Entender a natureza para projetar: a Paleta Vegetal do Projeto Paisagístico do Parque Capibaribe

Joelmir Marques da Silva, Ana Raquel Santos de Meneses, Maiara Costa Mota

Resumo


Ante as demandas globais emergentes relacionadas à conservação da natureza e às mudanças climáticas, a cidade do Recife, capital do Estado de Pernambuco, Brasil, vem buscando estratégias para enfrentar tais problemáticas. Entre os projetos em desenvolvimento destaca-se o do Parque Capibaribe que visa promover uma nova forma de experienciar a cidade atrelada à recuperação ambiental e viabilizada pela criação e valorização dos espaços públicos, notadamente aqueles que englobam porções de natureza, e por sua conexão aos fragmentos florestais urbanos, públicos ou privados, formando uma grande rede ambiental. Contudo, um dos grandes desafios estava na seleção de espécies vegetais da Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas, característica do sítio, para compor a Paleta Vegetal do Projeto Parque Capibaribe, por existir uma lacuna referente ao seu emprego no paisagismo. Desta forma, objetiva-se com este artigo, apresentar e discutir o processo da seleção das espécies que compõem esta Paleta Vegetal. Por meio de pesquisa bibliográfica, sobre levantamentos florísticos e fitossociológicos de fragmentos florestais próximos ao Rio Capibaribe, chegou-se a um total de 523 espécies, que posteriormente foram submetidas a critérios relacionados ao uso dos espaços e manutenção, resultando em 194 espécies de diferentes estratos.

 

 

Understanding nature in order to design: the Vegetation Palette of the Capibaribe Park Landscape Project

A B S T R A C T

In the face of emerging global demands concerning nature conservation and climate change, Recife, capital of the State of Pernambuco, Brazil, has been seeking strategies to address these issues. Among the projects under development, the Capibaribe Park Project, which aims to promote a new way of experiencing the city in conjunction with environmental recovery, stands out for its creation and enhancement of public spaces, notably those that include pockets of nature, and their connection to fragments of public or private urban forest, forming a large environmental network. However, one of the major challenges has been the selection of plant species from the Dense Ombrophilous Lowland Forest, characteristic of the locality, to compose the Capibaribe Park Vegetation Palette, since there is a knowledge gap regarding their use in landscaping. The aim of this article is thus to describe the methodological process of selecting the species that make up this vegetation palette, which, through bibliographic research on floristic and phytosociological surveys of forest fragments near the Capibaribe River, reached a total of 523 species. From these, 194 species from different strata were subsequently selected according to space use and maintenance criteria.

Keywords: Environmental Recovery, Urban Parks, Urban Sustainability, Landscape, Vegetation.


Palavras-chave


Recuperação Ambiental, Parques Urbanos, Sustentabilidade Urbana, Paisagem, Vegetação

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A. C. de. (2008). Gestão de áreas verdes em ambientes urbanos: uma contribuição à análise e resolução de conflitos socioambientais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Barra, E. (2015) Composição formal e organização funcional da vegetação nativa no projeto paisagístico (2015). In: Batista, M. N., Schlee, M. B., Barra, E. & Tângari, V. R. (org.). A vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico (p.249-269). Rio de Janeiro: Rio Books.

Cabral, F. C. (2003). Fundamentos da arquitetura paisagística. Lisboa: Instituto da Conservação da Natureza.

Costa, L. M. S. A. (2015). Vegetação nativa: desdobramentos e perspectivas no processo paisagístico. In: Batista, M. N., Schlee, M. B., Barra, E. & Tângari, V. R. (org.). A vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico (p. 271-282). Rio de Janeiro: Rio Books.

Gandolfi, S. (1995). Composição florística e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbórea de uma mesófila semidecídua, no município de Guarulhos – SP. Revista Brasileira de Biologia, 55 (4), 753-767.

Houghton, D. (1984). Trees and erosion control, Queensland Agricultural Journal, 110 (1), 9-12.

Leite, J. R. T. (2014). Arte & Arquitetura no Brasil Holandês. 1ª. ed. Recife: Cepe.

Lyle, J. T. (1996). Regenerative Design for Sustainable Development. New York: MeritAward for Communications, American Society of Landscape Architects.

Marx. R. B. (2014 [1981]). Paisagismo e ecologia. In: Tabacow, J. (org.). Roberto Burle Marx: Arte e Paisagem (p. 159-170). São Paulo: Livros Studio Nobel Ltda,

Marx. R.B. (2014 [1967]). Jardim e ecologia. In: Tabacow, J. (org.). Roberto Burle Marx: Arte e Paisagem (p. 85-96). São Paulo: Livros Studio Nobel Ltda.

Monteith, J. & Unsworth, M. (1990). Principles of environmental physics. 2a Ed. New York: Edward Arnold, 1990.

Pietrobom, M. R. & Varros, I. C. L. (2007). Pteridoflora do engenho água azul, município de Timbaúba, Pernambuco, Brasil. Rodriguésia, 58 (1), 85-94.

Queiroz, W. T. de., Silva, M. L., Silva-Jardim, F. C.; Vale, R., Valente, M. D. R. & Pinheiro, J. (2017). Índice de valor de importância de espécies arbóreas da Floresta Nacional do Tapajós via análises de componentes principais e de fatores. Ciência Florestal, 27(1), 47-59.

Roger, A. (2007). Breve tratado del paisaje. Editorial Biblioteca Nueva: São Paulo.

Sá Carneiro, A. R. (2010). Parque e paisagem: um olhar sobre o Recife. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

Schlee, M. B. (2015). A resiliência da paisagem através da vegetação nativa: conceitos, práticas e desafios. In: Batista, M. N., Schlee, M. B., Barra, E. & Tângari, V. R. (org.). A vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico (p. 12-21). Rio de Janeiro: Rio Books.

Silva. J.M.. Moura, C.H. R. (2020). Análise da vegetação de um remanescente de Floresta Atlântica: subsídios para o projeto paisagístico. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 9(1). 002-024.

Silva. J.M. (2013). Floresta urbana: síndrome de dispersão e grupos ecológicos de espécies do sub-bosque. Bol. geogr., 31(1), 135-144. https://doi.org/10.4025/bolgeogr.v31i1.16873

Trujillo, A. F (1974). Metodologia da ciência. Rio de Janeiro: Kennedy.

Ufpe/Inciti. (2000). Plano Urbanístico de Recuperação Ambiental do Rio Capibaribe. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife, 2000.

Van Der Pijl, L. (1972). Principles of dispersal in higher plants. Berlim: Springer.

Vasconcelos, R. F. A. & Bezerra, O. G. (2000). Atlas ambiental do Recife. Recife: Secretaria de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente.

Veras, L. M. de S. C. (2018). Sob um parque, pulsa um rio: caminhos da memória de um Projeto de Paisagem para o Capibaribe. Patrimônio e Memória, 14 (1), 69-88.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p281-297

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License