A Política Externa Mexicana de Direitos Humanos durante os governos Salinas e Zedillo (1988-2000): Democratização e Ativismo Transnacional

Bruno Boti Bernardi

Resumo


Resumo: Neste artigo sobre as relações entre a política externa mexicana de direitos humanos dos governos Salinas e Zedillo (1988-2000) e o processo de democratização argumentamos que a ampliação da estrutura de oportunidades políticas decorrente da democratização do país e a vulnerabilidade dos dois governos aos custos morais, de imagem e reputação gerados pelas campanhas de shaming de ONGs mexicanas e internacionais ao longo da década de 1990 foram determinantes para a atuação da rede transnacional de direitos humanos, cujas pressões foram responsáveis por mudanças de práticas e políticas estatais de direitos humanos do Estado mexicano.Abstract: In this article that analyzes the links between Mexico’s human rights foreign policy and the democratization process during Salinas’ and Zedillo’s administrations (1988-2000), we argue that the expanded political opportunity structure resulting from the country’s democratization and the vulnerability of both governments to the moral, reputational and image costs generated by the shaming campaigns of international and Mexican NGOs throughout the 1990s were essential to the performance of the transnational human rights network, whose pressures prompted changes in Mexico’s human rights policies and practices.

Palavras-chave


México; Democratização; Política Externa; Direitos Humanos; Atores Transnacionais

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Política Hoje - ISSN: 0104-7094

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4