Carta da Paisagem das Américas: um olhar sobre sua construção e desafios

Lúcia Maria de Siqueira Cavalcanti Veras

Resumo


A Carta da Paisagem das Américas é fruto do compromisso dos países do continente americano, membros da Federação Internacional de Arquitetos Paisagistas da Região Américas (IFLA AR) com a elaboração de suas cartas nacionais e regionais de paisagem, com vistas à elaboração da Convenção Global da Paisagem. Publicada em 2018, a partir das 12 cartas já produzidas nas Américas e em sua maioria estimuladas pela Iniciativa Latino-americana da Paisagem (LALI), tem explicitamente como referência primeira a Convenção Europeia da Paisagem. Discutir seu conteúdo basilar e seu processo de construção até o produto final – fundamentado, essencialmente, no objeto empírico como ponto de partida definidor de seus princípios estruturadores, como a natureza, a cosmovisão, a cultura, a ética ambiental e a ‘americanidade’ como identidade – é o objetivo deste artigo. Estando em processo de implementação para ser homologada entre seus signatários, fecha-se esta discussão apontando-se os desafios implícitos formalmente em seus objetivos, reunidos em preocupações técnicas, políticas e voltadas à educação, bem como são apontados outros desafios em resposta às questões que já estão sendo levantadas nos fóruns de difusão e discussão necessários à sua apropriação e futura inserção em políticas de paisagem no continente americano.


Palavras-chave


Paisagem, Cartas da Paisagem, América

Referências


Baudot, G.; Todorov, T., 2019. Relatos astecas da conquista. São Paulo: Editora Unesp.

Bardin, L., 1977. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bartalini, V., 2007. Petrarca é o culpado. Arquiteturismo, São Paulo, ano 01, n. 010.04, Vitruvius, dez. Disponível em: . Acesso: 25 nov 2020.

Bernal García, M. E.; García Zambrano, A. J., 2006. El altepetl colonial y sus antecedentes prehispánicos: contexto teórico-historiográfico. In: Fernández Christlieb, F.; García Zambrano, A. J. (coord.). Territorialidad y paisaje en el altepetl del siglo XVI. México: FCE, Instituto de Geografia, UNAM, p. 31-113.

Bernd, Z., 2002. Americanidade/Americanização. In: XVII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras E Linguística (ANPOLL), Gramado. Anais [...]. Gramado: FAURGS-UFRGS, p. 1-24. Disponível em: Acesso: 25 jan. 2020.

Besse, J-M., 2006. Ver a terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva.

Borrini-Feyerabend, G.; Dudley, N.; Jaeger, T.; Lassen, B.; Broome, N. P.; Phillips, A.; Sandwith T., 2017. Governança de Áreas Protegidas: da compreensão à ação. Série Diretrizes para melhores Práticas para Áreas Protegidas, No. 20, Gland, Suiça: UICN.

Busquets Fàbregas, J.; Cortina Ramos, A., 2009. Las cartas del paisaje. In: Busquets Fàbregas, J.; Cortina Ramos, A. (coord.). Gestión del paisaje: manual de protección, gestión y ordenación del paisaje. Barcelona: Editorial Ariel, S. A., p. 425-446.

Carta da Paisagem das Américas. Federação Internacional de Arquitetos Paisagistas Região Américas (IFLA-AR), Universidad Autónoma Metropolitana unidad Azcapotzalco (UAM-A). Cidade do México, 28 set. 2018. Disponível em: . Acesso: 4 jun. 2020.

Carta del Paisaje de las Américas. International Federation of Landscape Architects Americas Region (IFLA-AR), Universidad Autónoma Metropolitana unidad Azcapotzalco (UAM-A). Ciudad de México, 28 set. 2018. Disponível em: . Acesso: 7 nov. 2018.

Cauquelin, A., 2007. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins Fontes.

Cedeño, Y., 2010. Nueva organización membro en Centro América y el Caribe. IFLA Newsletter Issue, n. 86, 10-11. Disponível em: . Acesso: 2 fev. 2020.

Convenção Europeia da Paisagem. Decreto n. 4/2005. Florença, 20 out. 2000.

Dussel, E., 1973. América Latina: dependencia y liberación. Buenos Aires: Fernando García Cambeiro,

D’Angelo, P., 2011. Os limites das actuais teorias da paisagem e a paisagem como identidade estética dos lugares. In: Serrão, A. V. (coord.). Filosofia da paisagem. Uma antologia. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, p. 419-439.

Epicuro., 2002. Carta sobre a felicidade: (a Meneceu). São Paulo: UNESP.

Escalante Gonzalbo, P.; García Martínez, B.; Jáuregui, L.; Zoraida Vásquez, J.; Speckman Guerra, E.; Garciadiego, J.; Aboites Aguilar, L., 2014. Nueva historia mínima de México. México, D. F.: El Colegio de México.

Giannetti, E., 2002. Felicidade: diálogos sobre o bem-estar na civilização. São Paulo: Companhia das Letras.

Giucci, G., 2003. Uma carta: império e nação. In: Rocha, J. C. de C. (org.). Nenhum Brasil existe. Pequena enciclopédia. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, p. 49-62.

Gonçalves, V., 2012. Entrelaçar corpo e paisagem: Petrarca, Rousseau e Nietzsche. In: Serrão, A. V. (coord.). Filosofia e arquitectura da paisagem. Um manual. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, p. 105-115.

Gumbrecht, H. U., 2003. Quem foi Vaz de Caminha? In: Rocha, J. C. de C. (org.). Nenhum Brasil existe. Pequena enciclopédia. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, p. 35-47.

Holloway, M., 2003. Prece nas areias: Paula Rego e as representações visuais da Primeira Missa no Brasil. In: ROCHA, João Cezar de Castro (org.). Nenhum Brasil existe. Pequena enciclopédia. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, p. 63-71.

Krenak, A., 2019. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lampreia, D., 2012. Por uma política de paisagem: a propósito da Convenção Europeia da Paisagem. In: Serrão, A. V. (coord.). Filosofia e arquitectura da paisagem. Um manual. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, p. 253-265.

Leite, C., 2012. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre: Bookman.

Lester, T., 2012. A quarta parte do mundo: a corrida aos confins da terra e a épica história do mapa que deu nome à América. Rio de Janeiro: Objetiva.

López Austin, A.; Millones, L., 2012. Dioses del norte, dioses del sul: religiones y cosmovisión en Mesoamérica y los Andes. México: Ediciones Era.

Muriá, J. M., 1982. Conquista y colonización en México. México: Fondo de Cultura Económica.

Nogué Font, J.; Sala Martí, P., 2009. Los catálogos de paisaje. In: Busquets Fàbregas, J.; Cortina Ramos, A. (coord.). Gestión del paisaje: manual de protección, gestión y ordenación del paisaje. Barcelona: Editorial Ariel, S. A., p. 397-426.

O’Gorman, E., 1984. La invención de América. México: Fundo de Cultura Económica.

Peñalosa, R.; Alcántara, S.; Jankilevich, C.; Veras, L.; Ocejo Cázares, M. T. (redactores)., 2018. Descubrir los paisajes de las Américas. Diseñar, planificar, conservar y gestionar. Carta del paisaje de las Américas. Astragalos: Revista Cuatrimestral Iberoamericana, México, n.25, p. 125-133, diciembre. Disponível em: . Acesso: 3 fev. 2020.

Querol, M., 2010. A. Manual de gestión del patrimonio cultural. Madrid: Ediciones Akal, S. A.

Ribeiro, R. W., 2007. Paisagem cultural e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN/ COPEDOC.

Rogers, R., 2013. Cidades para um pequeno planeta. São Paulo: Editora Gustavo G. Gilli, Ltda.

Santos, E. da S., 2016. O ensaio como forma nas obras de Miguel de Unamuno e de José Enrique Rodó. In: II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina. São Paulo. Anais [...]. São Paulo: PROLAM-USP. p. 1-14. Disponível em: . Acesso: 26 jan. 2020.

Schenk, L. B. M., 2008. Arquitetura da paisagem: entre o Pintoresco, Olmsted e o Moderno. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo, Áreas de Concentração em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos.

Serrão, A. V., 2012. Paisagem, uma categoria em transição. In: Serrão, A.V. (coord.). Filosofia e arquitectura da paisagem. Um manual. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, p. 317-332.

Silva, J. M. da; Sá Carneiro, A.R.; Feitosa Júnior, W. de B.; Rolim, M. E. D. de O., 2019. A Praça de Casa Forte: um jardim histórico, um patrimônio cultural do Brasil. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material [internet], v. 27, 1-30. DOI:

http://dx.doi.org/10.1590/1982-02672019v27e05

Simmel, G., 2011. Filosofia da paisagem [1913]. In: Serrão, A. V. (coord.). Filosofia da paisagem. Uma antologia. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, p. 42-51.

Tickel, C., 2013. Introdução. In: Rogers, R. Cidades para um pequeno planeta. São Paulo: Editora Gustavo G. Gilli, Ltda, p. ii-vii.

Unamuno, M., 2002. Americanidad. Caracas: Biblioteca Ayacucho.

Veras, L. M. de S. C. Paisagem-postal: a imagem e a palavra na compreensão de um Recife urbano. Tese. (Doutorado em Desenvolvimento Urbano), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014. Disponível em: . Acesso: 15 mar. 2021.

Williamson, E., 2016. História da América Latina. Lisboa: Edições 70.

Wolf, E., 1967. Pueblos y culturas de Mesoamérica. México: Ediciones Era S. A.

Zoido Naranjo, F., 2009. El Convenio Europeo del Paisaje. In: Busquets Fàbregas, J.; Cortina Ramos, A. (coord.). Gestión del paisaje. Manual de protección, gestión y ordenación del paisaje. Barcelona: Editorial Ariel, S. A., p. 299-315.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License