A PROBLEMÁTICA SOCIOAMBIENTAL DA OCUPAÇÃO URBANA EM ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO DA “SUÍÇA BRASILEIRA”

Artur Rosa Filho

Resumo


Os deslizamentos de encostas têm aumentado consideravelmente nas últimas décadas, principalmente nos centros urbanos dos países denominados emergentes. Esses deslizamentos são agravados em função da urbanização intensa e da construção de habitações em encostas acentuadas, alterando a paisagem urbana. O objetivo geral deste artigo é apresentar as conseqüências da ocupação urbana em áreas de risco de deslizamento de encostas, a partir de um estudo de caso, realizado em julho de 2005, no município de Campos do Jordão-SP. Para este estudo, destacaram-se duas favelas: Britador e Vila Santo Antônio. Esse estudo partiu do pressuposto de que as pessoas ao morarem em áreas de risco, ficam vulneráveis aos deslizamentos e colocam-se à mercê do acaso e nem a experiência adquirida com os deslizamentos anteriores, as livram da exposição e das tragédias que um novo deslizamento pode provocar. Entende-se que essas favelas configuram-se sob a lógica da urbanização brasileira, como áreas de segregação sócio-espacial, representativas das periferias das cidades brasileiras.Palavras chaves: Ocupação Urbana, Favelas, Áreas de Risco, Deslizamento de Encostas, Britador e Santo Antônio.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v3.1.p33-40



      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License