” do governo geral.” Brasília: Ipea, (Texto para Discussão, n. 2288). Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2018.

SANTOS, C. et al. (2016), “Evolução do emprego público nos governos subnacionais brasileiros no período 2004-2014.” Brasília: Ipea, jul./set ,pp. 1-20. (Carta de Conjuntura, n. 32). Disponível em: . Acesso em: 22 nov de 2018.

SANTOS, C. H. et al. (2017), “Crescimento dos gastos com pessoal ativo e inativo dos estados brasileiros entre 2006-2016.” Brasília: Ipea, nov. 2017. (Carta de Conjuntura, n. 37). Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2018.

TCU – TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. (2005), TC-020.784/2005-7. Brasília: TCU.

______. (2002), Acórdão 276/2002 – Plenário. Brasília: TCU.

VAZ, D. V.; HOFFMANN, R. (2007), “Remuneração nos serviços no Brasil: o contraste entre funcionários públicos e privados”, Economia e Sociedade, Campinas, v. 6, n. 2, p. 199-232, ago.

VAZ, D. (2017), “Notas sobre o diferencial salarial entre os setores público e privado no Brasil.” In: FONACATE – FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DE CARREIRAS TÍPICAS DE ESTADO; AFIPEA – ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO IPEA (Eds.). Que serviço público queremos? [s.l.]: FONACATE; AFIPEA. p. 37-45. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Felix Garcia Lopez, Erivelton Pires Guedes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4