Potencial de Espécies de Leguminosas para Recuperação de Solo Contaminado por Arsênio (Legumes Species Potential for Contaminated Soil Recovery for Arsenic)

Roseli Freire Melo, Luis Eduardo Dias, Igor Rodrigues Assis

Resumo


A fitorremediação é uma técnica de descontaminação de solos pouco utilizada no Brasil. O desconhecimento de espécies com habilidade de atuarem como fitorremediadoras tem sido uma limitação para o desenvolvimento desta técnica. O presente estudo objetivou avaliar o potencial de mucuna preta, feijão de porco e crotalária atuarem como espécies fitorremediadoras de solos contaminados por arsênio. Amostras de um Latossolo Vermelho Amarelo foram incubadas com diferentes doses de arsenato 0; 50; 100 e 200 mg dm-3 e semeadas as três espécies. Aos 65 dias após a semeadura as plantas foram avaliadas quanto à altura, diâmetro e massa seca da parte aérea e de raízes. Teores e conteúdos de arsênio (As) foram determinados nas folhas jovens, intermediárias e basais, caule e raízes, estabelecendo-se o índice de translocação (IT) do elemento entre o sistema radicular e a parte aérea das plantas. Por meio de análises de regressão foram estimados os teores críticos (TC) de As disponível no solo que proporcionaram redução de 50% na produção de biomassa das plantas. As espécies avaliadas mostraram comportamento diferenciado quanto à tolerância ao As, com destaque para mucuna preta que não manifestou sintomas morfológicos visuais de toxidez, como lesões nas folhas, e apresentou valores de TC significativamente superiores aos observados para as demais espécies. A crotalária apresentou maior capacidade de absorção e translocação de As para a parte aérea, mostrando maior potencial para programas de fitorremediação. Os elevados conteúdos de As nas raízes de feijão de porco e mucuna preta, e na parte aérea da crotalária sugerem a atuação de mecanismos diferenciados de acumulação e de translocação do metaloide nos tecidos da parte aérea das espécies avaliadas.

 

ABSTRACT

This study aimed to evaluate the velvetbean (Stizolobium aterrimum Piper e Tracy), jack bean (Canavalia ensiformis L.) and crotalaria (Crotalaria spectabilis Roth.) potential to phytoremediation of arsenic-contaminated soils. Samples of Red Yellowish Latossol were incubated with different doses of sodium arsenate 0; 50; 100 and 200 mg dm-3, and 15 days later the species were seeded. Sixty five days after seeding, plants were evaluated to height, diameter and root and shoot biomass. Arsenic content in young, intermediated, and old leaves, steam and roots, and As-translocation index (IT) were determined. By regression analysis the values of critical soil available arsenic (TC) that reduced 50% of biomass production were determinate. The species showed different As-tolerance behavior, with emphasis to velvet bean that did not show As-toxic morphologic symptoms, as injuries in leaves, and showed high values of TC. Crotalaria plants presented more absorption and shoot translocation of arsenic, showing more potential to phytoremediation programs. The high As-contents in the roots of jack bean and velvet bean and shoot of crotalaria suggests the occurrence of different accumulation and translocation mechanisms to shoots tissues among the evaluated species.

Key-words: phytoremediation, arsenate, Canavalia ensiformis, Stilozobium aterrinum, Crotalaria spectabilis

 


Palavras-chave


Canavalia ensiformes; Stilozobium aterrinum; Crotalaria spectabilis

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v8.3.p938-949



      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License