O Que Une os Partidos nas Coalizões Paulistas: a Lógica de Formação do Governo no Estado de São Paulo

Ana Paula Massonetto, Ana Cláudia Pedrosa

Resumo


No estado de São Paulo, mesmo com governos minoritários, os governadores obtém sucesso na aprovação dos projetos de seus interesses, coordenam as atividades legislativas e fiscalizatória no parlamento, controlando a pauta de votações, limitando a deliberação, vetando os projetos de autoria parlamentar e bloqueando a instauração de CPIs. Este artigo apresenta o processo de formação do governo no Estado de São Paulo, analisando a relação entre as lógicas de formação dos gabinetes do Executivo e de formação das maiorias legislativas na Alesp, evidenciando os mecanismos que asseguram o predomínio do Executivo paulista.

Palavras-chave


Coalizões; Formação de Governo; Ultrapresidencialismo; Estados

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ABRANCHES, S. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 31, n. 1, 1988. p. 5-34.

ABRANCHES, S. Presidencialismo de coalizão e crise de governança. Conjuntura Política. Belo Horizonte, Associação Brasileira de Ciência Política–ABCP. Belo Horizonte: Departamento de Ciência Política/UFMG (www. cevep. ufmg. br/bacp) 26 (2001).

ABRUCIO, F. Os Barões da Federação: os governadores e a redemocratização brasileira. 2a ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

ABRUCIO et al, O Papel Instituicional da Assembléia Legislativa Paulista: 1995 -1998 in SANTOS, F. (Org.). O Poder Legislativo nos Estados: diversidade e convergência. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

AMORIM NETO, O. Gabinetes Presidenciais, Ciclos Eleitorais e Disciplina Legislativa no Brasil. Dados. Vol. 43, nº 3. Rio de Janeiro, 2000.

_________________ O Presidencialismo de Coalizão Revisitado: Novos Dilemas, Velhos Problemas. Octavio Amorim Neto in Tavares, José Antônio Giusti (org.). O Sistema Partidário na Consolidação da Democracia Brasileira. Seminário realizado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

________________. Presidencialismo e Governabilidade nas Américas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. 220 p.

AXELROD, R. "Where the votes come from: An analysis of electoral coalitions, 1952-1968." The American Political Science Review (1972): 11-20.

BOND, J.; FLEISHER, R. The President in the Legislative Arena. Chicago, The University of Chicago Press, 1990. Apud: AMORIM NETO, O. Gabinetes Presidenciais, Ciclos Eleitorais e Disciplina Legislativa no Brasil. Dados. Vol. 43, nº 3. Rio de Janeiro, 2000.

CAMERON, C. Veto Bargaining: Presidents and the Politics of Negative Po- wer. Cambridge, Cambridge University Press, 2000. Apud: DINIZ, Simone. Interações entre os poderes executivo e legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial. Dados, Rio de Janeiro, v. 48, n. 2, jun. 2005.

CHRISTOFOLETTI, L.; SILVA, J. C. Mesmo derrotado, Maluf diz que malufismo ainda não morreu. Folha de São Paulo, São Paulo, 8 out. 2002. Disponível em: .

CLEMENTE, R. Variações De Presidencialismos Na Federação Brasileira: Processo Político E Reforma Nos Estados, 1995-2006. Tese (Doutorado). Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2007, 261p

DEHEZA, G. I. Gobiernos de coalicion en el sistema presidencial: America Latina. XIX Congreso Internacional del Latin American Studies Association. Washington DC, set. 1995.

DE SWAAN, A.; RAPOPORT, A. Coalition theories and cabinet formations: A study of formal theories of coalition formation applied to nine European parliaments after 1918. Amsterdam: Elsevier, 1973.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Bases institucionais do presidencialismo de coalizão. In: Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

____________________________. Instituições políticas e governabilidade: desempenho do governo e apoio legislativo na democracia brasileira. In: MELO, C. R.; SAEZ, M. A. A democracia brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

ISERN, L. Controle de constitucionalidade por meio do veto municipal. São Paulo: Método, 2002.

JONES, Charles. (1994), The Presidency in a Separated System. Washington, D.C., The Broo- kings Institutions. Apud: DINIZ, Simone. Interações entre os poderes executivo e legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial. Dados, Rio de Janeiro , v. 48, n. 2, jun. 2005 .

JONES, Charles. (1994), The Presidency in a Separated System. Washington, D.C., The Broo- kings Institutions. Apud: DINIZ, Simone. Interações entre os poderes executivo e legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial. Dados, Rio de Janeiro , v. 48, n. 2, jun. 2005 .

JONES, Mark. P. (1995), Electoral Laws and the Survival of Presidential Democracies. Notre Dame, University of Notre Dame Press. Apud: AMORIM NETO, O. Gabinetes Presidenciais, Ciclos Eleitorais e Disciplina Legislativa no Brasil. Dados. Vol. 43, nº 3. Rio de Janeiro, 2000.

KLINGEMANN, H., HOFFERBERT, R., & BUDGE, I. (1994). Parties. Policies, and Democracy, Boulder.

LIMONGI, F. A democracia no Brasil. Presidencialismo, coalizão partidária e processo decisório. Novos Estudos Cebrap, v. 76, 2006.

LINZ, J. (1994), "Presidential versus Parliamentary Democracy: Does It Make a Difference?", in J. J. Linz e A. Valenzuela (eds.), The Failure of Presidential Democracy: The Case of Latin America (vol. 2). Baltimore, The Johns Hopkins University Press.

LINZ, J.; STEPAN, A. C. Toward consolidated democracies. Journal of Democracy, vol. 7, n. 2, april 1996, p. 14-33.

Mainwaring, S., & Scully, T. R. (Eds.). (1995). Building democratic institutions: Party systems in Latin America (p. 1). Stanford: Stanford University Press.

MASSONETTO, Ana Paula. Presidencialismo estadual em São Paulo: o que une os partidos na coalizão. Tese de Doutorado. São Paulo: EAESP/FGV, 2014.

NASSIF, M. I. O canto de cisne do PSDB e do DEM. Carta Maior, 31 out. 2013. Disponível em: .

PETERSON, Mark A. (1993), Legislating Together – The White House and Capitol Hill from Ei- senhower to Reagan. Cambridge, MA, Harvard University Press. Apud: DINIZ, Simone. Interações entre os poderes executivo e legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial. Dados, Rio de Janeiro , v. 48, n. 2, jun. 2005 .

RIKER, William H. The theory of political coalitions. Vol. 578. New Haven: Yale University Press, 1962.

SAIEGH, S. M. (2009). Avaliação das taxas de sucesso legislativo dos chefes do executivo. Legislativo Brasileiro em Perspectiva Comparada, Belo Horizonte, Editora UFMG.

SANDES-FREITAS, V. A lógica da formação de governos no estado do Piauí (1987-2007). Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – UFPI, Teresina, 2010.

SANDES-FREITAS e MASSONETTO. (Ultra)presidencialismo de coalizão estadual: uma análise a partir dos casos de São Paulo e do Piauí (1995-2010). Cadernos Adenauer XVIII nº2, 2017.

SANTOS, F. (Org.). O Poder Legislativo nos Estados: diversidade e convergência. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

SARTORI, G. Engenharia constitucional: como mudam as constituições. Brasília: Ed. da UnB, 1996.

SILVA, F. Presidencialismo Estadual e Participação Legislativa em São Paulo (1999-2010). Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012, 96p.

STEPAN, A.; SKACH, C. Constitutional frameworks and democratic consolidation: parliamentarianism versus presidentialism. World Politics, vol. 46, oct. 1993, p. 1-22.

TOMIO, Fabrício Ricardo de Lima. Iniciativas, cenários e decisões no processo legislativo estadual. Revista Estudos Legislativos, n. 5, 2012.

TOMIO, F.; RICCI, P. O governo estadual na experiência política brasileira: os desempenhos legislativos das assembleias estaduais. Revista de Sociologia e Política, v. 21, n. 41, p. 193-217. Curitiba, 2012a.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ana Paula Massonetto, Ana Cláudia Pedrosa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4