Revitalização da Indústria de Defesa e os Programas de Modernização das Forças Armadas: Um balanço dos governos Lula da Silva e Rousseff

Antonio Henrique Lucena Silva, Luiz Pedone

Resumo


Durante o governo Lula da Silva (2003-2011) e dando continuidade do governo de Dilma Rousseff (2011-2016), as Forças Armadas presenciaram o crescimento do orçamento do Ministério da Defesa e efetivação de alguns de seus projetos. Alguns projetos avançaram enquanto outros estão em atraso. O objetivo desse artigo é fazer uma balanço dos investimentos realizados e dos programas de transferência de tecnologia. Podemos identificar que algumas áreas tiveram avanço enquanto outras carecem de maior atenção. A cooperação internacional foi usada para facilitar o desenvolvimento tecnológico do Brasil. No entanto, é improvável que as estimativas de transferência total de tecnologia se concretizem. O receio atual é que parte dos programas sofram atrasos devido a crise econômica e política que o país vivencia. 


Palavras-chave


Governo Lula; Governo Dilma; Indústria de Defesa; Modernização.

Texto completo:

PDF

Referências


Bitzinger, Richard A. Towards a Brave New Arms Industry? Nova Iorque: Oxford University Press, 2003.

Caiafa, Roberto. “Braço Forte, Mão Amiga,” Tecnologia & Defesa 132 (2013) v.1. Jundiaí: Tecnodefesa Editorial.

Calderaro, Reinaldo Sótão. “A Ação do Ministério da Defesa na Articulação da Política de Defesa com a Política Externa Brasileira a partir de 2007.” (Dissertação de Mestrado - Curso de Ciências Militares, Eceme, Rio de Janeiro, 2013, 139 f.)

Correa Filho, Sérgio Leite Schmitt et al. Panorama sobre a indústria de defesa e segurança no Brasil. Brasília: BNDES, 2013.

Dagnino, Renato. A indústria de defesa no governo Lula. Campinas: Expressão Popular, 2010.

Ferreira, M.J.B. e F. Sarti, Diagnóstico: Base Industrial de Defesa Brasileira. Campinas: ABDI, NEIT-IE-UNICAMP, 2011.

Held, David et al. Global transformations: Politics, economics and culture. Stanford, CA: Stanford University Press, 1999.

International Institute for Strategic Studies (IISS). The Military Balance 2014. Londres: Routledge, 2014.

Krause, Keith, Arms and the State: patterns of military production and trade. Cambridge University Press, 1995, 299 p.

Markusen, Ann, Sean Digiovanna e Michael Leary, (Eds.). From Defense to Development? International perspectives on realizing the peace dividend. Nova Iorque: Routledge, 2003.

Neuman, Stephanie. “Power, Influence and Hierarchy: Defense Industries in a Unipolar World,” in Bitzinger, Richard. The modern defense industry: political, economic and technological issues. Santa Bárbara: ABC Clio, 2009.

Plavetz, Ivan. “Força Aérea: em busca da modernidade,” Tecnologia & Defesa 132 (2013) v.1. Jundiaí: Tecnodefesa Editorial.

Rosendo, Roberto Cezar e Luiz Pedone, “PROSUB - Programa de Desenvolvimento de Submarinos: contribuições para a consolidação da base industrial de defesa marítima brasileira,” Revista da Escola de Guerra Naval vol 22 n. 1 (jan./abr. 2016): 33-68.

Schmidt, Flávia de Holanda e Lucas Rocha Soares de Assis, “A Dinâmica Recente do Setor de Defesa no Brasil: análise das Características e do Envolvimento das Firmas Contratadas”, Ipea: Textos para discussão, Rio de Janeiro, 2013, p.1-65.

SIPRI. Arms Trade Database (2013). Acesso 22 junho 2013, Disponível em: https://www.sipri.org.

Sköns, Elisabeth e Herbert WULF, “The Internationalization of the Arms Industry,” in: Annals of the American Academy of Political and Social Science, v. 535 (1994): 43-57, The Arms Trade: Problems and Prospects in the Post-Cold War World, SAGE Publications.

Spear, Joanna e Neil Cooper, “The Defence Trade,” in Collins, Allan. Contemporary Security Studies. Nova Iorque: Oxford University Press, 2010.

Tsai, Ming Yen, From Adversaries to Partners? Chinese and Russian Military Cooperation after the Cold War. Londres: Praeger Publishers, 2003.

Wiltgen, Guilherme, “As perspectivas da Marinha,” Tecnologia & Defesa 132 (2013) v.1. Jundiaí: Tecnodefesa Editorial.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Antonio Henrique Lucena Silva, Luiz Pedone

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4