Governança Regional de Segurança: o protagonismo brasileiro na integração de políticas de defesa na América do Sul.

Mariana Lyra

Resumo


Desde o fim do conflito bipolar, observa-se a fragmentação dos arranjos políticos relacionados às temáticas de segurança e defesa, uma vez que o sistema internacional passa por um período de redefinições, emergindo a regionalização da segurança internacional. Este artigo busca tratar sobre a problemática relacionada à formação de uma governança regional de segurança no âmbito da União de Nações Sul-Americanas. Tenta-se analisar a ainda embrionária configuração do Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS) e o papel essencial da liderança brasileira na formatação de tal órgão. Nesse processo, o Brasil foi um player fundamental, tanto durante a concepção do órgão, quanto em sua aprovação, ao entender que o tema da defesa na América do Sul desempenha papel estratégico na confluência dos objetivos da Política Externa Brasileira de consolidação de um processo de integração regional. Assim, mesmo sendo a governança regional de segurança considerada incipiente no Cone Sul, o CDS apresenta-se como uma relevante alternativa aos arranjos de segurança já existentes no hemisfério.

Palavras-chave


Governança regional de segurança. Conselho de Defesa Sul-Americano. Protagonismo brasileiro. Instituições regionais. Defesa e segurança sul-americanas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Política Hoje - ISSN: 0104-7094

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4