Identificação e Delimitação de Unidades de Paisagem do Município de Baía Formosa (RN)

Marco Túlio Mendonça Diniz, Ana Caroline Damasceno Souza, Sandro Damião Ribeiro da Silva, Jucielho Pedro da Silva

Resumo


da interação entre os agentes bióticos, abióticos e antrópicos da Paisagem. Para que elas possam ser operacionalizadas e discutidas, pode-se lançar mão da concepção geossistêmica, que é responsável pela fomentação de análises geográficas que consideram as múltiplas interconexões existentes no todo global. Tendo essas assertivas como válidas, esta pesquisa tem como objetivo a identificação, delimitação e descrição das Unidades de Paisagem do município de Baía Formosa (RN). Para sua realização, executou-se o mapeamento da área, baseado em critérios fisionômicos, valendo-se da escala das geofácies (1:25.000). Ademais, além da interpretação de imagens de satélite, foi realizado trabalho de campo para validação dos resultados prévios. Entre os resultados, destacam-se, nas Unidades de Paisagem, uma região natural, denominada de “Planícies e Planaltos Sedimentares Úmidos e Subúmidos”; dois geocomplexos, a saber: “Planícies Costeiras Úmidas” e “Tabuleiros Costeiros Úmidos”, que, por sua vez, foram compartimentados em dez e cinco geofácies, respectivamente. Predominou, no município, a geofácie Agricultura Temporária (Cana-de-açúcar), a qual foi mapeada em 48,94% da área municipal, o que equivale a 125,05 km². Na sequência, surge a Mata de Restinga no Tabuleiro com 13,80% da área e 35,27 km². Em seguida, há a Planície Flúvio-Marinha com Manguezal, que se situa em 13,46% do território com uma área de 34,40 km². Portanto, a utilização das geotecnologias possibilitou um rico detalhamento de informações a qual a escala utilizada abrange, fornecendo subsídios ao ordenamento territorial.

 

Identification and Delimitation of Landscape Units in the Municipality of Baía Formosa (RN)

A B S T R A C T

The Landscape Units are homogeneous areas, with similar natural characteristics, being the result of the interaction between the biotic, abiotic and anthropic agents of the Landscape. So that they can be operationalized and discussed, one can draw on the geosystemic conception, which is responsible for fostering geographic analyzes that consider the multiple interconnections existing in the global whole. Having these assertions as valid, this research has as objective the identification, delimitation and description of the Landscape Units of the municipality of Baía Formosa (RN). For its accomplishment, the mapping of the area was executed, based on physiognomic criteria, using the scale of the geofacies (1:25,000). In addition, besides the interpretation of satellite images, field work was carried out to validate the previous results. Among the results, stand out in the Landscape Units a natural region called “Plains and Plateaus Sedimentary Humid and Subhumid”; two geocomplexes, namely: “Humid Coastal Plains” and “Humid Coastal Tablelands”, which, in turn, were compartmentalized into ten and five geofacies, respectively. Predominated, in the municipality, the geofacie Temporary Agriculture (Sugar Cane), which was mapped in 48.94% of the municipal area, which is equivalent to 125.05 km². In the sequence, the Restinga Forest on the Tableland with 13.80% of the area and 35.27 km². Then, there is the Fluvial-marine Plain with Mangrove, which is situated in 13.46% of the territory with an area of 34.40 km². Therefore, the use of geotechnologies made it possible a rich information detail to which the scale used covers, providing subsidies to the spatial planning.

Keywords: Geosystemic Approach; Landscape Units; Baía Formosa - RN.


Palavras-chave


Abordagem geossistêmica; Unidades de Paisagem; Baía Formosa - RN.

Texto completo:

PDF

Referências


Ab’sáber, A. N, 2003. Os Domínios de Natureza do Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo, Ateliê Editorial.

Angelim, L. A. A.; Medeiros, V. C.; Nesi, J. R, 2006. Programa Geologia do Brasil – PGB. Projeto Geologia e Recursos Minerais do Estado do Rio Grande do Norte. Recife, CPRM/FAPERN. 1 mapa colorido. Escala 1: 500.000.

Bertrand, G, 1972. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. Cruz, O. (trad.) Cadernos de Ciências da Terra. São Paulo: USP-IGEOG, n. 43.

Bertrand, G. 2004. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. Revista RA’E GA, Curitiba, v. 8, n. 1, p. 141-152.

Bertrand, G.; Bertrand, C, 2007. Uma Geografia transversal e de travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Massoni.

Bolós, M. I. C, 1981. Problemática actual de los estudios de paisaje integrado. Revista de Geografia. Barcelona, v. 15, n. 1-2, p. 45-68.

Brasil, 1981. Ministério das Minas e Energia. Secretaria-Geral, Projeto RADAMBRASIL. Folhas SB. 24/25 Jaguaribe/Natal; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro.

______. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Código Florestal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm >. Acesso em: 20 nov. 2018.

Cailleaux, A.; Tricart, J, 1956. Le problème de la classification des faits géomorphologiques. Annalles de Géographie, v. 65, p. 162 -186.

Cestaro, L. A.; Araújo, P. C.; Medeiros, C. N.; Cisneiros, R.; Araújo, L. P, 2007. Proposta de um sistema de unidade geoambientais para o Rio Grande do Norte. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, Natal. Anais.

Christofoletti, A, 1999. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgard Büchler.

Costa, D. F. S, 2017. Serviços ecossistêmicos prestados pelos manguezais do Rio Grande do Norte (Nordeste do Brasil). Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento, v. 1, n. 1, p. 1127-1136.

Diniz, M. T. M.; Oliveira, A. V. L. C, 2018. Mapeamento das unidades de paisagem do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Boletim Goiano de Geografia (Online). Goiânia, v. 38, n. 2, p. 342-364.

Diniz, M. T. M.; Oliveira, G. P, 2016. Proposta de compartimentação em mesoescala para o litoral do nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 17, p. 565-590.

Diniz, M. T. M.; Oliveira, G. P.; Medeiros, D. B. S, 2015. Proposta de classificação das paisagens integradas. REGNE, Caicó, v.1, n.1, p. 50 – 65.

Diniz, M. T. M.; Oliveira, G. P.; Maia, R. P.; Ferreira, B, 2017. Mapeamento Geomorfológico do estado do Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 18, p. 689-701.

Diniz, M. T. M.; Pereira, V. H. C, 2015. Climatologia do estado do Rio Grande do Norte, Brasil: Sistemas Atmosféricos Atuantes e Mapeamento de Tipos de Clima. Boletim Goiano de Geografia (Online), v. 35, p. 488-506.

Diniz, M. T. M.; Silva, S. D. R, 2018. O Método Indutivo e a pesquisa em Geografia: aplicação no mapeamento de unidades da Paisagem. Caderno de Geografia, v. 28, n. 54, p. 731-745.

Dorado, A.; Melero, M. G.; Gomes, E. P. C.; Damato, M.; Cavana, D, 2006. Unidades de vegetação da Mata Estrela, município de Bahia Formosa – RN. In: Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto, 3., 2006, Aracaju. Anais.

EMBRAPA. Empresa Brasileira De Pesquisa Agropecuária, 2013. Sistema brasileiro de classificação de Solos. Brasília.

Fernandes, R. C, 2006. Diagnóstico geoambiental com uso do geoprocessamento visando a determinação de potencialidades de uso do solo para a área estuarina do Rio Curimataú – Canguaretama (RN). Dissertação (Mestrado em Recursos Minerais; Recursos Hídricos; Meio Ambiente) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

França, F. M. C.; Oliveira, J. B, 2010. Quebra-ventos na propriedade agrícola. Cartilhas temáticas – tecnologias e práticas hidroambientais para convivência com o Semi-árido, Fortaleza, CE, 21p.

GRUPO FARIAS. Disponível em: < http://www.grupofarias.com.br/grupofarias/unid_bformosa.htm >. Acesso em: 15 nov. 2018.

Govindin, J. L. S, 2014. Agroindústria canavieira e unidade de conservação: Impactos Sociais na comunidade de pescadores de Baía Formosa (RN). Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente, Cultura e Desenvolvimento) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

IDEMA. Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, 2008. Perfil do seu município. Natal.

ICMBio. INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE, 2018. Reservas Particulares do Patrimônio Natural – RPPN, RPPN MATA ESTRELA. Disponível em: < http://sistemas.icmbio.gov.br/simrppn/publico/detalhe/308/ >. Acesso em 17 jul. 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE, 2018. Produção Agrícola – Lavoura Temporária, 2017. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/baia-formosa/pesquisa/14/10193 >. Acesso em 01 ago. 2018.

______. Produção Agrícola – Lavoura Permanente, 2017. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/baia-formosa/pesquisa/15/11863 >. Acesso em 20 nov. 2018.

______. Panorama – Baía Formosa. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/baia-formosa/panorama >. Acesso em 01 ago. 2018.

Junk, W. J.; Piedade, M. T. F.; Lourival, R.; Wittmann, F; Kandus, P.; Lacerda, L. D.; Bozelli, R. L.; Esteves, F. A.; Nunes Da Cunha, C.; Maltchik, L.; Schöngart, J.; Schaeffernovelli, Y.; Agostinho, A. A.; Nóbrega, R. L. B.; Camargo, E, 2015. Definição e Classificação das Áreas Úmidas (AUs) Brasileiras: Base Científica para uma Nova Política de Proteção e Manejo Sustentável. In: NUNES DA CUNHA, C.; PIEDADE, M. T. F.; JUNK, W. J. (Org.) Classificação e Delineamento das Áreas Úmidas Brasileiras e de seus Macrohabitats. Cuiabá: EdUFMT, p. 13-82.

Lima, C. J. C, 2004. Entre o Mar e a Estrela, um Lugar para se Bem Viver: a problemática da expansão urbana da cidade de Baía Formosa/RN. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Marques Neto, R. A, 2008. abordagem sistêmica e os estudos geomorfológicos: algumas interpretações e possibilidades de aplicação. Geografia, v. 17, n. 2, p. 67-87.

Morais, M. C. C, 1998. Terras Potiguares. Natal: Dinâmica.

Oliveira, F. F. G, 2011. Aplicação das técnicas de geoprocessamento na análise dos impactos ambientais e na determinação da vulnerabilidade ambiental no litoral sul do Rio Grande do Norte. Doutorado (Tese em Geociências e Meio Ambiente). Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro/SP

Panizza, A. C.; Fonseca, F. P, 2011. Técnicas de interpretação visual de imagens. GEOUSP – Espaço e tempo, São Paulo, n. 30, p. 30-43.

Ross, J. L. S, 2009. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos.

Santos, M, 2006. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 2ª reimpr. São Paulo: Edusp. 384 p. (Coleção Milton Santos, 1).

Silva, F. M, 2013. Análise da vulnerabilidade ambiental no estuário do Rio Curimataú/Cunhaú, Baía Formosa e Canguaretama - RN. Dissertação (Mestrado em Dinâmica e Reestruturação do Território) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Silva, S. D. R, 2018. Delimitação de Unidades da Paisagem do Litoral Setentrional Potiguar e Adjacências. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Soares, A. M. C, 2013. Gestão ambiental no turismo: uma análise dos Impactos Ambientais nos atrativos turísticos de Baía Formosa/RN. Monografia (Graduação em Turismo) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Sochava, V. B, 1963. The Definition of Some Concepts and Terms in Physical Geography, Dokl. In-ta geografii Sibiri i Dal’nego Vostoka, n. 3, pp. 50–59.

Souza, A. C. D.; Oliveira, A.M.; Costa, D. F. S, 2017. Classificação das áreas úmidas no sistema estuarino Galinhos e Guamaré (RN). In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 17, 2017, Campinas, SP. Anais... Campinas: UNICAMP, p. 1172-1180.

Souza, F. E. S, 2004. Evolução morfodinâmica da região de influência estuarina do Rio Curimataú/RN, com ênfase nas alternativas do ambiente deposicional de manguezal e a integração de geodados em Sig. Tese (Doutorado em Geodinâmica e Geofísica) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Souza, M. J. N, 2000. Bases Naturais e Esboço do Zoneamento Geoambiental do Estado do Ceará. In: LIMA, L. C., SOUZA, M. J. N., MORAIS, J. O. Compartimentação Territorial e Gestão Regional do Ceará. Fortaleza, Funece.

Tricart, J, 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, SUPREN, 97 p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2629-2644

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License