Tecnologia como fator estratégico para o Brasil e para a segurança da América do Sul

Michelly Sandy Geraldo, Naiane Inez Cossul

Resumo


O artigo objetiva demonstrar como a tecnologia caracteriza-se como um fator estratégico para o Brasil e para a segurança do seu entorno imediato. Partindo da ideia de que há restrições formais e informais para a aquisição de armamentos no cenário internacional, o desenvolvimento de tecnologias em âmbito nacional com processos de transferência e aperfeiçoamento de capacidades é ponto elementar para a soberania tecnológica e também para o incremento de tecnologias sensíveis, como é o caso de produtos de defesa. Nesse sentido, o artigo está dividido em duas seções. Inicialmente delineiam-se aspectos sobre o cerceamento tecnológico, demonstrando como a busca por desenvolvimento de tecnologias em âmbito nacional é uma das respostas a esse movimento no sistema internacional. Em um segundo momento, traça-se um panorama sobre a necessidade tecnológica no programa de defesa brasileiro, apontando, como exemplos, a implantação de tecnologias de informação e comunicação no CENSIPAM, SISFRON, SisGAAZe do projeto para operação do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), coordenado pelas Forças Armadas brasileiras, como elemento estratégico e de caráter dual para a defesa nacional. Assim, será possível compreender o papel desses projetos tecnológicos para a inserção regional do Brasil, para a construção de uma agenda de defesa pautada na dissuasão e para a diminuição do cerceamento tecnológico.


Palavras-chave


Brasil; Segurança na América do Sul; Tecnologia; Cerceamento tecnológico

Texto completo:

PDF

Referências


BATTAGLINO, Jorge. (2009),“O Brasil e a criação do Conselho de Defesa Sul-Americano: Uma convergência de vantagens”. Revista Nueva Sociedad(especial emportuguês).

BISWAS, B. (1993),“Defense spending and economic growth in developing countries”. In: Payne, J. E. and Sahu, A. P. (Eds.), Defense Spending and Economic Growth. Westview Press, Boulder.

BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA. (2016a),“SENSIPAM”. Disponível em Acesso em: 12 jun 2016.

______.(2016b),“Projeto do Ministério da Defesa mapeia mais de 70% do vazio cartográfico da Amazônia”. Disponível em: Acesso em 10 jun 2016.

_______. (2016c),“Projetos Estratégicos da Defesa”.Disponível em: Acesso em: 05 jun 2016.

______. (2015), SISFRON atua na defesa e no desenvolvimento da fronteira terrestre do Brasil”. Disponível em: Acesso em: 20 nov 2015.

______. 2014,“Primeira unidade do Sistema de Monitoramento de Fronteiras entra em funcionamento no Mato Grosso do Sul”. Disponível em: Acesso em: 10 nov 2015.

______.(2013),“Seminário sobre monitoramento reunirá representantes de dez países da América do Sul”. Disponível em: Acesso em: 10 jun 2016.

______. (2012),“PDN, END: Versão compilada”. Disponível em: Acesso em: 15 jul 2015.

BRASIL, PLANALTO. (2016),“Dilma visita obras do centro de controle do satélite geoestacionário brasileiro”. Disponível em: Acesso em: 05 jun 2016.

BRASIL, MINISTÉRIO DA COMUNICAÇÃO.(2015). “Saiba os benefícios do satélite geoestacionário”. Disponível em: Acesso em: 10 out 2016.

CAVAGNARI FILHO, Geraldo Lesbat.(1993),“Ciência e Tecnologia no Brasil: Uma Nova Política para um Mundo Global”Disponível em: . Acesso em: 01 mai 2016.

CHAVES JÚNIOR, S.F.A. (2013), “Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz): o passo inicial para o efetivo controle da área marítima brasileira”. Monografia.Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro.

DEGER, S.; SMITH, R. (1983),“Militaryexpendituresandgrowth in lessdeveloped countries”. JournalofConflictResolution, 27(2): 335–353.

DUARTE, Érico Esteves. (2012) “Tecnologia Militar e Desenvolvimento Econômico: Uma Análise Histórica”. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Rio de Janeiro.

FRANKLIN, Ursula. (1990) The Real World of Technology. Toronto: CBC Enterprises.

GUIMARÃES, Samuel Pinheiro (1998). “Desafios e dilemas dos grandes países periféricos: Brasil e Índia”. Revista brasileira de política internacional, vol.41, n.1, Brasília.

HOREWICZ, Marcelo Corrêa. (2014) “Emprego de Comunicações por Satélite no SISFRON”.Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro.

LEITE, Amauri Pereira. (2013), “O projeto piloto do sistema integrado de monitoramento de fronteiras: concepção e situação atual”. Monografia. Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro.

LEOPOLDINO, Cláudio M. (2013), “Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais”.Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: Acesso em: 05 dez 2015.

LONGO, W.P. A. (2007),“Tecnologia militar: conceituação, importância e cerceamento”. Tensões mundiais, Vol.3, n.5: 111-143, Fortaleza/Ceará.

______. (1987),“Conceitos básicos sobre ciência e tecnologia”. Escola Superior de Guerra.

LONGO, W.P.; MOREIRA, W.S. (2010), “Contornando o cerceamento tecnológico” In: Eduardo Svartman, Maria Celina d’Araujo, Samuel Alves Soare (orgs.) Defesa, Segurança Internacional e Forças Armadas, Editora Mercado de Letras, Campinas, SP: 309-321.

______. (2009),“O acesso a tecnologias sensíveis". Tensões Mundiais, v. 5, n. 9: 76-98, Fortaleza/Ceará.

PEDONE, Luiz. (2009),“Mecanismos Unilaterais de Cerceamento Tecnológico e Comercial e Regimes que o Brasil não aderiu”.Anais do III Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos de Defesa – ABED, Universidade Estadual de Londrina.

PROENÇA JUNIOR, Domício. (2011), “Promessa Tecnológica e Vantagem Combatente”. Rev. Bras. Polít. Int. 54 (2): 173-188.

RAM, R. (1993),“Conceptual linkages between defense spending and economic growth and development: A selective review”. In: Payne, J. E. and Sahu, A. P. (Eds.), Defense Spending and Economic Growth.Westview Press, Boulder.

RUSSO, Waldo. (2013),“Satélite Brasileiro geoestacionário de defesa e comunicações”. Ciência e Cultura, vol.65 no 4, São Paulo.

SACHS, Jeffrey. (2000),“A new mapofthe world”. The Economist. Disponível em: Acesso em: 04 abr 2016.

SÁENZ, T.W., CAPOTE, E.G. (2002), “Ciência, inovação e gestão tecnológica”. CNI/IEL/SENAI e ABIPTI, Brasília, DF.

SILVA, Peterson Ferreira da. (2011), “CT&I e Defesa Nacional: Novos Rumos para o Debate Brasileiro?” Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, v.2, n.1: 239-251.

VISIONA, Tecnologia Espacial. (2016),“Programa SGED”. Disponível em: Acesso em: 02 jun 2016.

WIKILEAKS. (2011), “Responding to Ukrainian questions concerning USG support for Ukrainian-Brasilian SLV joint venture at Alcantara”.Disponível em: . Acesso em: 11 nov 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Michelly Sandy Geraldo, Naiane Inez Cossul

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4