Análise Comparativa da Evolução da Planície Costeira da Praia do Abaís entre os anos 1984 e 2016 (Comparative Analysis of the Abais Beach Coastal Plain Evolution between 1984 and 2016)

Rayane de Oliveira Silva, Daiany Santos Silva, Rosemeri Melo Souza, Marco Túlio Mendonça Diniz

Resumo


A Praia do Abaís, localizada no município de Estância, litoral sul do estado de Sergipe, vem sofrendo um intenso processo de urbanização provocado por uma série de fatores, destacando-se o interesse governamental pelo desenvolvimento do turismo nessa região e adjacências devido aos atrativos ambientais existentes, como praia, dunas e lagoas. Essa inserção da atividade turística seguida de uma urbanização sem planejamento, tem gerado uma série de impactos socioambientais negativos, a exemplo da erosão costeira com danos materiais visíveis, intrigando pesquisadores e prejudicando o próprio turismo na região. Com a finalidade de entender como esse processo de urbanização interferiu na configuração paisagem dessa praia e nos ciclos naturais do ambiente costeiro, o objetivo deste estudo é analisar, através da comparação das imagens de satélite do Google Earth dos anos de 1984 e 2016, a evolução da planície costeira da praia do Abaís. Para isso, foram elaborados zoneamentos delimitando as unidades de paisagem, consideradas mais marcantes, para as duas imagens; estas delimitações possibilitaram o levantamento da área de cada unidade para cada ano, permitindo, em conjunto com os zoneamentos, análises dentro das esferas legislativa, ambiental e social, que estão interligadas entre si. A ocupação irregular e desordenada da praia do Abaís seguida de seus impactos socioambientais negativos demanda planejamentos mais eficientes, com fiscalizações mais severas, visando o desenvolvimento econômico atrelado a preservação ambiental.

 

A B S T R A C T

Abaís beach, located in Estância’s city, southern coast of Sergipe state, has been impacted with an intense urbanization process caused by many factors, especially the governmental interest in the tourism development, in this region and adjacencies, because of the environmental attractiveness, like beaches, dunes and lagoons. This insertion of tourism activity followed by unplanned urbanization has generated negative socio-environmental impacts, such as coastal erosion with visible material damages, intriguing researchers and harming the tourism in this region. In order to understand how this urbanization process interfered in the landscape configuration of this beach and in the natural cycles of the coastal environment, the objective of this study is to analyze, through the comparation of Google Earth satellite images from 1984 and 2016, the Abais beach coastal plain evolution. For that, zoning was elaborated, delimiting the landscape units, considered more significant, for the two images; these delimitations enabled the survey of the area of each unit for each year, allowing, together with the zoning, analyzes within the legislative, environmental and social spheres that are interconnected with each other. The irregular and disorderly occupation of Abaís beach with its social and environmental negative impacts demands more efficient planning, with severe inspections, aimed at economic development ally to environmental preservation.

Keywords: Urbanization; Erosion; Coast; Tourism; Estância.


Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, H. M.; Macedo, H. S.; Bezerra, G. S.; Santos, J. S., 2011. Dunas da zona costeira na bacia inferior do rio Sergipe, Revista Geográfica de América Central. v. 2, p. 1-10.. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2017.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global: esboço metodológico. Cruz, Olga (trad.). Cadernos de Ciências da Terra. São Paulo, USP-IGEOG, nº 43, 1972.

Bittencourt, A.C.S.P.; Martin, L.; Dominguez, J.M.L.; Ferreira, Y.M.A, 1983. Evolução Paleogeógrafica Quaternária da Costa do Estado de Sergipe e da Costa Sul do Estado de Alagoas, Revista Brasileira de Geociências. V. 13(2). p. 93-97. Disponível em: < http://horizon.documentation.ird.fr/exl-doc/pleins_textes/pleins_textes_6/b_fdi_35-36/41892.pdf>. Acesso em 1 dez. de 2017.

Brasil, 1988. Lei nº 7.661, de 16 de maio.

____. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro.

____, 2005. Consumo Sustentável: Manual de educação. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

____, 2010. Lei complementar nº 31, de 02 de fevereiro.

Carter, R. W., 1988. Coast environments, ed. 1. Academic Press, Londres.

CONAMA, 2002. Resolução nº 303, de 20 de março.

____, 2003. Resolução nº 341, de 25 de setembro.

Corrêa, R. L. 1995. O Espaço Urbano, n. 174. Ática, São Paulo.

Correia, M. D.; Sovierzoski, H. H. 2005. Ecossistemas marinhos: recifes, praias e manguezais, ed. 1. EDUFAL, Maceió.

CPRM, 1997. Mapa Geológico do Estado de Sergipe. Escala 1:250.000. Codise/CPRM, Aracaju.

Diniz, M. T. M.; Oliveira, G. P.; Bernardino, D. B. S. M., 2015. Proposta de classificação das paisagens integradas. Revista de Geociências do Nordeste. , v.1, p.50 - 69, 2015.

Diniz, M. T. M.; Medeiros, S. C.; Cunha, C. J., 2014. Sistemas atmosféricos atuantes e diversidade pluviométrica em Sergipe. Boletim Goiano de Geografia (Online). , v.34. Disponível: https://www.revistas.ufg.br/bgg/article/viewFile/38839/19692 Acesso: 22 out. 2016.

Fonseca, J. J. S. 2002. Metodologia da pesquisa científica, ed. 1. UEC, Fortaleza/CE.

Gerling, C. et. al. 2016. Manual de Ecossistemas Marinhos e Costeiros para Educadores, ed. 1. Comunnicar, Santos/SP.

Gomes, R. C. S., 2006. Produção Espacial do Município de Estância/SE: uma análise a partir do seu litoral, Revista eletrônica Scientia Plena. v. 2, n.6, p. 26-29. Disponível em: https://www.scientiaplena.org.br/sp/article/view/589/244>. Acesso em: 26 nov. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo demográfico. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2017.

Lueder, D. R. 1959. Aerial Photographic Interpretation: Principles and Applications, ed. 1. Mac-Hill, New York.

Macedo, H. S., 2014. Ordenamento territorial-ambiental na Bacia Costeira Caueira/Abaís. Dissertação (mestrado em Geografia). São Cristóvão/SE, Universidade Federal de Sergipe/UFS.

Martins, C. R.; Alves, L. J.; Correia, R. C., 2011. Análise evolutiva da produção de coco no Estado de Sergipe frente ao crescimento da cultura no nordeste e no Brasil. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural – 49º da SOBER. Disponível em: Acesso: 30 nov. 2017.

Mendes, A. S. V., 2010. A relação homem-natureza através dos tempos. in: Anais do XIX Encontro Nacional CONPEDI. Fundação Boiteux, Florianópolis.

MMA/GERCO. Ministério do Meio Ambiente/ Gerenciamento Costeiro, 1995. Perfil dos Estados Litorâneos do Brasil: subsídios à implantação do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro. Brasília.

Moraes, A. C. R., 2007. Contribuição para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. Ed. 2 Annablume, São Paulo.

Mota, L.S.O; Souza, R.M. 2016. Mudanças ambientais na zona costeira: Perigo, vulnerabilidade e Riscos associados. in: Souza, R.M., SANTOS, S.S.C., SANTOS, E.A., Kohler, R. (orgs). Cenários Urbanos: Riscos e Vulnerabilidade na Gestão Territorial. Criação, Aracaju/SE. p. 105-132.

Muehe, D. 2001. Critérios Morfodinâmicos para o Estabelecimento de Limites da Orla Costeira para fins de Gerenciamento. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 2. p 35-44.

Müller, S.C.; Waechter, J. L. 2001. Estrutura sinusial dos componentes herbáceo e arbustivo de uma floresta costeira tropical. Revista Brasileira Botânica, v. 24, n.4. p. 395-406. Disponível em:

Acesso em: 30 nov. 2017.

PRODETUR- Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo em Sergipe, 2017. Elaboração do Plano e da Minuta do Projeto de Lei para a Política de Gerenciamento Costeiro do Estado de Sergipe. Diagnóstico da zona costeira do estado de Sergipe. Disponível em: < http://projects.mcrit.com/gerco/images/02_DIAGNOSTICO_PRELIMINAR_PreConsultas-Comissao_Sept2017.pdf>. Acesso em: 27 nov. 2017.

Projeto Tamar. Bases. 2016. Abaís. Itaporanga D'Ajuda /SE: TAMAR. Disponível em: < http://tamar.org.br/base.php?cod=31>. Acesso em: 22 out. 2016.

Santos, M. A., 2011. Análise geoambiental do município costeiro de Estância-Sergipe. Dissertação (mestrado em Geografia) – São Cristóvão/SE, Universidade Federal de Sergipe/UFS.

Santos, P. P. S., 2015. Entre a casa de praia e o imobiliário-turístico: a segunda residência no litoral sergipano. Dissertação (mestrado em Geografia. São Cristóvão/SE, Universidade Federal de Sergipe/UFS.

Santos, R. A.; et al. 2001. Geologia do estado de Sergipe. In: Santos, R. A.; Martins, A. A. M.; Neves, J. P.; Leal, R.A. (orgs). Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil – PLGB. Geologia e recursos minerais do Estado de Sergipe. Escala 1:250.000. Texto explicativo do Mapa geológico do Estado de Sergipe. Brasília/DF.

SEMARH- Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Aracaju, 2016. Disponível em: < http://www.semarh.se.gov.br/modules/news/article.php?storyid=2298> Acesso em: 15 jun. 2017.

Silva, M. S. F.; Souza, R. M. 2011. Território usado e implicações do turismo na APA Litoral Sul em Sergipe. In: SEMINÁRIO ESPAÇOS COSTEIROS, v. 1. Grupo Costeiro. Salvador/BA.

Spurr, S. H., 1960. Photogrammetry and Photointerpratation. 2 ed., Ronald Press Co., New York

Vilar, W. C.; Vieira, L. V. L., 2010. A dinâmica sócio-demográfica e os conflitos territoriais no litoral Sul de Sergipe. in: Vilar, J. W. C; Araújo, H. M. (orgs.). Território, meio ambiente e turismo no litoral sergipano. UFS, São Cristóvão/SE. p. 98-118.

Vilar, W. C.; Araújo, H. M. 2010. Iniciativas de Ordenamento Territorial no litoral Sul de Sergipe. in: Vilar, J. W. C; Araújo, H. M. (orgs.). Território, meio ambiente e turismo no litoral sergipano. UFS, São Cristóvão/SE. p. 21-39.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.1.p170-186

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License