Tecnologia e Indústria de Defesa no Brasil: caminhos e alternativas

Deywisson Ronaldo Oliveira de Souza, Marcos Aurélio Guedes de Oliveira

Resumo


Nesta edição temática da Política Hoje, Tecnologia e Indústria de Defesa no Brasil: caminhos e alternativas buscamos reunir mais um conjunto de artigos que discutisse a tecnologia de defesa, mas desta vez, priorizando trabalhos preocupados em descrever, demonstrar, explicar ou vislumbrar as ações, políticas, limitações, avanços e alternativas para a pesquisa e desenvolvimento em tecnologia de defesa no país. O número especial tem como foco a relação entre tecnologia de defesa, desenvolvimento e autonomia, privilegiando artigos que retratam os processos histórico-evolutivos das políticas de incentivo a tecnologias de defesa, a inserção do Brasil no mercado global de armamentos, a relação entre as demandas das Forças Armadas, a indústria de defesa, como também o impacto de recentes instrumentos como a Estratégia Nacional de Defesa (END) e o Livro Branco de Defesa Nacional (LBDN).


Texto completo:

PDF

Referências


ABDI (2011). A base industrial de defesa Brasileira. Diagnóstico, março.

BRASIL. Política de Defesa Nacional. (2005) Decreto nº 5.484, de 30 de junho de 2005. Aprova a Política de Defesa Nacional. Brasília.

CRUZ JUNIOR, A. S. da. (2011). Diplomacia, desenvolvimento e sistemas nacionais de inovação: estudo comparado entre Brasil, China, e Reino Unido. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão.

SOUZA, Deywisson Ronaldo Oliveira de. (2015). O Imperativo tecnológico e os projetos estratégicos de defesa: uma análise dos programas de reaparelhamento das forças armadas nos governos Lula da Silva e Dilma Rousseff/ (Dissertação de Mestrado em Ciência Política – Programa de Pós-Graduação em Ciência Política UFPE); Recife:UFPE, 120. p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Deywisson Ronaldo Oliveira de Souza, Marcos Aurélio Guedes de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4