A Viabilidade da Constituição de uma Base Industrial de Defesa Sul-Americana e seus Benefícios para a Região

Edson Aita

Resumo


Este artigo pretende investigar a viabilidade da constituição de uma Base Industrial de Defesa Sul-Americana (BIDSA), que é um dos objetivos específicos do Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS) e, sendo viável, quais são os benefícios econômicos para a região. Para tanto, foi realizada uma revisão da literatura, quando diversas fontes bibliográficas foram analisadas, no sentido de subsidiar a pesquisa em questão. A fim de amparar os resultados, a fundamentação teórica abordou experiências de cooperação industrial na OTAN e na Base Industrial e Tecnológica de Defesa Europeia. Foi verificado que a constituição de uma BIDSA seria viável podendo gerar benefícios para a toda a região, no entanto, será uma tarefa bastante complexa e exigirá uma série de medidas por parte dos Estados, indústrias e organismos multilaterais. A BIDSA representaria uma oportunidade para, conjuntamente, desenvolver e capacitar a indústria sul-americana de defesa e dinamizar a economia regional. Seria a oportunidade de substituir a condição dos países da América do Sul de meros compradores para a posição de participantes de projetos, desenvolvimento e produção de produtos de defesa.


Palavras-chave


Economia de Defesa. Indústria de Defesa. Base Industrial. Integração Sul-Americana.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDUL-HAK, Ana. (2013), O Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS): Objetivos e interesses do Brasil. Brasília, FUNAG.

AFONSO, Patrícia. (2010), "A importância do desenvolvimento da Base Tecnológica e Industrial de Defesa (BTID) para o esforço das capacidades nacionais de defesa". Congresso Nacional de Segurança e Defesa. Anais. Lisboa: Universidade do Porto. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 16.

ALSINA, João Paulo. (2009), "O poder militar como instrumento da política externa Brasileira contemporânea". Revista Brasileira de Politica Internacional, vol. 52, no. 2: 173–191.

AMARAL, Roberto. (2014), "Política de Defesa de um país emergente", in: A. MONTEIRO; E. WINAND; L. GOLDONI (Orgs.), Defesa da Amazônia, São Cristóvão, Editora VES.

AVRAM, Călin. (2012), "European Armaments Co-Operation Strategy", The 7th International Scientific ConferenceDefense Resources Managementin the 21st century,

Braşov. Disponível em: http://conference.dremara.ro/conferences/2012/31_Avram.pdf. Acesso em: 04 nov. 16.

BRASIL, Ministério da Defesa. (2012), Livro Branco de Defesa Nacional.Brasília, MD.

BRIANI, Valerio. (2013), The Development of a European Defence Technological and Industrial Base (EDTIB). Bruxelas, European Parliament.

BUELVAS, Eduaro; PIÑEROS, Diego. (2013), "Las relaciones entre Colombia y Brasil en un contexto de regionalización diversificada en Suramérica y de un mundo multipolar emergente", Papel Politico, vol. 18, no. 2: 613–650.

CDS/UNASUR. (2008), Estatuto para el Consejo de Defensa Suramericano. Brasil,UNASUL.

DA SILVA, Peterson. (2010), Base Industrial de Defesa e Cooperação Regional.São Paulo, IEA. Disponível em: http://www.iea.usp.br/midiateca/apresentacao/silvainovacao.pdf/at_download/file. Acesso em: 11 set. 2015.

DE OLIVEIRA, Eliézer. (2009), "A Estratégia Nacional de Defesa e a Reorganização e Transformação das Forças Armadas",Interesse Nacional, Abril/Junho: 71-83.

DEFESA/FIESP, Departamento da Indústria de. (2012), Integração Sul-Americana em Defesa: Perspectivas e Desafios. São Paulo.

DONADIO, Marcela; TIBILETTI, María. (2014),Atlas Comparativo de la Defensa en América Latina y Caribe. Buenos Aires, RESDAL.

DUNNE, Paul. (1995), "The Defense Industrial Base", in: K. HARTLEY; T.

SANDLER (Orgs.), Handbook of defense economics, [s.l.], Ed. Elsevier.

EDA. European Defense Agency. (2008), European Armaments Co-operation Strategy: Report. Bruxelas. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 16.

EUROPEU, Conselho. (2013), Parte I , pontos 1-22 das conclusões do Conselho Europeu.Disponível em: Acesso em: 02 jun. 16.

EUROSATORY. (2008), "A Strategy for a Stronger and More Competitive European Defence Industry", Military Technology, no. 6: 16–24.

FERREIRA, Marcos. (2016), “Plataforma Aeronáutica Militar”, in: ABDI (org.), Mapeamento da Base Industrial de Defesa, Brasília, IPEA.

FUCCILLE, Alexandre. (2014), "Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS): Balanço e Perspectivas", Política Internacional(Anais), Brasília, ABCP. Disponível em: Acesso em 03 fev. 16.

GUAY, Terrence. (2005), The Transatlantic Defense Industrial Base: Restructuring Scenarios and their implications. Washington, Strategic Studies Institute.

HARTLEY, Keith. (2006), "Defence Industrial Policy in a Military Alliance", Journal of Peace Research, vol. 43, no. 4: 473–489.

______. (2011),The Economics of Defence Policy. A new perspective.1 ed. New York, Routledge Studies in Defense and Peace Economics.

LESKE, Ariela. (2016), "Armas e Munições Leves e Pesadas e Explosivos", in: ABDI (org.), Mapeamento da Base Industrial de Defesa, Brasília, IPEA.

MARKOWSKI, Stefan; HALL, Pete; WYLIE, Robert. (2010a),"Demand", in: S. MARKOWSKI; P. HALL; R. WYLIE(Orgs.), Defence Procurement and Industry Policy: A small country perspective, New York, Routledge.

______. (2010b), "Procurement and the chain of supply: A general framework", in: S. MARKOWSKI; P. HALL; R. WYLIE(Orgs.), Defence Procurement and Industry Policy: A small country perspective, New York, Routledge.

MATTHEWS, Ron; YAN, Nellie. (2010), "Small country Total Defence: A case study of Singapore", in: S. MARKOWSKI; P. HALL; R. WYLIE (Orgs.), Defence Procurement and Industry Policy: A small country perspective, New York, Routledge.

NEGRI, Fernanda. (2005),"Inovação Tecnológica e Exportações das Firmas Brasileiras",XXXIII Encontro Nacional de Economia: Economia Industrial e da Tecnologia (Anais), Natal, ANPEC.

ODEBRECHT, Marcelo. (2010), "É viável a formação de um cluster de indústrias de defesa na América do Sul?", in: N. JOBIM; S. ETCHEGOYEN; J. ALSINA(orgs.), Segurança Internacional: perspectivas brasileiras, Rio de Janeiro, FGV.

SANAHUJA, José; ESCÁNEZ, Verdes-Montenegro. (2014), "Seguridad y defensa en Suramérica : cooperación y autonomía en el marco de

UNASUR", Anuario de Integración, no: 10: 487–530. 0

SCHMIDT, Flávia; DE ASSIS, Lucas. (2013), A dinâmica recente do setor de defesa no Brasil: Análise das características e do envolvimento das firmas contratadas. Rio de Janeiro, IPEA.

SILVA, Carlos; MUSETTI, Marcel. (2003), "Logísticas militar e empresarial : uma abordagem reflexiva", Revista de Administração, vol. 38, no. 4: 343–354.

SOARES, Samuel.(2013), "Identidade entre Argentina e Brasil: compassos e descompassos na cooperação em Defesa",4o Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais (Anais). Belo Horizonte.

STOLTENBERG, Jens. (2014), The Secretary General’s Annual Report. North Atlantic Treaty Organization. New York, NATO. Disponível em: .

TUSSIE, Diana. (2013), "Os imperativos do Brasil no desafiador espaço regional da América do Sul: uma visão da economia política internacional", Lua Nova, no. 90: 243–270.

VILELA, Fernando. (2009), "Integração das Indústrias de Defesa na América Do Sul", Revista da Escola de Guerra Naval, no. 14: 155–171.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Edson Aita

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4